Menu
2019-04-04T14:11:59-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Reformas

MP contra fraudes na Previdência sai até segunda-feira

Secretário especial da Previdência, Rogério Marinho, disse que economia ficará na casa dos bilhões. Ontem, Paulo Guedes tinha falado que medida resultaria em ganho de R$ 17 bilhões a R$ 20 bilhões

9 de janeiro de 2019
16:24 - atualizado às 14:11
Deputado Rogério Marinho
Rogério Marinho - Imagem: PSDB/Divulgação

O secretário especial da Previdência, Rogério Marinho, afirmou que a medida provisória (MP) voltada ao combate a fraudes no sistema previdenciário deve ser assinada até a segunda-feira pelo presidente Jair Bolsonaro.

Marinho falou após participa de reunião no Palácio do Planalto e disse que a economia trazida pela MP será “bastante razoável” e que vai ajudar no esforço fiscal do governo. O ministro da Economia, Paulo Guedes, também participou do encontro.

Ontem, Guedes disse a economia prevista ficaria entre R$ 17 bilhões a R$ 20 bilhões. Questionado sobre esses valores, Marinho disse que os números estão sendo finalizados, mas que o impacto poder ser na casa dos bilhões.

Os detalhes da MP, segundo Marinho, só serão apresentados após a sanção do presidente, mas a MP trará medidas de combate a fraudes, aperfeiçoamento na concessão de benefícios, um bônus para que os servidores do INSS fiquem em seus postos, revisão do auxílio-reclusão e maior segurança jurídica para as ações tomadas pelo próprio INSS, que por vezes esbarram em revisões feitas pelo Judiciário.

Ainda de acordo com Marinho, a MP atende a uma preocupação da sociedade, do país e do próprio governo “de fazer seu dever de casa antes de fazer a reforma da Previdência”.

Marinho falou da necessidade de realização de mutirões contra ilegalidades, lembrando que o próprio Tribunal de Contas da União (TCU) já teria diagnosticado incidência de 16% a 30% de fraudes nem benefícios.

Questionado se as novas regras poderiam representar algum tipo de injustiça, Marinho afirmou que a fraude é uma injustiça, pois esses ilícitos recaem sobre o conjunto da sociedade.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Contas brasileiras em jogo

STF retoma julgamento sobre ICMS e PIS/Cofins; decisão pode ter impacto de R$ 258,3 bilhões para União

Os ministros já haviam declarado inconstitucional a cobrança de ICMS na base de cálculo do PIS/Cofins, mas o governo pede que a decisão não tenha efeito retroativo

São Jorge e o dragão inflacionário

A grande e ameaçadora besta da inflação começa a sair do seu sono profundo. Aos poucos, movimenta as asas e mexe sua cauda incendiária. Um vagaroso e temerário despertar. Nem de longe está cuspindo fogo — e quem viveu no Brasil nos anos 80 e 90 lembra bem do seu poder destrutivo. Mas mesmo o […]

FECHAMENTO

Dragão americano da inflação assombra ativos globais e resultado é bolsa, dólar e juros sob pressão; Ibovespa recua 2% e volta aos 119 mil pontos

A pressão inflacionária superou até mesmo o cenário político interno caótico nos holofotes do mercado e levou o principal índice brasileiro a amargar uma queda brusca

Primeiro encontro

Presidentes de Petrobras e BR se reúnem para tratar da saída da estatal da distribuidora

Os executivos, que assumiram os cargos há cerca de uma vez, discutirão a venda da participação de 37,5% que a Petrobras ainda detém na empresa

Trabalho em equipe?

Biden e oposição tentam acordo para aprovar pacote de infraestrutura

Um dos maiores pontos de divergência entre o presidente e líderes republicanos é o aumento de impostos para financiar a proposta

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies