Menu
2019-04-04T15:44:07-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Em defesa do patrão

Secretário da Previdência diz que Guedes teve mais serenidade do que se imaginava na CCJ da Câmara

Sobre a confusão no fim da audiência que debateu a reforma da Previdência, Rogério Marinho disse que o ministro “deu resposta altiva”

4 de abril de 2019
13:47 - atualizado às 15:44
Rogério Marinho
Marinho participou nesta quinta-feira, 4, da conferência "Perspectivas para o Brasil 2020" - Imagem: Wilson Dias/Agência Brasil

O secretário especial da Previdência e do Trabalho, Rogério Marinho, ao defender a reforma da Previdência, afirmou que o ministro da Economia, Paulo Guedes, teve "mais serenidade" do que ele imaginou que teria na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, na quarta-feira, 3.

"Guedes se excedeu no fim, com resposta altiva (à provocação)", afirmou o secretário, em referência aos insultos trocado com o deputado Zeca Dirceu (PT-PR), que chamou o ministro de "tchutchuca".

Marinho participou nesta quinta-feira, 4, da conferência "Perspectivas para o Brasil 2020", promovida pelo Banco Daycoval, em São Paulo.

Segundo ele, o ministro da Economia, Paulo Guedes, "terá dificuldade de articular com a oposição, que não quer saber de discussão propositiva".

O secretário evitou comentar a atuação da bancada do PSL na audiência. Ele disse, no entanto, que a audiência começou com mais participação de deputados de oposição porque a lista de presença remanesceu da reunião anterior, para a qual os membros da oposição teriam sido os primeiros a fazer inscrição. "Mas o equilíbrio se restabeleceu ao longo da própria audiência", comentou.

Para Marinho, Guedes respondeu às perguntas "de forma absolutamente democrática e tranquila". "Escutou os argumentos e, em alguns momentos, até acusações de caráter pessoal, mas teve serenidade e condição para fazer um debate de alto nível", disse.

Desconstruindo narrativas

O secretário também afirmou nesta quinta que momento é de desconstruir narrativas, inclusive, de que a reforma é prejudicial aos mais pobres.

De acordo com Marinho, nos bastidores, até mesmo os deputados que se dirigiram a Guedes na sessão da quarta de forma mais incisiva admitiram a necessidade e importância de se aprovar a reforma.

"Mesmo quem foi desaforado com Guedes reconhece que a reforma é necessária", disse o secretario, que participou da Conferência Daycoval - Perspectivas para o Brasil em 2020.

Outra narrativa que Marinho disse que precisa ser desfeita é a que se o governo cobrar os grandes devedores do INSS eliminaria a necessidade de se fazer uma reforma da Previdência. Marinho afirmou que o governo vai, sim, cobrar os grandes devedores, mas que a cobrança não vai reequilibrar as contas públicas. Hoje, de acordo com ele, 64% das despesas primárias do governo são previdenciárias.

Discussão do mérito

O secretário da Previdência ponderou que não é admissível discutir o mérito da reforma da Previdência na CCJ da Câmara dos Deputados, como indicaram alguns parlamentares recentemente.

Na quarta, na sessão em que o ministro da Economia, participou, temas como o Beneficio por Prestação Continuada (BBC) e aposentadoria do trabalhador rural acabaram por gerar polêmicas e acirrar o nervosismo entre os participantes.

A observação de Marinho é endossada por especialistas e conhecedores do regimento da Câmara, segundo os quais a comissão tem por definição discutir a constitucionalidade ou não dos projetos propostos pelo Poder Executivo.

Ao ser perguntado pelo Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado) se a CCJ era o foro adequado para se discutir estes temas, o secretário disse que não. "Lá é uma comissão de admissibilidade constitucional. O próprio regimento da Câmara fala a respeito disso de forma muito clara. A ordem para se discutir méritos é na Comissão Especial", comentou o secretário em rápida entrevista a jornalistas após ter participado do evento na capital paulista.

Ele afirmou ainda que o fato de Paulo Guedes ter admitido repensar o BPC e a aposentadoria rural faz parte do processo de diálogo com o Congresso. "O projeto que o ministério apresentou é o ideal, mas entendemos que, num processo democrático, um projeto vai ser emendado, aperfeiçoado", disse Marinho.

"O que o ministro admitiu ontem é que já há dentro do Parlamento um documento assinado por 13 partidos, que têm mais de 280 parlamentares, que têm posição contrária à atual proposta de mudança no BPC e na aposentadoria rural", afirmou o secretário após deixar a conferência.

Marinho não apresentou uma previsão - e nem mesmo uma expectativa do governo - sobre quando será concluído o processo de discussão e votação da reforma da Previdência. "O governo quer que o parlamento seja célere, mas sem perda para a qualidade do debate", afirmou o secretário.

Nada sai

O secretário também afirmou que o governo não vai, por conta própria, "retirar nada do projeto" da reforma da Previdência. Segundo ele, essa seria uma função do Congresso Nacional.

"Agora o papel é do parlamento. Se os deputados resolverem tirar a capitalização individual, o BPC, o rural, tiram, mas acho que é um erro", afirmou em almoço na Fiesp.

Marinho informou que uma nova campanha oficial pró-reforma deve ser lançada pelo governo em 10 dias. O secretário completou ainda que a reforma atinge grupos específicos e que essas pessoas "vão com força nas redes sociais", emendando que o cenário de desaprovação que se vê online não é o mesmo da realidade.

Ele criticou ainda o discurso de "corporações" que, segundo eles, "dizem que estão afrontadas com o BPC e o rural mas estão preocupadas com próprios benefícios".

Reforma tributária

Na esteira de sua defesa de que o governo precisará desconstruir narrativas contrárias à reforma da Previdência, o secretário da Previdência disse também que a reforma não prejudicará os mais pobres. Tanto que, de acordo com ele, no que se refere à reforma tributária, uma das defesas do ministro da Economia é a desoneração da folha de salários.

"A falta de reformas é que vai prejudicar os mais pobres", disse o secretário.

Marinho admitiu que a audiência na CCJ na quarta não teve o melhor desfecho, mas que, em conversa com Guedes após a sessão, eles chegaram à avaliação de que, no geral, foi positiva. No entanto, disse que "a audiência não foi para discutir a PEC, mas sim, visões de mundo. E que a visão liberal ganhou a eleição".

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Novela sem fim

Senadores articulam aprovação da MP da Eletrobras sem os ‘jabutis’ polêmicos, mas fazem novas adições ao texto

Os senadores sabem, no entanto, que essa alternativa pode não ser bem sucedida e que a Câmara vai resgatar os trechos retirados

Parlamentares furiosos

CPI suspende trabalhos pede condução coercitiva do empresário Carlos Wizard

Wizard é apontado como um dos integrantes de um suposto “gabinete paralelo” de aconselhamento ao governo para ações de combate à pandemia

Sobre shoppings e alianças

Como “compra por vingança”, casamentos adiados e bebês podem beneficiar a Vivara

Ao reafirmar recomendação de compra, XP explica como retomada de planos familiares e a vontade de consumir vão beneficiar a produtora de joias

Indenização ao governo

Ford deve pagar R$ 2,5 bilhões ao governo da Bahia

O acerto deve ser anunciado nos próximos dias, segundo fontes dos setores automotivo e jurídico

Força do campo

Prestes a realizar IPO, AgriBrasil aposta em sustentabilidade e expansão geográfica

Empresa que atua no ramo de exportação de grãos foi fundada em 2013 por Frederico Humberg, que vai aproveitar oferta para vender ações

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies