Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-06-07T18:44:06-03:00
Estadão Conteúdo
Reforma alternativa

Congresso quer imprimir marca em reforma

Congressistas decidiram tomar para si a articulação de um substitutivo para a reforma, contemplando mudanças almejadas pelos parlamentares, diante da insatisfação generalizada com a articulação política do governo Bolsonaro

21 de maio de 2019
7:43 - atualizado às 18:44
Congresso Nacional
Congresso Nacional - Imagem: Pedro França/Agência Senado

Modificações na reforma da Previdência serão feitas a partir da proposta apresentada pelo governo, disse nessa segunda-feira, 20, o relator, deputado Samuel Moreira (PSDB-SP). Ele descartou a apresentação de projeto alternativo, como sugerido pelo presidente da Comissão Especial, deputado Marcelo Ramos (PR-AM). Admitiu, porém, que os parlamentares seguem determinados a alterar pontos do texto enviado pela equipe econômica.

Moreira já tem discutido possíveis mudanças com técnicos do governo. Ele evita antecipar qualquer ponto, mas garantiu que seu objetivo é estabelecer um diálogo com os líderes dos partidos e com o governo para alcançar um texto capaz de garantir economia aos cofres públicos de pelo menos R$ 1 trilhão em uma década.

Nos bastidores, alguns deputados avaliam que a falta de disposição da ala política do governo Jair Bolsonaro em negociar com o Congresso pode ter um preço e deixar a economia com a reforma um pouco abaixo dessa meta. A cifra de R$ 1 trilhão vem sendo usada pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, como essencial para garantir o sucesso da reforma.

Congressistas decidiram tomar para si a articulação de um substitutivo para a reforma, contemplando mudanças almejadas pelos parlamentares, diante da insatisfação generalizada com a articulação política do governo Bolsonaro. Líderes partidários reclamam da falta de diálogo e da tentativa do Planalto de demonizar o Parlamento.

O vice-presidente da comissão, deputado Silvio Costa Filho (PRB-PE), acredita que o substitutivo passou a ter um "simbolismo político" diante da decisão dos partidos, sobretudo do Centrão, de imprimir sua marca na agenda de reformas. "Os partidos agora querem liderar essa agenda em vez de aguardar sinalizações do governo", afirmou.

Na tentativa de baixar a fervura do debate, Moreira afirmou nessa segunda, ao lado de Paulo Guedes, que o próprio governo está disposto a negociar alterações.

A base do governo no Congresso também agiu para acalmar os ânimos. "O que falaram de um texto novo na verdade é um substitutivo que o relator vai fazer. Não é um novo projeto de Previdência, é um substitutivo que ele vai propor em cima das emendas dos deputados. Essa etapa deve começar daqui a duas semanas", afirmou o deputado Felipe Francischini (PSL-PR), presidente da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara. "O Congresso terá protagonismo imenso nessa questão e modificações são necessárias para que a gente possa corrigir algumas distorções e algumas incertezas", completou.

O discurso mais afinado entre Congresso e Executivo sobre Previdência levou o Ibovespa, principal índice da B3, a se recuperar das quedas recentes e encerrar a sessão com ganho de 2,17%, aos 91.946,19 pontos. O dólar, apesar da intervenção do Banco Central, fechou a R$ 4,1034, com leve alta de 0,08%.

Falha

O secretário especial da Previdência, Rogério Marinho, classificou como "falha de comunicação" a declaração de Marcelo Ramos. "O texto da reforma do governo Michel Temer foi drasticamente modificado e não houve essa celeuma quando o substitutivo foi apresentado", rebateu. "Todo governo tem de sentar e negociar com Congresso."
O projeto substitutivo é praxe em temas muito polêmicos e que são alvo de intensas negociações no Congresso. Ele é feito a partir de emendas de parlamentares e do próprio relator.

Na reforma da Previdência de Temer, o então relator, deputado Arthur Maia (DEM-BA), apresentou um substitutivo que aproveitou emendas. Ao mesmo tempo, inovou em algumas regras, como a de transição, que foram totalmente reformuladas.

Alterações

Na mira dos parlamentares desta vez, está principalmente a exclusão de qualquer alteração nas regras de aposentadoria rural, de professores e do benefício assistencial para idosos de baixa renda, o BPC.

A exclusão desses pontos, porém, não agrada à equipe econômica e ao relator. Os técnicos se debruçam agora sobre a tentativa de chegar a um meio-termo entre a proposta original e a vontade dos parlamentares.

Uma das hipóteses aventadas é propor uma idade mínima de 58 anos para mulheres e 61 anos para homens no caso de professores e trabalhadores rurais. Mas ainda não há decisão se essa alternativa constará no relatório final a ser apresentado pelo relator até 15 de junho.

A avaliação no governo é que endurecer regras do rural é importante, já que esse tipo de aposentadoria é responsável por mais da metade do déficit do INSS (R$ 113,8 bilhões no rombo de R$ 195,2 bilhões de 2018).

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

De olho na estatal

Após novas falas de Bolsonaro sobre privatização, CVM vai investigar a Petrobras (PETR4)

A autarquia abre processo administrativos quando entende que precisa acompanhar os desdobramentos de algum assunto

ENRIQUEÇA ATÉ 2024

‘Investir muito em Bitcoin é coisa de imbecil’: estes 14 investimentos já dispararam até 1300% e têm potencial para te deixar rico

Apesar do hype das criptomoedas, existem outras ‘pechinchas exponenciais’ que estão fora do radar de muitos investidores; conheça

Um brinde

A Ambev (ABEV3) nunca vendeu tanta cerveja como no 3º trimestre. E as ações disparam na bolsa

A gigante de bebidas registrou lucro líquido de R$ 3,6 bilhões no terceiro trimestre, alta de 50% e acima do esperado pelo mercado. Hora de comprar a ação?

MERCADOS HOJE

Entre balanços positivos e nova elevação da Selic, Ibovespa opera em queda; dólar avança

Após a decisão do Copom de elevar em 1,5 ponto percentual a Selic, o mercado já espera mais para a próxima reunião. O impasse em Brasília pressiona ainda mais a curva de juros e já precifica uma alta de 1,75 p.p no próximo encontro.

Tendências da bolsa

AGORA: Ibovespa futuro abre em queda após aumento de juros e IGP-M acima do esperado e dólar avança hoje

A agenda de balanços conta com Petrobras e Vale, enquanto o exterior deve sentir cautela antes da inflação nos EUA amanhã

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies