Menu
2019-06-21T19:04:17-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Farpas para todos lados

Presidente da Comissão da reforma alfineta Doria e diz que governadores têm que “calçar as sandálias da humildade”

Marcelos Ramos rebateu críticas do governador de São Paulo, que classificou de “eleitoral” a atitude dos parlamentares que querem excluir os governos da proposta

6 de junho de 2019
14:24 - atualizado às 19:04
Marcelo Ramos previdência
Deputado Marcelo Ramos (PR-AM), presidente da Comissão Especial da reforma da Previdência. - Imagem: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

O presidente da Comissão Especial da reforma da Previdência na Câmara, deputado Marcelo Ramos (PL-AM), disse nesta quinta-feira, 6, que os governadores precisam "calçar sandália da humildade" para pedir para que os parlamentares mantenham Estados e municípios na proposta.

Ramos também rebateu críticas do governador de São Paulo, João Doria (PSDB), que classificou na quarta-feira, 5, de "eleitoral" a atitude dos congressistas que querem excluir os governos regionais da proposta.

"Ele (Doria) quando era prefeito encaminhou uma reforma da Previdência, o povo pressionou e ele retirou. Isso, sim, é eleitoreiro. Ele retirou porque era candidato a governador", disparou Ramos.

O presidente da comissão concedeu uma entrevista coletiva nesta quinta para fazer um balanço das audiências realizadas pelo colegiado. Ele evitou dizer se apoia ou não a permanência de Estados e municípios no texto e disse que prefere aguardar o parecer do relator, deputado Samuel Moreira (PSDB-SP). Mas avisou que os governadores precisam baixar a guarda.

"Os governadores têm que fazer sabe o quê? Calçar a sandália da humildade. Calçar a sandalinha da humildade e vir pra cá e dizer 'olha, nós não temos coragem de fazer (a reforma), queremos pedir aos deputados que façam por nós'. É isso que eles têm que dizer, humildezinhos. Eles não têm que chegar aqui dando ordem", disse Ramos.

Na quarta, governadores pediram ao relator que aguarde até terça-feira, 11, para dar uma posição final sobre o tema. Nesse dia, os governadores se reúnem em Brasília para discutir o tema e há a expectativa de se extrair uma posição mais firme do grupo em defesa da permanência dos Estados na proposta.

O presidente da comissão afirmou que cabe apenas ao relator decidir se aguarda ou não esse posicionamento. Mas ele aproveitou a deixa para fazer um "desagravo" aos deputados.

"Aproveito para, na condição de presidente da comissão da reforma da Previdência, desagravar os deputados em relação à declaração agressiva, atrapalhada e desrespeitosa do governador João Doria ontem. Ele deu declaração dizendo que deputados que são contra a inclusão de Estados e municípios na reforma são mesquinhos, personalistas, irresponsáveis do ponto de vista fiscal e eleitoreiros. Eleitoreiro é quem não tem coragem de enfrentar essa pauta em seus Estados e em suas assembleias e empurra o problema para a Câmara dos Deputados", afirmou Ramos.

Após rebater a crítica, o deputado foi aplaudido por parlamentares que estavam presentes na coletiva de imprensa.

Ramos avisou ainda que mesmo a alternativa de prever que Estados e municípios precisam validar sua adesão à reforma por meio de aprovação de lei ordinária nos Legislativos locais tem resistência entre lideranças na Câmara. Segundo ele, muitos defendem a opção "sem porta de entrada e sem porta de saída".

O presidente reconheceu, no entanto, que deputados podem se sensibilizar ao argumento de prefeituras pequenas, que alegam não ter recursos técnicos e financeiros para elaborar uma proposta de reforma local.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

medida emergencial

‘Não dá para continuar muito’, diz Bolsonaro sobre prorrogação de auxílio emergencial

Guedes, no entanto, confirmou hoje que o governo avalia a reformulação do auxílio emergencial de R$ 600

mais gastos?

Congresso discute ampliar decreto de calamidade até ano que vem

Prorrogação daria aval para o governo Jair Bolsonaro gastar mais no próximo ano com a justificativa de combater as consequências econômicas da doença

Tecnologia

Sinqia anuncia aquisição da Itaú Soluções Previdenciárias por R$ 82 milhões

Aquisição será feita com recursos obtidos em oferta de ações no ano passado, pela qual a Sinqia obteve R$ 362 milhões

reforma em discussão

Guedes chama de ‘manicômio’ sistema tributário e diz que não aumentará carga

Governo quer criar um novo imposto sobre transações digitais, nos mesmos moldes da antiga CPMF, para compensar a perda na arrecadação com a chamada desoneração da folha de pagamento

Nem tão feio

Ações do Iguatemi têm alta forte com balanço melhor que o esperado

Papéis disparam mais de 7% com resultado “não tão ruim”; Credit Suisse está otimistas com ações da empresa

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements