Petrobras detalha plano estratégico; confira os principais pontos

Cotações por TradingView
2021-08-31T13:00:57-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Recuperação à vista?

Números mostram continuidade no ciclo de melhora das contas públicas em julho – Veja os detalhes

Os números foram publicados pelo Banco Central e incluem despesas do governo federal, governo central, estados, municípios e estatais, com exceção de Petrobras e Eletrobras

31 de agosto de 2021
12:38 - atualizado às 13:00
Notas de 100 e 50 reais espalhadas, com uma pilha de moedas de 1 real ao centro
Números mostram continuidade no ciclo de melhora das contas públicas / Imagem: Shutterstock

As contas do setor público consolidado (Governo Central, Estados, municípios e estatais, com exceção de Petrobras e Eletrobras) tiveram déficit primário de R$ 10,283 bilhões em julho. As informações foram divulgadas na manhã desta terça-feira (31) pelo Banco Central (BC).

O resultado, que reflete a diferença entre receitas e despesas do setor público, antes do pagamento dos juros da dívida pública, ficou dentro do intervalo das estimativas de analistas do mercado financeiro.

De acordo com as projeções do Broadcast, as estimativas iam de déficit de R$ 35,500 bilhões a superávit de R$ 2,600 bilhões. Enquanto a mediana estava negativa, em R$ 13,400 bilhões.

O resultado fiscal de julho foi composto por:

  • Déficit de R$ 16,842 bilhões do Governo Central (Tesouro Nacional, Banco Central e INSS).
  • Governos regionais (Estados e municípios) influenciaram o resultado positivamente com R$ 7,345 bilhões no mês.
  • Estados registraram um superávit de R$ 5,732 bilhões.
  • Os municípios tiveram resultado positivo de R$ 1,613 bilhão.
  • As empresas estatais registraram déficit primário de R$ 786 milhões.

Por tanto, as contas públicas acumularam um déficit primário de R$ 15,491 bilhões no ano, o equivalente a 0,32% do Produto Interno Bruto (PIB. Em 12 meses o déficit primário é de R$ 234,668 bilhões.

Dívida bruta do governo geral

Apesar do aumento dos gastos dos governos para fazer frente à pandemia de covid-19, a dívida pública brasileira ficou praticamente estável em julho.

De acordo com os dados divulgados pelo Banco Central, a Dívida Bruta do Governo Geral fechou julho aos R$ 6,797 trilhões. Valor representa 83,8% do Produto Interno Bruto (PIB).

A Dívida Bruta do Governo Geral, que abrange o governo federal, os governos estaduais e municipais, excluindo o Banco Central e as empresas estatais, é uma das referências para avaliação por parte das agências globais de classificação de risco, da capacidade de solvência do País.

Na prática, quanto maior a dívida, maior o risco de calote por parte do Brasil.

Dívida líquida

O BC informou ainda que a Dívida Líquida do Setor Público (DLSP) passou de 60,8% (dado revisado) para 60,3% do Produto Interno Bruto (PIB) em julho, atingindo R$ 4,893 trilhões.

A dívida líquida apresenta valores menores que os da dívida bruta porque leva em consideração as reservas internacionais do Brasil.

*Com informações do Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Capital de risco

Pátria Investimentos adquire Igah Ventures e expande atuação no segmento de Venture Capital

1 de dezembro de 2022 - 20:38

Gestora de Pedro Sirotsky Melzer tem, entre suas investidas, empresas como Infracommerce e a corretora Avenue; valor da transação não foi divulgado

ADEUS, BYE BYE

Oferta pública de aquisição da Getnet (GETT11) termina com negociação de 13,9 milhões de ações; confira os detalhes

1 de dezembro de 2022 - 20:37

Embora a maquininha vermelha tenha entregado resultados e dividendos, o Santander Espanha resolveu fechar o capital da empresa cerca de um ano depois da estreia na bolsa

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Ibovespa deixa exterior de lado e cai, PIB vem mais fraco e o grupamento de ações IRB (IRBR3); confira os destaques do dia

1 de dezembro de 2022 - 20:05

Se em algum momento de dezembro os presentes adornarem a árvore de Natal da B3, talvez o mercado caminhe para um fim de ano mais tranquilo. Mas essa não é a realidade no momento.

NATAL ANTECIPADO

Dividendos e JCP: Vale (VALE3) anuncia pagamento bilionário de proventos; confira valores e prazos

1 de dezembro de 2022 - 19:36

A mineradora informou que o montante a ser distribuído poderá sofrer variação em razão de eventual alteração do número de ações em tesouraria

FECHAMENTO DO DIA

Petrobras (PETR4) tomba após plano estratégico e leva junto o Ibovespa; dólar cai abaixo dos R$ 5,20

1 de dezembro de 2022 - 19:31

Estamos oficialmente no último mês do ano. O clima natalino se confunde com a energia caótica da Copa do Mundo, mas o mercado financeiro sabe bem o que quer ver sob a árvore de Natal antes de o Ano Novo chegar — mas boa parte desses presentes depende da disposição do presidente eleito em distribuir.  […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies