Menu
2019-06-27T20:27:36-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Renda fixa

BC torna investimento em Letra Financeira mais acessível para investidor

Título de renda fixa conhecido como “debêntures dos bancos” terá menor valor de emissão e promessa de melhor liquidez

27 de junho de 2019
20:27
dinheiro; debênture
Imagem: Shutterstock

O Conselho Monetário Nacional (CMN) decidiu e o Banco Central (BC) anunciou uma série de medidas para elevar o volume de negociação e deixar mais acessível aos investidores as chamadas Letras Financeiras, títulos de renda fixa conhecidos como “debêntures dos bancos”, pois são uma forma de as instituições financeiras levantarem recursos.

Esse tipo de investimento sempre esteve bastante restrito a grandes investidores em função do valor elevado exigido, baixíssima liquidez e falta de garantia do Fundo Garantidor de Créditos (FGC). A compensação é a rentabilidade superior a outros instrumentos parecidos.

A partir de outubro, o valor mínimo de distribuição da LF cai de R$ 150 mil para R$ 50 mil. Isso para títulos sem cláusula de subordinação (não podem compor o capital regulamentar do banco).

As operações de compra e venda passarão a utilizar o valor de mercado dos títulos. Até então, só se poderia negociar uma LF emitida pelo seu valor de face, por isso da liquidez praticamente inexistente dos papéis.

Também foi concedida autorização para LF com prazo de vencimento acima de 36 meses tenha cláusula de opção de recompra ou revenda, independentemente das condições de remuneração.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

BANCÕES EM ALTA

Lucro do Banco do Brasil sobe 44,7% no 1º trimestre e atinge R$ 4,9 bilhões

O Banco do Brasil (BB) registrou lucro líquido ajustado de R$ 4,9 bilhões no primeiro trimestre deste ano, 44,7% maior que os R$ 3,4 bilhões reportados em igual período de 2020 e 32,9% superior ao resultado obtido nos últimos três meses do ano passado. “O lucro recorde para um trimestre é resultado de uma estratégia […]

Vol é vida?

Lucro líquido da B3 cresce 22,5% e atinge R$ 1,25 bi no 1º trimestre

O lucro líquido recorrente atingiu R$ 1,4 bilhão, alta de 15,5% frente ao mesmo período do ano passado e de 15,2% na comparação com o trimestre anterior

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

O Carnaval fora de época da Ambev e mais…

O varejo tem várias datas importantes: dia das mães, dia dos pais, dia das crianças, dia dos namorados, Black Friday, Natal… Há uma data comemorativa em quase todos os meses, e todas são aguardadas com ansiedade pelo setor — afinal, qualquer impulso nas vendas é bem vindo. Pois para a Ambev, a coisa funciona um […]

FECHAMENTO DO DIA

Balanços e commodities metálicas ditam o ritmo e Ibovespa fecha em alta; dólar volta à casa dos R$ 5,20

Com a agenda de indicadores fracas e um Copom sem grandes surpresas, os investidores se debruçaram nos números do trimestre e no novo recorde do minério de ferro.

Queda no apetite

Fed sinaliza risco de tombo nos preços de ativos em relatório de estabilidade

O banco central dos EUA demonstrou preocupação com um possível declínio no apetito ao risco dos investidores norte-americanos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies