Menu
2019-12-11T19:49:52-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Até que enfim!

Agência de risco S&P eleva perspectiva para nota do Brasil para “positiva”

Embora atrasada, a decisão da S&P abre caminho para a recuperação no selo de bom pagador do país, perdido em setembro de 2015

11 de dezembro de 2019
19:49
Standard & Poor's
Escritório da Standard & Poor's - Imagem: Shutterstock

A agência de classificação de risco S&P decidiu elevar a perspectiva da classificação de risco do Brasil de "estável" para "positiva". A nota continua em "BB-", três níveis abaixo do patamar mínimo de grau de investimento.

Havia a expectativa de que a melhora no rating do país acontecesse logo depois da aprovação da reforma da Previdência. Embora atrasada, a decisão da S&P abre caminho para a recuperação no selo de bom pagador do país, perdido em setembro de 2015.

Em comunicado, a agência diz que o governo continua a implementar medidas de consolidação voltadas para reduzir o "ainda grande déficit fiscal" do País.

"Isso, junto com taxas de juros mais baixos e a gradual implementação de uma agenda de reforma devem contribuir para um crescimento e perspectivas de investimento um pouco mais forte ao longo dos próximos três anos, contanto que prossiga uma melhora gradual nos resultados fiscais", diz a S&P.

A decisão da agência saiu logo depois do anúncio do corte da taxa básica de juros (Selic) em 0,5 ponto percentual, para 4,5% ao ano.

Para a agência, a perspectiva positiva reflete a possibilidade de uma elevação no rating nos próximos dois anos, se houver mais progressos na agenda fiscal e de crescimento do governo, que permitam a redução mais rápida dos déficits fiscais e a estabilização da dinâmica da dívida.

Também pode haver elevação no rating se o crescimento econômico começar a se comparar de modo mais favorável com os pares de nível similar de desenvolvimento econômico, diz a S&P.

Outra alternativa seria se o perfil externo do Brasil se fortalecer mais, apesar da volatilidade global, "particularmente se ele mantiver uma posição de credor externa contida nos próximos dois anos".

Por outro lado, acontecimentos políticos ou econômicos que minem a aprovação e a implementação de reformas adicionais nos próximos dois anos, prejudiquem a perspectiva para a queda de déficits do governo e as tendências de estabilização da dívida, bem como limitem as perspectivas de crescimento no médio prazo, poderiam levar a uma revisão na perspectiva para a estável, complementa a agência.

Das três principais agências de classificação de risco, a Moody's é a que tem a melhor avaliação do Brasil, com uma nota "Ba2" – dois níveis abaixo do grau de investimento. A Fitch tem a mesma classificação da S&P para o país (BB-), mas com perspectiva estável.

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Tecnologia

Sinqia anuncia aquisição da Itaú Soluções Previdenciárias por R$ 82 milhões

Aquisição será feita com recursos obtidos em oferta de ações no ano passado, pela qual a Sinqia obteve R$ 362 milhões

PRORROGAÇÃO DO BENEFÍCIO

Governo avalia a reformulação do auxílio emergencial de R$ 600, diz Guedes

A ideia é que o benefício seja prorrogado até dezembro, mas o valor das próximas prestações deve ser menor do que os R$ 600.

Nem tão feio

Ações do Iguatemi têm alta forte com balanço melhor que o esperado

Papéis disparam mais de 7% com resultado “não tão ruim”; Credit Suisse está otimistas com ações da empresa

Exile on Wall Street

“O que você faria para o futuro da Maria com até R$ 10 mil?”

Eu pensei em várias formas criativas de responder à sua pergunta. Concluí que, acima da criatividade, deveria vir a honestidade pura e simples.

mercado de trabalho

Setor privado cria 167 mil empregos em julho nos EUA

Número ficou bem abaixo da expectativa de analistas consultados pelo The Wall Street Journal

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements