Menu
2019-04-04T13:57:07-03:00
Fernando Pivetti
Fernando Pivetti
Jornalista formado pela Universidade de São Paulo (USP). Foi repórter setorista de Banco Central no Poder360, em Brasília, redator no site EXAME e colaborou com o blog de investimentos Arena do Pavini.
Economia de quase R$ 100 bilhões

Bolsonaro entrega proposta de Previdência de militares ao Congresso

Presidente chegou na Câmara acompanhado do ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, do ministro da Economia, Paulo Guedes, e de outros membros do PSL

20 de março de 2019
16:31 - atualizado às 13:57
bolsonaro-maia
Bolsonaro entrega a Maia PL sobre as mudanças na aposentadoria dos militares - Imagem: J. Batista / Câmara dos Deputados

O presidente Jair Bolsonaro entregou nesta quarta-feira, 20, a proposta de reestruturação da Previdência dos militares ao Congresso Nacional. Ele chegou na Câmara acompanhado do ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, do ministro da Economia, Paulo Guedes, e de outros membros do PSL.

O texto, tão aguardado pelos deputados para dar sequência aos debates da reforma da Previdência geral, prevê uma economia líquida de R$ 10,45 bilhões em 10 anos com toda a reestruturação.

Nessa conta, o governo espera economizar R$ 97,3 bilhões com as mudanças nas aposentadorias (número menor do que os R$ 110 bilhões previstos inicialmente), mas deverá gastar R$ 86,85 bilhões com mudanças na carreira, que incluiria reajustes com benefícios e aumento de salários.

Os documentos divulgados mostram que a equipe econômica conseguiu reduzir o custo dessa reestruturação, tema que já enfrenta resistências no Congresso. Inicialmente, os gastos eram estimados em R$ 101 bilhões.

Nos Estados, a proposta apresentada prevê uma economia de R$ 52 bilhões em 10 anos.

O projeto também prevê novas alíquotas de contribuição tanto para militares ativos como inativos, incluindo pensionistas, cabos, soldados e alunos. A taxa passará de 7,5% para 10,5%, obedecendo um período de transição: 8,5% em 2020, 9,5% em 2021 e 10,5% a partir de 2022.

A alíquota do fundo de saúde foi mantida em 3,5%, e o recolhimento não será feito apenas pelos alunos de escolas de formação. Com isso, a alíquota total máxima será de 14%.

Tempo mínimo sobe

Os novos militares também terão que trabalhar mais. O tempo de atividade passará para 35 anos para quem ingressar na carreira a partir da aprovação do PL - atualmente esse período é de 30 anos.

Na passagem da ativa para a reserva, cada militar também terá que pagar um pedágio de 17%. Isso significa que quem ingressou há dez anos, por exemplo, vai se aposentar com 33,4 anos de atividade. Um militar com 20 anos de serviço, por sua vez, vai para a reserva quando completar 31,7 anos de atividade.

Guedes: mais R$ 100 bilhões para a Previdência

Logo após a entrega do documento, Paulo Guedes concedeu uma entrevista à imprensa e afirmou que as mudanças na Previdência dos militares trata mais da distribuição de tarefas e pontos.

Segundo o ministro, o R$ 1 trilhão de economia esperados pelo governo na reforma geral é considerado indispensável e que, para isso, "os militares entenderam a importância de participarem dessa contribuição".

Guedes também afirmou que o projeto dos militares vai promover a reestruturação das Forças Armadas. Segundo ele, a ideia é reduzir privilégios que estavam a favor de servidores civis e contra os militares. "Jovens civis já ingressavam com salários acima de R$ 20 mil, enquanto militares em fim de carreira recebiam abaixo de R$ 20 mil", disse.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Estrada do futuro

Como as empresas mentem para você sobre o crescimento exponencial

A palavra “exponencial” está batida. Todo mundo se diz exponencial. O Google é exponencial, a Amazon é exponencial… então toda empresa de tecnologia é exponencial? Não. Entenda as diferenças

Mais uma opção

Empresa protocola na Anvisa pedido para uso emergencial da Sputnik V

Neste domingo, Anvisa se reunirá para tratar de pedidos para uso de vacinas CoronaVac e a da AstraZeneca/Oxford

Seguro obrigatório

Pagamento de indenizações do DPVAT passa a ser feito pela Caixa

Banco agora é o responsável pela gestão dos recursos do seguro e pelo pagamento das indenizações. A medida começa a valer a partir desta segunda-feira

Sinal verde

Bolsonaro não deve mais barrar a Huawei no leilão do 5G no Brasil

Segundo fontes do Palácio do Planalto e do setor de telecomunicações, o banimento da empresa chinesa provocaria um custo bilionário com a troca dos equipamentos

Impasse

Guedes monta operação ‘apara arestas’ para manter Brandão à frente do Banco do Brasil

Por enquanto, o presidente do BB está no “limbo” na avaliação de funcionários do próprio banco, sem uma manifestação pública do presidente e de Guedes

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies