Menu
2019-11-07T11:48:46-03:00
Estadão Conteúdo
Pulando fora da caderneta

Poupança tem saída líquida de R$ 247,3 milhões em outubro

Outubro foi o primeiro mês de retiradas líquidas da poupança após dois meses consecutivos de depósitos

6 de novembro de 2019
16:05 - atualizado às 11:48
Poupança
Imagem: Tenor

As famílias brasileiras voltaram a retirar recursos na caderneta de poupança em outubro. Dados do Banco Central mostram que, no mês passado, os saques líquidos somaram R$ 247,3 milhões.

Foi o primeiro mês de retiradas líquidas da poupança após dois meses consecutivos de depósitos. Em setembro, haviam sido registrados depósitos líquidos de R$ 8,725 bilhões.

O ano de 2019 tem sido marcado, até o momento, por uma rotatividade nos resultados da poupança. São seis meses de saques líquidos e quatro meses de depósitos.

No acumulado do ano até outubro, a caderneta registra saídas líquidas de R$ 6,310 bilhões. Este resultado está em grande parte ligado ao ambiente de fraqueza da economia e alto desemprego.

Com menos dinheiro para fechar as contas, muitas famílias voltaram a recorrer, em alguns momentos, aos recursos depositados na caderneta para fazer frente às despesas mensais.

Em outubro, os saques brutos somaram R$ 218,362 bilhões, superando os depósitos brutos de R$ 218,115 bilhões. Assim, considerando a saída líquida de R$ 247,256 milhões e o rendimento de R$ 2,849 bilhões visto no mês, o estoque total na caderneta de poupança atingiu R$ 820,572 bilhões no fim de outubro.

Atualmente, a poupança é remunerada pela taxa referencial (TR), que está em zero, mais 70% da Selic (a taxa básica de juros da economia). A Selic, por sua vez, está em 5,00% ao ano, no menor patamar da história.

Esta regra de remuneração vale sempre que a Selic estiver abaixo dos 8,50% ao ano. Quando estiver acima disso, a poupança é atualizada pela TR mais uma taxa fixa de 0,5% ao mês (6,17% ao ano). Esta remuneração, mais elevada, deixou de valer em 2017, quando a Selic passou para abaixo do nível de 8,50%.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

reta final de negociações

Senado americano aprova “pacote Biden” de US$ 1,9 trilhão

Agora, o pacote voltará para a Câmara dos Representantes, que analisará as alterações feitas no texto pelos senadores. Se for aprovado, o projeto será enviado à Casa Branca para a sanção do presidente

entrevista

‘Episódio Petrobras deu um susto grande nos investidores’, diz economista do Itaú

O economista-chefe do Itaú Unibanco, Mario Mesquita, diz também estar preocupado com as incertezas políticas, que ameaçam o crescimento do PIB

Dificuldades À vista?

Deputados falam em reduzir medidas de ajuste fiscal do texto da PEC do auxílio

Embora defenda celeridade na análise da proposta, Albuquerque admite que o texto pode ser enxugado

escolha da CEO

Investir no Brasil: se correr o bicho pega, se ficar o bicho come

Confira uma seleção de matérias feita pela CEO do Seu Dinheiro, Marina Gazzoni

Efeitos da pandemia

PEC do auxílio aprovada no Senado prevê abater R$ 100 bi da dívida pública

Pelos cálculos do governo, a necessidade de financiamento da dívida pública federal (DPF) neste ano é de R$ 1,469 trilhão, valor que aumentou por causa do maior volume de títulos de curto prazo que o governo precisou emitir para conseguir captar recursos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies