Menu
2019-12-11T19:49:52-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Até que enfim!

Agência de risco S&P eleva perspectiva para nota do Brasil para “positiva”

Embora atrasada, a decisão da S&P abre caminho para a recuperação no selo de bom pagador do país, perdido em setembro de 2015

11 de dezembro de 2019
19:49
Standard & Poor's
Escritório da Standard & Poor's - Imagem: Shutterstock

A agência de classificação de risco S&P decidiu elevar a perspectiva da classificação de risco do Brasil de "estável" para "positiva". A nota continua em "BB-", três níveis abaixo do patamar mínimo de grau de investimento.

Havia a expectativa de que a melhora no rating do país acontecesse logo depois da aprovação da reforma da Previdência. Embora atrasada, a decisão da S&P abre caminho para a recuperação no selo de bom pagador do país, perdido em setembro de 2015.

Em comunicado, a agência diz que o governo continua a implementar medidas de consolidação voltadas para reduzir o "ainda grande déficit fiscal" do País.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

"Isso, junto com taxas de juros mais baixos e a gradual implementação de uma agenda de reforma devem contribuir para um crescimento e perspectivas de investimento um pouco mais forte ao longo dos próximos três anos, contanto que prossiga uma melhora gradual nos resultados fiscais", diz a S&P.

A decisão da agência saiu logo depois do anúncio do corte da taxa básica de juros (Selic) em 0,5 ponto percentual, para 4,5% ao ano.

Para a agência, a perspectiva positiva reflete a possibilidade de uma elevação no rating nos próximos dois anos, se houver mais progressos na agenda fiscal e de crescimento do governo, que permitam a redução mais rápida dos déficits fiscais e a estabilização da dinâmica da dívida.

Também pode haver elevação no rating se o crescimento econômico começar a se comparar de modo mais favorável com os pares de nível similar de desenvolvimento econômico, diz a S&P.

Outra alternativa seria se o perfil externo do Brasil se fortalecer mais, apesar da volatilidade global, "particularmente se ele mantiver uma posição de credor externa contida nos próximos dois anos".

Por outro lado, acontecimentos políticos ou econômicos que minem a aprovação e a implementação de reformas adicionais nos próximos dois anos, prejudiquem a perspectiva para a queda de déficits do governo e as tendências de estabilização da dívida, bem como limitem as perspectivas de crescimento no médio prazo, poderiam levar a uma revisão na perspectiva para a estável, complementa a agência.

Das três principais agências de classificação de risco, a Moody's é a que tem a melhor avaliação do Brasil, com uma nota "Ba2" – dois níveis abaixo do grau de investimento. A Fitch tem a mesma classificação da S&P para o país (BB-), mas com perspectiva estável.

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

na agenda

Projetos de autonomia do BC e lei cambial serão prioridades no primeiro semestre, diz Maia

O presidente da Câmara afirmou que a intenção é aprovar as propostas “o mais rapidamente possível”

gostinho do balanço

Carrefour tem alta de 11% nas vendas brutas consolidadas, apontam prévias

Cifra chegou a R$ 17,6 bilhões no período. No acumulado do ano, as vendas chegaram a R$ 62,220 bilhões, alta de 10,4%

De cisne a patinho feio

O que esperar para os resultados e para as ações dos grandes bancos?

Resposta deve ficar mais clara a partir da próxima semana, quando começa a temporada de divulgação de balanços. Os lucros bilionários estão garantidos, mas a previsão é que os bancões naveguem por mares bastante turbulentos ao longo deste ano (e dos próximos)

RECUPERAÇÃO EXTRAJUDICIAL

Recuperação extrajudicial da Triunfo é suspensa pela 1ª Câmara do Tribunal de Justiça de São Paulo

Hoje, os papéis da companhia terminaram o dia cotados em R$ 2,07, o que representa uma alta de 11,29%. Apenas em janeiro, os papéis da Triunfo já subiram 22,49%

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Petrobras à beira da privatização

Caro leitor, São grandes as expectativas do mercado em torno das vendas de ativos estatais para o setor privado durante o governo Jair Bolsonaro. Recentemente, o secretário especial de Desestatização, Desinvestimento e Mercados, Salim Mattar, disse que a meta do governo federal é levantar R$ 150 bilhões em privatizações apenas em 2020. Mas Bolsonaro já […]

De volta aos 118 mil pontos

Noticiário corporativo dá as cartas e Ibovespa sobe mais de 1%; dólar cai a R$ 4,17

Num dia de calmaria no exterior, o Ibovespa fechou em alta firme, impulsionado pelo bom desempenho das ações das siderúrgicas, da Eletrobras e do setor de papel e celulose.

PETRÓLEO

Campo de Lula permanece em 2019 como o maior produtor de petróleo do Brasil

Primeiro campo supergigante brasileiro, Lula foi descoberto em 2006, representando hoje 34,2% da produção do País

PETRÓLEO

Produção de petróleo bate recorde e ultrapassa 1 bilhão de barris

A maior alta foi registrada pela produção de petróleo na região do pré-sal, de 21,56%, para 633,9 milhões de barris, segundo agência

MAIS ESCLARECIMENTOS

Contrato para abrir ‘caixa-preta’ é da gestão Temer, diz presidente do BNDES

“Não foi esta diretoria que contratou a auditoria. Chegamos em julho no banco e 90% do relatório estava pronto”, afirmou Montezano

OLHO NO VAREJO

XP diz que ações de varejistas não estão caras e coloca Lojas Renner, Via Varejo e Vivara entre as apostas para setor

Para o analista, a alta nos múltiplos é reflexo do aumento das expectativas dos investidores com a melhora do consumo e expansão das varejistas. Mas ponderou que, ao mesmo tempo, tal fato diminui a margem de erro por parte das empresas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements