Menu
2019-10-04T16:50:24-03:00
Estadão Conteúdo
E pelo segundo mês seguido...

Poupança tem captação líquida de R$ 8,725 bilhões em setembro

Foi o segundo mês consecutivo de captação positiva na poupança. Em agosto, haviam sido registrados depósitos líquidos de R$ 1,316 bilhão

4 de outubro de 2019
16:05 - atualizado às 16:50
Poupança
Imagem: Shutterstock

As famílias brasileiras voltaram a aplicar recursos na caderneta de poupança em setembro. Dados do Banco Central mostram que, no mês passado, os depósitos líquidos somaram R$ 8,725 bilhões.

Foi o segundo mês consecutivo de captação positiva na poupança. Em agosto, haviam sido registrados depósitos líquidos de R$ 1,316 bilhão.

O ano de 2019 tem sido marcado, até o momento, por uma rotatividade nos resultados de captação da poupança. São cinco meses de saques líquidos e quatro meses de depósitos.

No acumulado do ano até setembro, a caderneta registra saídas líquidas de R$ 6,063 bilhões. Este resultado está em grande parte ligado ao ambiente de fraqueza da economia e alto desemprego.

Com menos dinheiro para fechar as contas, muitas famílias voltaram a recorrer, em alguns momentos, aos recursos depositados na caderneta para fazer frente às despesas mensais.

Em setembro, porém, os saques brutos somaram R$ 209,025 bilhões, sendo superados pelos depósitos brutos de R$ 217,750 bilhões.

Considerando a entrada líquida de R$ 8,725 bilhões e o rendimento de R$ 2,857 bilhões visto no mês, o estoque total na caderneta de poupança atingiu R$ 817,970 bilhões no fim de setembro.

Atualmente, a poupança é remunerada pela taxa referencial (TR), que está em zero, mais 70% da Selic (a taxa básica de juros da economia). A Selic, por sua vez, está em 5,5% ao ano, no menor patamar da história.

Esta regra de remuneração vale sempre que a Selic estiver abaixo dos 8,50% ao ano. Quando estiver acima disso, a poupança é atualizada pela TR mais uma taxa fixa de 0,5% ao mês (6,17% ao ano).

Esta remuneração, mais elevada, deixou de valer em setembro de 2017, quando a Selic passou para abaixo do nível de 8,50%.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

balanço do mês

Dívida Pública Federal sobe 2,47% em outubro e chega a R$ 4,6 trilhões

Instituições financeiras foram as principais detentoras da Dívida Pública Federal interna, com 28,1% de participação no estoque

reajuste

Petrobras aumentará gasolina em 4% e diesel em 5% nas refinarias

Este é a segunda elevação de preços em novembro e segue a alta do petróleo no mercado internacional

saúde na bolsa

Bank of America: Com foco em saúde, ação da SulAmérica está barata e tem perspectiva positiva

Para o banco, a companhia opera 70% abaixo do potencial e tem espaço para crescer e se aproximar dos outros players do mercado de saúde

PESSIMISMO

Risco fiscal impede Brasil de aproveitar bom momento dos mercados globais

Rogério Xavier, da SPX Capital, e Carlos Woelz, da Kapitalo Investimentos, criticam duramente falta de interesse em controlar contas públicas

Substituição barrada

Investidores de debêntures da Rodovias do Tietê rejeitam venda da empresa para Latache

Venda para fundo foi rejeitada pelos debenturistas da concessionária, que possui pelo menos R$ 1,5 bilhão em dívidas, a maior parte na mão de pequenos investidores

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies