Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-07-04T16:20:49-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
De saída

Apesar de junho positivo, poupança volta a fechar um semestre no vermelho

Dados do Banco Central mostram que, nos primeiros seis meses do ano, os saques superaram os depósitos na poupança em R$ 14,499 bilhões

4 de julho de 2019
15:59 - atualizado às 16:20
Poupança
Imagem: Tenor

Após relativa reação nos últimos dois anos, a caderneta de poupança voltou a registrar resultados negativos em 2019. Nos primeiros seis meses do ano, os saques superaram os depósitos na poupança em R$ 14,499 bilhões, conforme dados divulgados hoje pelo Banco Central.

No mesmo período de 2018, o resultado havia sido positivo, com os depósitos superando os saques em R$ 7,350 bilhões.

As retiradas líquidas de recursos da poupança no primeiro semestre deste ano ocorrem em um ambiente de fraqueza da economia e alto desemprego.Com menos dinheiro para fechar as contas, muitas famílias voltaram a recorrer aos recursos depositados na caderneta para fazer frente às despesas mensais.

A situação tem semelhanças com o que ocorreu nos anos de 2015 e 2016, quando a recessão econômica provocou a saída líquida de cerca de R$ 95 bilhões da poupança. Em 2017 e 2018, houve certa reação, com a poupança recebendo depósitos líquidos de R$ 55 bilhões. Em 2019, os saques voltaram a se intensificar.

Em junho, no entanto, o saldo foi positivo: os poupadores depositaram R$ 2,498 bilhões líquidos. A cifra foi resultado de aportes de R$ 189,920 bilhões e saídas de R$ 187,422 bilhões. Com isso, o saldo total da poupança atingiu R$ 800,647 bilhões, já considerando o rendimento de R$ 2,989 bilhões creditado no mês.

Dos seis primeiros meses do ano de 2019, houve resgates líquidos em quatro deles: janeiro (R$ 11,232 bilhões), fevereiro (R$ 4,021 bilhões), abril (R$ 2,878 bilhões) e maio (R$ 718,7 milhões). Já os depósitos líquidos foram registrados em março (R$ 1,853 bilhão) e junho (R$ 2,498 bilhões).

Outro fator que tem prejudicado os saldos da poupança está ligado à própria rentabilidade da aplicação - considerada baixa em relação a outras opções disponíveis. Atualmente, a poupança é remunerada pela taxa referencial (TR), que está próxima de zero, mais 70% da Selic (a taxa básica de juros da economia). A Selic, por sua vez, está em 6,50% ao ano desde março de 2018.

Esta regra de remuneração vale sempre que a Selic estiver abaixo dos 8,50% ao ano. Quando estiver acima disso, a poupança é atualizada pela TR mais uma taxa fixa de 0,5% ao mês (6,17% ao ano). Esta remuneração, mais elevada, deixou de valer em setembro de 2017, quando a Selic passou para abaixo do nível de 8,50%.

Não bastassem as dificuldades para fechar as contas, os brasileiros também não possuem o hábito de poupar. Dados do Banco Mundial mostram que, em 2017, apenas 32% dos brasileiros com mais de 15 anos de idade guardaram alguma quantia de dinheiro - seja na caderneta, seja em qualquer outra aplicação financeira. A média global é de 48% e nos países de alta renda o porcentual é de 73%.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Petrobras privatizada vira possibilidade, Itaú revisa projeções para o Brasil e outros destaques

A proximidade do ano eleitoral não aprofunda apenas as discussões sobre o aumento de gastos do governo com medidas assistencialistas, como o Auxílio Brasil e o auxílio aos caminhoneiros, confirmados na semana passada após uma manobra no teto de gastos. Com outubro engatando a reta final, restam poucas folhas no calendário de 2021 e oportunidades […]

privatização no radar

Petrobras (PETR4) pede que governo explique estudo para venda de ações; papéis dispararam mais de 6% com rumores sobre privatização

Mais cedo, Bolsonaro reafirmou que a privatização “entrou no radar” do governo, mas destacou que o processo é uma “complicação enorme” e não deve sair tão cedo

FECHAMENTO DO DIA

Petrobras na mira da privatização ajuda Ibovespa a recuperar parte das perdas recentes e bolsa sobe 2%; dólar cai a R$ 5,56

Os investidores começam a semana ainda digerindo a confirmação do rompimento do teto de gastos, mas como a situação deixou de ser especulativa, abriu espaço para uma recuperação puxada pela Petrobras

FINANCIAL PAPERS

Polêmica com vazamentos não afeta balanço do Facebook (FBOK34) e ações avançam em NY

Mais cedo, o noticiário sobre a empresa era dominado por notícias menos favoráveis com a divulgação dos “The Facebook Papers”

Vídeo

All time high do Bitcoin: como fica o mercado de criptos com a principal moeda em alta?

Analista de criptomercado comenta sobre a situação atual desse cenário

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies