Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-08-31T13:00:57-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Recuperação à vista?

Números mostram continuidade no ciclo de melhora das contas públicas em julho – Veja os detalhes

Os números foram publicados pelo Banco Central e incluem despesas do governo federal, governo central, estados, municípios e estatais, com exceção de Petrobras e Eletrobras

31 de agosto de 2021
12:38 - atualizado às 13:00
Notas de 100 e 50 reais espalhadas, com uma pilha de moedas de 1 real ao centro
Números mostram continuidade no ciclo de melhora das contas públicas / Imagem: Shutterstock

As contas do setor público consolidado (Governo Central, Estados, municípios e estatais, com exceção de Petrobras e Eletrobras) tiveram déficit primário de R$ 10,283 bilhões em julho. As informações foram divulgadas na manhã desta terça-feira (31) pelo Banco Central (BC).

O resultado, que reflete a diferença entre receitas e despesas do setor público, antes do pagamento dos juros da dívida pública, ficou dentro do intervalo das estimativas de analistas do mercado financeiro.

De acordo com as projeções do Broadcast, as estimativas iam de déficit de R$ 35,500 bilhões a superávit de R$ 2,600 bilhões. Enquanto a mediana estava negativa, em R$ 13,400 bilhões.

O resultado fiscal de julho foi composto por:

  • Déficit de R$ 16,842 bilhões do Governo Central (Tesouro Nacional, Banco Central e INSS).
  • Governos regionais (Estados e municípios) influenciaram o resultado positivamente com R$ 7,345 bilhões no mês.
  • Estados registraram um superávit de R$ 5,732 bilhões.
  • Os municípios tiveram resultado positivo de R$ 1,613 bilhão.
  • As empresas estatais registraram déficit primário de R$ 786 milhões.

Por tanto, as contas públicas acumularam um déficit primário de R$ 15,491 bilhões no ano, o equivalente a 0,32% do Produto Interno Bruto (PIB. Em 12 meses o déficit primário é de R$ 234,668 bilhões.

Dívida bruta do governo geral

Apesar do aumento dos gastos dos governos para fazer frente à pandemia de covid-19, a dívida pública brasileira ficou praticamente estável em julho.

De acordo com os dados divulgados pelo Banco Central, a Dívida Bruta do Governo Geral fechou julho aos R$ 6,797 trilhões. Valor representa 83,8% do Produto Interno Bruto (PIB).

A Dívida Bruta do Governo Geral, que abrange o governo federal, os governos estaduais e municipais, excluindo o Banco Central e as empresas estatais, é uma das referências para avaliação por parte das agências globais de classificação de risco, da capacidade de solvência do País.

Na prática, quanto maior a dívida, maior o risco de calote por parte do Brasil.

Dívida líquida

O BC informou ainda que a Dívida Líquida do Setor Público (DLSP) passou de 60,8% (dado revisado) para 60,3% do Produto Interno Bruto (PIB) em julho, atingindo R$ 4,893 trilhões.

A dívida líquida apresenta valores menores que os da dívida bruta porque leva em consideração as reservas internacionais do Brasil.

*Com informações do Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

sem escassez

Fábrica da Tesla em Xangai deve terminar setembro com 300 mil carros produzidos em 2021

Marca será atingida mesmo em meio a uma escassez global de semicondutores, disseram duas fontes da montadora à Reuters

Fim da pandemia

CEO da Pfizer prevê que voltaremos à vida normal dentro de um ano, mesmo com novas variantes do coronavírus

Albert Bourla acredita que vacinação contra a covid-19 se tornarão anuais, para cobrir novas variantes, e que vacinas durarão um ano

ainda não acabou

Controladores da Alliar (AALR3) contratam XP para vender o negócio, diz jornal

Empresa de diagnósticos foi alvo, recentemente, de disputa pelo controle pela Rede D’Or e fundos ligados ao empresário Nelson Tanure

Mais recursos

Democratas aprovam pacote de US$ 3,5 tri no Comitê de Orçamento da Câmara dos EUA

Recursos serão destinados à rede de segurança social e programas relacionados a mudanças climáticas. Obtenção de quase unanimidade para aprovação no Congresso é desafio

Clube do livro

“Era para termos entrado no Primeiro Mundo há 30 anos”, escreve Gustavo Franco em seu novo livro “Lições Amargas”; leia a resenha completa

O ex-presidente do Banco Central tece críticas ao Brasil e sua estagnação prolongada e apresenta uma “história provisória da atualidade”

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies