Menu
2019-04-05T15:40:03-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Tombo na largada do ano

Produção industrial cai em 18 de 26 atividades em janeiro, diz IBGE

Principais impactos negativos partiram da fabricação de produtos alimentícios, produtos farmoquímicos e farmacêuticos e máquinas e equipamentos

13 de março de 2019
11:59 - atualizado às 15:40
indústria-brasileira
Indústria brasileira - Imagem: José Cruz/Agência Brasil

A indústria registrou queda na produção em 18 entre 26 as atividades pesquisadas em janeiro de 2019 ante janeiro de 2018, segundo os dados da Pesquisa Industrial Mensal divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A produção encolheu 2,6% no período, embora o mês de janeiro de 2019 tenha mostrado o mesmo número de dias úteis do que janeiro do ano anterior.

Os principais impactos negativos partiram da fabricação de produtos alimentícios (-4,0%), produtos farmoquímicos e farmacêuticos (-22,5%) e máquinas e equipamentos (-10,3%).

Outras contribuições relevantes decorreram das perdas de veículos automotores, reboques e carrocerias (-3,7%), equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos (-10,2%), manutenção, reparação e instalação de máquinas e equipamentos (-14,2%), metalurgia (-2,7%), celulose, papel e produtos de papel (-3,9%), produtos de madeira (-8,2%), outros equipamentos de transporte (-8,7%) e produtos de borracha e de material plástico (-2,6%).

O índice de difusão - que mostra o porcentual de produtos com avanço na produção - aumentou de 36,4% em dezembro para 40,1% em janeiro. "Tem melhora, mas como ainda está abaixo de 50%, isso nos mostra que há um número maior de produtos em queda do que em crescimento", lembrou André Macedo, gerente da Coordenação de Indústria do IBGE.

Economia em marcha lenta

Para o gerente na Coordenação de Indústria do IBGE, André Macedo, a queda registrada pela indústria em janeiro mostra uma continuidade do processo de menor dinamismo que marcou o segundo semestre do ano passado. "Ainda tem um ambiente de incertezas que faz com que decisões de consumo e investimentos sejam postergadas. Não por acaso bens de capital e bens duráveis vêm com saldo negativo importante acumulado", disse.

O pesquisador lembra que a melhora na confiança do empresariado retratada por algumas pesquisas está muito mais calcada nas expectativas para o futuro do que na avaliação sobre a demanda presente. "E o mercado de trabalho está longe de mostrar qualquer tipo de recuperação, então as famílias também tomam decisão de adiar consumo", completou.

Na passagem de dezembro de 2018 para janeiro de 2019, a produção de bens de capital caiu 3,0%, o terceiro mês consecutivo de quedas, período em que acumulou uma perda de 10,2%. Em janeiro, houve redução na fabricação de caminhões e máquinas agrícolas. Os dados são da Pesquisa Industrial Mensal (PIM) de janeiro, que foram divulgados nesta quarta-feira pelo instituto.

Quanto aos bens de consumo duráveis, a produção cresceu 0,5% em janeiro ante dezembro, puxada pela fabricação de automóveis e de eletrodomésticos da linha marrom.

"Mas o crescimento está muito calcado em uma base de comparação depreciada, porque nos últimos dois meses de 2018 a categoria de uso tinha recuado 5,2%", ponderou Macedo. "O aumento na produção de automóveis também foi acompanhado de aumento de estoques, o que pode sugerir alguma redução de ritmo mais à frente. Existe a necessidade de adequar a produção corrente à demanda que existe, seja ela interna ou externa, já que houve uma perda grande com a crise na Argentina", acrescentou.

Brumadinho

O rompimento da barragem da Vale na Mina do Córrego do Feijão, na cidade de Brumadinho, em Minas Gerais, no dia 25 de janeiro, ainda não afetou consideravelmente os dados da produção industrial brasileira referentes ao primeiro mês de 2019, mas têm potencial para impactar o desempenho dos meses seguintes, afirmou André Macedo.

"Considerando que o acidente foi só no fim do mês e que tem outras plantas com produção mais relevante, e o setor cresceu no mês anterior, eu não colocaria na conta esse acidente de Brumadinho no resultado de janeiro. Claro que não estou descartando os efeitos disso mais à frente", explicou Macedo.

A produção das indústrias extrativas recuou 1,0% em janeiro de 2019 ante dezembro de 2018, a segunda maior contribuição para a queda média de 0,8% registrada pela indústria brasileira no mesmo período. A atividade industrial de maior impacto sobre a média global no mês foi a de produtos farmoquímicos e farmacêuticos, com redução de 10,3% na produção.

"Uma planta industrial (farmacêutica) deu férias coletivas em janeiro, normalmente ela concede férias em dezembro", justificou Macedo.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

de olho na agenda

Congresso sacramenta decisão de levar Orçamento para plenário e abre prazo para emendas

Cúpula do Legislativo tenta afastar o “fantasma” do shutdown; Se a LDO não for aprovada ainda neste ano, o governo fica sem autorização para realizar despesas básicas em janeiro, como salários e aposentadorias

em brasília

Mourão diz que parte dos assessores de Bolsonaro distorce fatos

Vice-presidente afirmou nesta sexta-feira que existe “certa incompreensão” no seu relacionamento com o chefe do Executivo

seu dinheiro na sua noite

Free Solo: Ibovespa escala para perto da marca histórica

Com imagens de tirar o fôlego, o extraordinário documentário Free Solo conta a preparação do alpinista Alex Honnold para chegar ao topo do El Capitan, uma parede rochosa com quase 1000 metros de altura. Detalhe: a escalada é feita sem equipamentos de segurança. O filme vencedor do Oscar está disponível no Disney Plus. Mas quem não é […]

Respiro

E-commerce fatura R$ 7,72 bilhões com Black Friday e Cyber Monday em 2020

O valor representa aumento de 27,7% em relação ao mesmo período do ano passado.

fechamento dos mercados

Ibovespa engata 5ª semana seguida de alta com Petrobras, Vale e aéreas

Índice local de ações não tinha sequência tão longa de ganhos semanais desde dezembro de 2019; dólar mantém trajetória de queda e juros longos se descomprimem de novo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies