A AÇÃO QUE ESTÁ REVOLUCIONANDO A INFRAESTRUTURA DO BRASIL E PODE SUBIR 50%. BAIXE UM MATERIAL GRATUITO

2019-04-04T14:50:33-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Vai desandar o caldo?

Se olharmos a conjuntura, governo não aprova a reforma da Previdência, diz cientista político

Luciano Dias chama o ministério de Bolsonaro de “confuso” e diz que ministros erram ao dar “chá de cadeira” em parlamentares

2 de abril de 2019
17:18 - atualizado às 14:50
Jair Bolsonaro
Jair Bolsonaro - Imagem: Shutterstock

O cientista político Luciano Dias, sócio da CAC Consultoria Política, afirmou nesta terça-feira, 2, que, analisando a conjuntura política e o nível da articulação do presidente Jair Bolsonaro, o governo "não aprova reforma nenhuma", em referência à Previdência.

"O presidencialismo de coalização é um mecanismo preditor, que ajudou a prever o impeachment de Dilma Rousseff e ajudou a prever que Michel Temer teria mais capacidade para passar reformas, mas hoje, com o Bolsonaro, é um grande dilema, que não é simples de entender", disse.

"Se olhar (o governo Bolsonaro), não aprova reforma nenhuma, o ministério não é técnico, é confuso", afirmou Dias. "Em que medida o governo Bolsonaro vai entrar num governo Bolsonaro? Ele vai entrar, porque não há alternativa, mas não se sabe em que medida, é o que resta discutir", afirmou. "Tem ministério dando chá de cadeira em parlamentar", criticou.

Para ele, uma forma de pacificar essa relação com o Congresso seria montando um governo de notáveis, com nomes indiscutíveis, mas isso não tem sido feito.

Dias lembrou, como um exemplo de dificuldade para aprovar a reforma no Congresso, que metade da bancada do PSL, partido do presidente, é formada por delegados de polícia ou membros das Forças Armadas, que são categorias que seriam prejudicadas por uma reforma dura na Previdência.

O cientista político, contudo, acredita que há uma centro-direita disponível para formar uma maioria no Congresso, que está fazendo um jogo político racional e razoável. "Falta apenas Bolsonaro se adaptar a essa realidade, é isso que vai determinar", disse.

Reforma "a conta-gotas"

Já a visão do cientista político Carlos Melo, do Insper, é um pouco mais otimista. Para ele, a aprovação de uma reforma da Previdência "a conta-gotas" é mais crível no atual cenário do que aprovar uma "reforma dos sonhos".

"Acredito muito mais em, no primeiro ano aprovar alguma coisa, no segundo ano outra coisa e no fim, somando tudo, algo que você chame de reforma", disse Melo em evento do Bradesco BBI. Segundo ele, a trégua na crise política do governo é muito bem-vinda para o andamento da reforma da Previdência, mas é cedo ainda para dizer que será duradoura.

Melo diz que há um erro de estratégia por parte do Executivo em tratar a relação com o Congresso Nacional e as articulações políticas necessárias como "velha política". "Precisa de articulação política. O sujeito negociar com governo federal uma ponte, um posto de saúde, é legítimo.", disse.

Segundo ele, as negociações em torno da reforma da Previdência, tanto no Congresso quanto no Executivo, estão sendo capitaneadas por pessoas sem experiência. Por isso, completou, a figura do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, "ganhou tanto corpo".

Ele aponta ainda que o misto de muita atenção, pressão sobre o presidente da República, aliadas às novas tecnologias, como a comunicação via Twitter, alimentam a permanência da crise política. E afirmou que há um erro de cálculo por parte do governo em falar apenas com seus eleitores. "O discurso dele conversa com o núcleo do bolsonarismo, ele deve estar conversando com 15 milhões de pessoas, é muito pouco. Política não é assim, é somar, é conversar com o país", disse.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

AUTOMÓVEIS

Tá difícil comprar carro? 10 dicas que podem ajudar a ter um zero-km (ou quase isso) na garagem

13 de agosto de 2022 - 9:55

Cenário macroeconômico não ajuda, mas há formas de aproveitar o momento e garantir um carro mais novo ou até mesmo zero

TEMPORADA DE BALANÇOS

Lucro líquido da Eletrobras (ELET3) chega a R$ 1,4 bilhão no segundo trimestre, queda de 45%

13 de agosto de 2022 - 9:00

Segundo o balanço da Eletrobras (ELET3), resultado foi impactado negativamente pela provisão para perdas em investimentos no total de R$ 890 milhões

ANOTE NO CALENDÁRIO

Agenda econômica: ata do Fed, dados de varejo nos EUA e inflação na zona do euro são os destaques da semana

13 de agosto de 2022 - 8:11

A ata da última reunião do Fed é o principal dado da agenda econômica; a inflação ao consumidor (CPI) na Europa também é destaque

PAPO CRIPTO #025

Vai, Brasil! Mercado brasileiro de criptomoedas é o 11º maior do mundo — e diretor de associação aposta em tokenização; entenda

13 de agosto de 2022 - 7:30

Bernardo Srur, diretor da ABCripto, associação criada para fomentar os negócios em criptoeconomia no Brasil, é o convidado do Papo Cripto desta semana

NOITE CRIPTO

Bitcoin (BTC) sobe, mas perde o protagonismo para o ethereum (ETH); entenda

12 de agosto de 2022 - 20:29

Além de aproveitar a inflação dos EUA mais branda, o que ajudou as criptomoedas em geral, o ETH se beneficiou dos progressos na direção do The Merge

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies