Menu
2019-06-06T12:17:20-03:00
Esperando Moreira

Com garantia de votos, não há o que atrase votação da Previdência na Comissão Especial

Presidente do colegiado, deputado Marcelo Ramos, apresentou balanço de trabalhos, reforçou importância da articulação política e rebateu declarações de João Dória

6 de junho de 2019
12:14 - atualizado às 12:17
Marcelo Ramos
Presidente da Comissão Especial da reforma da Previdência, Marcelo Ramos, apresenta balanço das atividades do colegiado - Imagem: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

Segundo o presidente da Comissão Especial que avalia a reforma da Previdência na Câmara dos Deputados, Marcelo Ramos (PR-AM), com acordo e garantia de votos da maioria dos partidos não há mecanismo de obstrução regimental que impeça a votação do parecer do relator Samuel Moreira (PSDB-SP).

Ramos apresentou um balanço na primeira etapa dos trabalhos da comissão, que se concentrou nas audiências públicas e realização de seminários. Agora, o colegiado entra na etapa de debates e votação do parecer e os prazos essenciais serão definidos com a apresentação do documento pelo relator.

Samuel Moreira chegou a dizer que poderia apresentar o relatório ente hoje e segunda-feira, mas pediu mais tempo, e agora cogita a terça-feira, para aguardar algum acordo entre governadores e deputados para inclusão de Estados e municípios no texto da reforma.

Se o relatório for apresentado mesmo na terça, pode ser lido na quarta, depois é aberta vista coletiva de duas sessões e os debates se iniciariam na semana seguinte. Mas o feriado do dia 20 e as festas juninas podem acabar alongando a discussão até o começo de julho.

Ramos enfatizou a importância de se ter um acordo em torno do texto e deu um contundente exemplo. Na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) a reforma ficou por 61 dias, foram 60 dias sem acordo e apenas 1 com acordo, que levou à votação pela admissibilidade.

O presidente lembrou que ele controla o tempo regimental só que agora é o tempo da política que manda. Além de ter acordo na comissão, lembrou Ramos, é necessário ter os 308 votos do plenário, e essa obrigação é do governo e de seus líderes.

Um consenso, ou seja, todos os partidos serem favoráveis, é impossível, mas Ramos acha possível que o relatório alcance a maioria, distensionando as relações com a oposição. Ele também afirmou que vai buscar um acordo de procedimento com a oposição e com os partidos independentes, mas antecipa um ambiente “mais acirrado” na comissão.

Desagravo

Perguntado novamente sobre a questão de Estados e municípios, Ramos aproveitou para “desagravar” os colegas deputados em relação à “declaração agressiva, atrapalhada e desrespeitosa” feita pelo governado de São Paulo, João Dória, que disse que os deputados que são contra a inclusão dos entes federativos na reforma são “mesquinhos, personalistas, irresponsáveis do ponto de vista fiscal e eleitoreiros”.

“Eleitoreiro é quem não tem coragem de enfrentar essa pauta nos seus Estados e Assembleias e empurra o problema para a Câmara dos Deputados. Essa Casa é formada por homens e mulheres que têm coragem de enfrentar temas polêmicos quando entende que os temas são necessários para o país. Quero desagravar os deputados da declaração do João Dória”, disse, sendo aplaudido pelos deputados presentes.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

dinheiro estrangeiro

Sem reformas, fim da pandemia pode não trazer investimentos

Desde 2015, a participação de estrangeiros nos títulos de dívida pública caiu de 20,8% para 9%; quadro fiscal piorou com a pandemia

coronavírus

Doria anuncia que São Paulo receberá 5 milhões de doses de CoronaVac

Segundo o governador de São Paulo, previsão é de que haja 46 milhões de doses até dezembro

o app dos jovens

TikTok banido dos EUA? Entenda a polêmica em torno do aplicativo

Trump prometeu tirar o aplicativo chinês do país neste domingo, mas medida não deve ser colocada em prática; entenda as razões por trás da ofensiva americana

entrevista

‘Não se pode esperar para cortar privilégio’, diz ex-secretário do Ministério da Economia

Paulo Uebel defende que o Congresso aprove uma regra de transição na proposta da reforma administrativa para incluir o fim dos privilégios que grupo de servidores atuais ainda goza

Aposente-se aos 40 (ou o quanto antes)

100 dias entre o fundo e topo do mercado

Até aqui, 2020 foi o ano de Amyr Klink, em que aqueles que souberam capotar (entre janeiro e o final de março), passaram pela tempestade sem afundar de vez em mar aberto

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements