Menu
Angela Bittencourt
Blog da Angela
Angela Bittencourt
é jornalista e editora da Empiricus
2019-03-12T12:16:16-03:00
BLOG DA ANGELA

Band-Aid no calcanhar: o ‘calo’ da reforma da Previdência

Supor que dólar a R$ 3,80, R$ 3,82 ou R$ 3,85 revela investidores despreocupados com o rumo da economia brasileira ou com a força política do governo é visão, no mínimo, ingênua.

12 de março de 2019
12:15 - atualizado às 12:16
Jair Bolsonaro e Rodrigo Maia
Jair Bolsonaro e Rodrigo Maia - Imagem: Luis Macedo/Câmara dos Deputados

Nesta quarta-feira (12) será instalada a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) na Câmara dos Deputados. O ato é decisivo para deslanchar a discussão sobre a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) da reforma da Previdência, entende o mercado financeiro. Não foi à toa que o Ibovespa retornou aos 98 mil pontos ontem, os juros cederam e o dólar mantém rompeu o suporte de R$ 3,85 da sexta-feira e desceu a R$ 3,82.

Nesta manhã, o Ibovespa tentou segurar os 98 mil, mas declinou. Juros e dólar seguem em baixa discreta. Fatores externos sempre estarão ajudando ou alfinetando os preços dos ativos negociados no mercado local. Contudo, supor que dólar a R$ 3,80, R$ 3,82 ou R$ 3,85 revela investidores despreocupados com o rumo da economia brasileira ou com a força política do governo é visão, no mínimo, ingênua.

"A ruptura consistente do suporte de R$ 3,70 para taxa de câmbio é de grande relevância para o governo Bolsonaro. Esse movimento, que não se confirma, é um importante indicador do interesse de estrangeiros por investimentos no Brasil. Por ora, o comportamento do mercado cambial sugere que o país é uma boa aposta, mas à distância”, ouvi de um integrante do governo há algumas semanas, quando o dólar avançou de R$ 3,65 para R$ 3,70 — naquele momento cogitado como novo teto para negociação no mercado à vista.

As informações que vêm de Brasília indicam que o presidente Jair Bolsonaro e a equipe econômica terão um bocado de trabalho para manter em tom positivo o entorno da reforma das aposentadorias. E não se trata, aqui, de super valorizar o trabalho da imprensa. Políticos e técnicos do governo manifestam preferência, por exemplo, em iniciar os debates sobre essa reforma depois do encaminhamento da proposta do governo para os militares.

O ministro Paulo Guedes já afirmou que ela será apresentada na semana que vem, na quarta-feira, dia 20. Lá se vai, portanto, mais uma semana, lembrando que a CCJ tem 5 sessões para avaliar a PEC da reforma previdenciária. Só depois do debate, a proposta seguirá para Comissão Especial a ser definida pelos partidos.

Pacto federativo

A PEC do Pacto Federativo deve aterrissar no Senado em abril e a perspectiva é de tramitação praticamente conjunta à PEC da Previdência. Nesta quarta-feira, dia da instalação da CCJ na Câmara, será lançada também a Frente Parlamentar Mista do Pacto Federativo que conta com a adesão de 250 parlamentares, informa o jornal do Estado de S.Paulo.

É improvável que a PEC do Pacto Federativo não se transforme em instrumento de pressão do Congresso contra condições propostas — ou impostas — pela equipe econômica de Bolsonaro. A tramitação simultânea das duas propostas de emenda à Constituição pode trazer riscos aos planos do governo ou, pelo menos, a um cronograma de tramitação da reforma da Previdência traçado pela equipe econômica, cujo trabalho está longe de se esgotar com essa reforma.

Oposição pega as armas

Ciro Gomes - Imagem: Shutterstock

A entrevista do ex-candidato do PDT à Presidência da República, Ciro Gomes, ao "Valor Econômico", publicada na edição desta terça-feira, revela uma oposição que se arma para o combate contra o governo no parlamento.

Ciro disparou críticas a Bolsonaro, aos militares e à equipe econômica.

De peito aberto, diz que "não há a menor chance" de as duas reformas — Previdência e desvinculação orçamentária — serem aprovadas conjuntamente, embora concorde com o ministro Paulo Guedes quanto aos efeitos de se ter uma “Constituição tão amarrada”. Para Ciro deveria caber ao poder político decidir a destinação de recursos ["em que ênfase”] para educação, saúde e infraestrutura.

“O que acontece no Brasil? Como essa gente não tem projeto de absolutamente nada, ultrapassou o teto de gastos. Se tenho um teto de gastos e depois desvinculo tudo, todo o excedente que ocorrer vai para juros”, afirma Ciro Gomes.

Quanto à perspectiva para a reforma da Previdência, Ciro resume: “Vamos para o debate na Comissão Mista, falar que 99,3% dos militares se aposentam com menos de 55 anos. Os militares vão gostar que o povo fique sabendo? Se eles entraram na política que aguentem. Ou então pede o boné e cai fora. Se estão dentro vão aguentar.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

PANDEMIA NO PAÍS

Covid-19: Brasil registra 863 óbitos e 32.058 novos casos em 24h

Segundo Ministério da Saúde, 86,6% dos paciente estão recuperados

privatização na berlinda

Justiça de Alagoas suspende leilão para concessão de saneamento na B3

No último dia 24, a 1ª Vara da Comarca de Marechal Deodoro negou liminar ao Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Marechal Deodoro (SAAE), que pedia a suspensão do processo licitatório

fatia relevante

Gestora Atmos passa a deter 6,68% das ações preferenciais do Inter

Fundo passou a deter cerca de 25,3 milhões de papéis PN do Inter

seu dinheiro na sua noite

Onde está o Guedes?

Paulo Guedes esteve presente ontem no anúncio do programa Renda Cidadã pelo governo, ao lado de Jair Bolsonaro e lideranças do Congresso. Mas os investidores no mercado financeiro não reconheceram no ministro a figura que prometeu implementar uma agenda de medidas liberais na economia, incluindo privatizações e reformas. A desconfiança sobre como a equipe econômica encaixaria […]

ajuste fiscal

Propostas para o Renda Cidadã não têm intenção de driblar teto, diz secretário do Tesouro

“A gente sabe que o teto é baseado em credibilidade e não adianta tomarmos ações que minem a credibilidade do teto”, disse Bruno Funchal

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu