Menu
Angela Bittencourt
Blog da Angela
Angela Bittencourt
é jornalista e editora da Empiricus
2019-07-11T10:12:12-03:00
Blog da Angela

Força do Congresso é algo “novo e positivo” na política brasileira, diz UBS

Instituição considera reforma previdenciária “substancial” e vê impulso para mais mudanças estruturantes

11 de julho de 2019
10:10 - atualizado às 10:12
congresso-nacional
Congresso Nacional em Brasília - Imagem: Shutterstock

A primeira grande mudança na legislação que altera o nível estrutural de gastos do governo brasileiro, desde que o país começou a registrar déficits fiscais primários em 2014, está prestes a ser finalmente aprovada pelo Congresso: a substancial reforma previdenciária economizará algo em torno de R$ 900 bilhões em 10 anos.

O alerta foi disparado nesta manhã pelos economistas Tony Volpon e Fabio Ramos, do UBS, que reconhecem “a forte liderança demonstrada pelo Congresso na formulação e aprovação da reforma como algo novo e positivo na política brasileira”.

Em relatório distribuído a investidores nesta manhã, Volpon e Ramos explicam que embora a experiência passada mostre que "a fadiga da reforma" geralmente se instala após a aprovação de reformas importantes e controversas, o que pode ser agravado por eleições municipais, há sinais de que a aprovação da reforma da Previdência impulsionará a reforma tributária.

Na avaliação dos economistas do UBS, a reforma previdenciária, as perspectivas com outras reformas e a política monetária podem levar a uma trajetória de crescimento mais expressiva.

“Desde o final da grande recessão, o Brasil teve um crescimento decepcionante. Em duas ocasiões diferentes, o otimismo e as condições financeiras mais fáceis não se traduziram em maior expansão da atividade. Em retrospecto, as restrições estruturais, do lado da oferta e a falta de investimentos privados explicam a falta de reação da economia”, afimam Volpon e Ramos.

Eles lembram a queda dos juros nominais e reais a recordes históricos e a melhora dos mercados de ações e câmbio, mas ponderam que esses mercados ainda estão distantes de suas melhores marcas.

Os economistas do UBS entendem, porém, que o baixo desempenho relativo das ações e do câmbio não está dissociado da perspectiva de crescimento. Leitura semelhantes se aplica ao mercado de juros de longo prazo. “Pelo menos do ponto de vista fiscal, o nível das taxas longas seria justificado pela perspectiva de crescimento mais forte e aumento na receita tributária para que se fechasse a (ainda grande) lacuna fiscal.”

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Meme bilionário

O que está por trás da valorização de 500% do Dogecoin em uma semana?

O projeto levou várias pessoas a ficarem milionárias, mas pode fazer muita gente perder dinheiro daqui para frente

Chama o doutor

Após desconto em IPO, ações da Mater Dei estreiam em queda na B3

A situação atual do mercado e a fila de companhias de saúde prontas para abrirem o capital prejudica a rede de hospitais

mudanças na estatal

Conselho confirma general indicado por Bolsonaro para presidir Petrobras e novos diretores

Joaquim Silva e Luna assume o cargo então ocupado por Roberto Castello Branco Branco, demitido porque Bolsonaro estava insatisfeito com política de preços

Só a Vale salva

Tá difícil viver de renda: empresas cortaram R$ 38 bilhões em dividendos na pandemia

Muitas companhias optaram por distribuir menos dinheiro aos acionistas e preservar o caixa durante a crise econômica

Varejo em ebulição

Renner vai às compras? Varejista avalia oferta de ações e mexe com todo o setor

A rede de varejo de moda prepara captação de até R$ 4,5 bilhões com a emissão de novas ações na B3 e de olho em aquisições, diz site Brazil Journal

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies