🔴 +30 RECOMENDAÇÕES DE ONDE INVESTIR EM MARÇO – ACESSE GRATUITAMENTE

Cotações por TradingView
Estadão Conteúdo
Estica mais?

Teto de gastos pode sofrer golpe com parcelamento de dívidas públicas

Em comunicado, o IFI afirma que o benefício de adiar o pagamento de parte das dívidas judiciais previstas para 2022 pode abalar a credibilidade do país

teto de gastos se quebrando | Ibovespa
Imagem: Andrei Morais/ Shutterstock

Principal âncora fiscal do País, o teto de gastos sofrerá um "golpe importante" caso o governo insista em propor o parcelamento de precatórios (valores devidos pelo poder público após sentença definitiva na Justiça), alerta a Instituição Fiscal Independente (IFI) do Senado.

Em comunicado, o órgão que tem a missão de vigiar a política fiscal do País afirma que o benefício de adiar o pagamento de parte das dívidas judiciais previstas para 2022, de forma a liberar espaço no teto de gastos para ampliar o Bolsa Família, pode ser "mais que neutralizado" pelo efeito negativo, já que a medida pode abalar a credibilidade do País.

"O aumento do risco, dos juros e do custo médio da dívida rapidamente cobraria o preço"

Alerta a IFI.

Na nota, a IFI diz que, se o teto for alterado por causa do impasse com os precatórios, ou essa despesa ficar fora do limite de gastos, o País mergulhará em um quadro similar ao observado entre 2009 e 2014, período dos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, marcado por práticas de "contabilidade criativa".

Teto de gastos

O teto de gastos é a regra que limita o avanço das despesas à inflação. Para o ano que vem, o governo calculava uma folga de R$ 25 bilhões a R$ 30 bilhões, que seria usada para ampliar o Bolsa Família e pavimentar o caminho rumo à campanha de Jair Bolsonaro à reeleição.

O valor foi calculado antes de a equipe econômica constatar que a despesa com precatórios chegaria a R$ 89,1 bilhões em 2022 - mais de R$ 42 bilhões acima do esperado. O espaço no teto se exauriu diante dessa "surpresa", como classificou o ministro da Economia, Paulo Guedes.

"Precatório tem, sim, certa imprevisibilidade, mas os mecanismos e ritos hoje existentes permitiriam uma ação antecipada do governo. Deixar chegar até o ponto atual e buscar mudança nas regras do jogo é algo temerário"

Diz o diretor executivo da IFI, Felipe Salto, um dos autores da nota.

Parcelamento de dívidas

Desde então, o governo tem articulado o envio de uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) para parcelar as dívidas judiciais em até dez anos. Como mostrou o Estadão/Broadcast, a medida tem potencial até mesmo para dar fôlego adicional para gastos do governo em 2022, pois, em vez de aumentarem, as despesas com precatórios cairiam R$ 7,8 bilhões em relação a este ano.

A IFI, porém, vê no parcelamento um "evidente prejuízo ao funcionamento do arcabouço fiscal", isto é, do conjunto de regras que regem as finanças públicas.

Segundo o órgão, o teto de gastos já tem válvulas de escape para despesas urgentes e imprevistas, e que foram usadas durante a pandemia de covid-19, enquanto os gastos previsíveis, como o de sentenças e precatórios.

"Se o parcelamento cogitado avançar, o teto será formalmente preservado, com garantias constitucionais, mas a regra sofrerá um golpe importante. Não serão raros os questionamentos a respeito de novas possibilidades de mudanças para comportar outros eventos que viessem a acometer as contas públicas no futuro", diz a IFI.

Segundo apurou a reportagem, técnicos da área econômica têm manifestado desconforto com a proposta, apesar de o crescimento expressivo dos precatórios ser um problema a ser enfrentado. O envio da PEC foi adiado para a próxima segunda-feira por questões "burocráticas", segundo uma fonte.

Fundo Brasil

Além disso, a PEC em elaboração no governo prevê a criação do chamado Fundo Brasil, a ser abastecido com recursos de privatizações e venda de imóveis e que poderia ser usado em parte para abater dívidas (inclusive com precatórios) e turbinar ainda mais o valor pago aos beneficiários do Bolsa Família. Esse fundo teria despesas bancadas fora do teto de gastos.

Um integrante da equipe econômica reconhece que, com a proposta de criação desse fundo, será uma tarefa árdua conseguir barrar iniciativas que pretendam inserir outros gastos na lista do que pode ser bancado com o dinheiro do Fundo Brasil - ou seja, fora do teto.

A própria equipe econômica já precisou debelar movimentos da ala política do governo e do Congresso que buscavam driblar o teto de gastos para gastar mais.

Agora, com a brecha aberta pelo próprio Ministério da Economia, há o temor de que as investidas sejam ainda mais pesadas e, pior, com potencial de aprovação no Parlamento. A principal aposta é que o presidente da Câmara, Arthur Lira (Progressistas-AL), aliado do governo, ajude na articulação para evitar danos às contas.

Nos últimos dias, o mercado já repercutiu mal uma declaração de Guedes sobre o problema:

"Devo, não nego, pagarei assim que puder"

O órgão reconhece que houve um aumento expressivo no valor dos precatórios. De 20009 a 2021, a alta foi de 102,2%, já descontada a inflação.

Em 2022, boa parte do aumento se deve às ações referentes ao cálculo incorreto do Fundef, fundo para o desenvolvimento do ensino fundamental e valorização do magistério que vigorou até 2006. Ao todo, os Estados devem receber R$ 16,6 bilhões da União no ano que vem.

Quer fugir da mordida do leão? No vídeo abaixo Julia Wiltgen apresenta os top 5 investimentos livres de IR; confira:

Compartilhe

O SONHO CHEGOU AO FIM

El Salvador nunca acreditou no bitcoin (BTC)? País comprará de volta títulos da dívida soberana para ‘provar’ que não dará calote

28 de julho de 2022 - 11:56

O presidente Nayib Bukele quer recomprar US$ 1,6 bilhão em dívida soberana e enviou dois projetos de lei ao congresso local para garantir os fundos necessários para a operação

Recuperação à vista?

Números mostram continuidade no ciclo de melhora das contas públicas em julho – Veja os detalhes

31 de agosto de 2021 - 12:38

Os números foram publicados pelo Banco Central e incluem despesas do governo federal, governo central, estados, municípios e estatais, com exceção de Petrobras e Eletrobras

Tendência da bolsa

AGORA: Ibovespa futuro abre em queda, com contas públicas no radar; dólar avança hoje

25 de agosto de 2021 - 9:10

Arrecadação federal e contas do governo devem movimentar os negócios e pressionar ainda mais o presidente Jair Bolsonaro e a equipe econômica

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: IPCA-15, arrecadação federal e Paulo Guedes devem movimentar a bolsa hoje; exterior espera Simpósio do Fed

25 de agosto de 2021 - 7:51

A expectativa com a reunião de Jackson Hole na próxima sexta-feira (27) começa a pressionar os índices pelo mundo e o Ibovespa deve digerir muitos indicadores hoje

Capital agitada

Ruídos de Brasília: o que acontece no Planalto Central e respinga na Bolsa (e no seu bolso)

12 de agosto de 2021 - 16:04

Saiba quais os principais temas discutidos nos corredores da capital federal que mexem e ainda vão mexer com o humor dos investidores

Segurando os gastos

Bolsonaro, sobre auxílio: nossa capacidade de endividamento está no limite

28 de maio de 2021 - 7:29

Além de justificar as decisões sobre os valores do programa social, presidente criticou Lula e descartou intervenção sobre os preços da carne

trajetória preocupante

Selic maior pode elevar dívida do Brasil em R$ 100 bilhões

3 de abril de 2021 - 10:52

Tesouro pode optar por mudanças na estratégia de emissões de papéis para suavizar o impacto nos próximos meses, diz economista

Aperto nas contas

Déficit do setor público chega a R$ 11,7 bi e dívida chega a 90% do PIB, diz BC

31 de março de 2021 - 12:10

Dados como dívida pública, dívida líquida, déficit e juros também foram divulgados pelo Banco Central

Fala, Guedes!

“Se o presidente não confiar em meu trabalho, sou demissível em 30 segundos”, diz Guedes

2 de março de 2021 - 9:36

O ministro iniciou a gravação dizendo que, “aparentemente”, é um “desastre em comunicação”: “Vim para a política sem querer, nunca pensei em política”

Lá em cima

Mercado espera Selic subindo e inflação alta ainda para este ano

8 de fevereiro de 2021 - 10:42

Conforme divulgado no Boletim Focus nesta segunda-feira (8), a expectativa de crescimento do PIB caiu em relação à semana passada, enquanto o IPCA teve alta para o mesmo período

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies