Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-04-04T09:47:59-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
mudanças na previdência

Executivo e Legislativo devem governar juntos para que reforma seja aprovada até junho, diz Maia

Em entrevista, o presidente da Câmara destacou que o governo precisa melhorar sua comunicação não só com os parlamentares, mas também com a sociedade para garantir a maioria necessária para aprovação

1 de março de 2019
8:17 - atualizado às 9:47
guedes-maia
O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, e o ministro da Economia, Paulo Guedes - Imagem: Valter Campanato/Agência Brasil

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), comentou nesta quinta-feira, 28, o prazo para a aprovação da reforma da Previdência pretendido pela equipe do presidente Jair Bolsonaro. Para Maia, a aprovação até junho "é possível" se o Executivo der sinais claros aos parlamentares de que governará de forma conjunta com o Legislativo. As declarações foram dadas em entrevista à jornalista Miriam Leitão, na Globonews.

Embora reconheça uma evolução na comunicação entre os dois poderes, Maia alerta para a necessidade de melhora na área para construir um ambiente "maior" que a reforma da Previdência. Para o presidente da câmara, já é possível enxergar o ministro-chefe da Casa Civil Onyx Lorenzoni como articulador central com o poder Legislativo e ressaltou a importância de uma referência."Não é a velha nem a nova política, é a política que vai resolver os problemas do Brasil", acrescentou.

Para conseguir construir a maioria para aprovar a reforma na Câmara, Maia destacou que o governo precisa melhorar sua comunicação não só com os parlamentares, mas também com a sociedade. "Tem que saber enfrentar falsas informações, elas contaminam e continuarão contaminando (a discussão)", disse. "Esse período do Carnaval vai ser importante, porque sai todo mundo de cena e ficam só as redes sociais contaminando de forma negativa".

Mudanças para os militares

Rodrigo Maia acredita que o momento atual não é o melhor para tratar da reavaliação da carreira e da recomposição salarial dos militares, uma vez que essa não seria uma "boa sinalização" à sociedade. "[Fazer isso] junto, vai parecer o seguinte: você que está tirando de uns e está dando a outros. Fica um discurso meio desorganizado".

Na opinião de Maia, o governo criou um risco desnecessário à aprovação do projeto ao incluir a proposta do benefício pago a idosos pobres (Benefício de Prestação Continuada, ou BPC).  Para Maia, além do item ser um dos mais polêmicos da reforma, a medida teria pouco impacto fiscal. "O BPC não é o embate real. O embate real são a regra de transição e as alíquotas progressivas".

O presidente da Câmara ainda afirmou que "o DEM não é governo" porque Bolsonaro "fez escolhas pessoais" para os cargos de ministro que foram dados ao partido e que não há sentimento ruim entre ele e Lorenzoni após o ministro ter interferido na eleição ao comando da Câmara. "Quem ganha a eleição tem que saber construir aliados, e não dividir a governabilidade da Câmara", disse.

Em relação à Venezuela, Rodrigo Maia avaliou que o Brasil está sendo "usado" pelos Estados Unidos em uma ação humanitária que inevitavelmente resultaria em conflito. "O Brasil não pode ser nunca um instrumento dos americanos para se ampliar o conflito e, através do conflito, construir uma solução".

*Com informações do Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Ele está de volta?

Setores fazem pressão por volta do horário de verão

Criado com a finalidade de aproveitar o maior período de luz solar durante a época mais quente do ano, o horário de verão foi instituído no Brasil em 1931 pelo então presidente Getúlio Vargas e adotado em caráter permanente a partir de 2008.

MANOBRAS

Juiz põe no banco dos réus ex-gestores do banco Máxima por gestão fraudulenta

O Banco Máxima S.A. informa que seus atuais acionistas assumiram a administração do banco em 2018, após aprovação pelo Banco Central, e que os integrantes da antiga gestão não têm mais qualquer relação com a instituição financeira

Foguete? Tô fora!

Warren Buffet: o bilionário que não quer conhecer as estrelas

Enquanto Bezos, Musk e Branson protagonizam a nova corrida especial, o Oráculo de Omaha prefere apenas observar

O melhor do Seu Dinheiro

O seu momento Sherlock Holmes

Na adolescência, ouvia que quem buscasse por romance policial brasileiro deveria ler algo do Rubem Fonseca. Era uma vontade minha achar uma história desse gênero que fosse mais próxima da minha realidade — e o filtro nacionalidade me pareceu o mais adequado.  A ideia surgiu depois de ter conhecido parte das histórias criadas por Agatha […]

Mesa Quadrada

Comentarista da ESPN Paulo Antunes fala da sua paixão por futebol americano e experiência no mercado financeiro

Ele conta sobre suas aventuras na cobertura de futebol americano e basquete e ainda revela seus investimentos na Bolsa em novo episódio do podcast Mesa Quadrada

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies