Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-10-14T15:59:45-03:00
Estadão Conteúdo
Novos dados

Setor público tem déficit primário de R$ 13,008 bi em maio, revela BC

Resultado fiscal de maio foi composto por um déficit de R$ 13,190 bilhões do Governo Central (Tesouro, Banco Central e INSS). Já os governos regionais (Estados e municípios) influenciaram o resultado positivamente com R$ 1,237 bilhão no mês

28 de junho de 2019
12:30 - atualizado às 15:59
Dinheiro; notas e moedas de real
Imagem: Shutterstock

O setor público consolidado (Governo Central, Estados, municípios e estatais, com exceção de Petrobras e Eletrobras) apresentou déficit primário de R$ 13,008 bilhões em maio, informou nesta sexta-feira, 28, o Banco Central. O resultado representa o maior déficit para o mês desde maio de 2017, quando houve déficit de R$ 30,736 bilhões. Em abril, havia sido registrado superávit de R$ 6,637 bilhões.

O resultado primário consolidado do mês passado ficou dentro do intervalo das estimativas de analistas do mercado financeiro ouvidos pelo Projeções Broadcast, que iam de déficit de R$ 21,012 bilhões a déficit de R$ 12,000 bilhões. A mediana estava negativa em R$ 14,000 bilhões.

O resultado fiscal de maio foi composto por um déficit de R$ 13,190 bilhões do Governo Central (Tesouro, Banco Central e INSS). Já os governos regionais (Estados e municípios) influenciaram o resultado positivamente com R$ 1,237 bilhão no mês.

Enquanto os Estados registraram um superávit de R$ 1,007 bilhão, os municípios tiveram resultado positivo de R$ 230 milhões. As empresas estatais registraram déficit primário de R$ 1,055 bilhão.

A meta de déficit primário do setor público consolidado considerada pelo governo é de R$ 132,0 bilhões para 2019. No caso do Governo Central, a meta é um déficit de R$ 139,0 bilhões.

Acumulado do ano

As contas do setor público acumularam um superávit primário de R$ 6,966 bilhões no ano até maio, o equivalente a 0,24% do Produto Interno Bruto (PIB), informou o Banco Central.

O superávit fiscal no ano até maio ocorreu apesar do déficit de R$ 12,462 bilhões do Governo Central (0,43% do PIB). Os governos regionais (Estados e municípios) apresentaram um superávit de R$ 19,132 bilhões (0,66% do PIB) no período.

Enquanto os Estados registraram um superávit de R$ 17,432 bilhões, os municípios tiveram um saldo positivo de R$ 1,700 bilhão. As empresas estatais registraram um resultado positivo de R$ 296 milhões no período.

Acumulado em 12 meses

De acordo com o BC, as contas do setor público acumulam um déficit primário de R$ 100,359 bilhões em 12 meses até maio, o equivalente a 1,44% do PIB.

O déficit fiscal nos 12 meses encerrados em maio pode ser atribuído ao rombo de R$ 114,863 bilhões do Governo Central (1,65% do PIB). Os governos regionais apresentaram um superávit de R$ 9,763 bilhões (0,14% do PIB) em 12 meses até maio.

Enquanto os Estados registraram um superávit de R$ 12,312 bilhões, os municípios tiveram um saldo negativo de R$ 2,548 bilhões. As empresas estatais registraram um resultado positivo de R$ 4,741 bilhões no período.

Déficit nominal

O setor público consolidado registrou um déficit nominal de R$ 47,558 bilhões em maio. Em abril, o resultado nominal havia sido deficitário em R$ 28,048 bilhões e, em maio de 2018, deficitário em R$ 47,896 bilhões.

No mês passado, o governo central registrou déficit nominal de R$ 43,152 bilhões. Os governos regionais tiveram saldo negativo de R$ 2,866 bilhões, enquanto as empresas estatais registraram déficit nominal de R$ 1,539 bilhão.

No ano até maio, o déficit nominal somou R$ 156,749 bilhões, o que equivale a 5,43% do PIB. Em 12 meses até maio, há déficit nominal de R$ 484,733 bilhões, ou 6,96% do PIB.

Gasto com juros

O setor público consolidado teve gasto de R$ 34,550 bilhões com juros em maio, após esta despesa ter atingido R$ 34,685 bilhões em abril, informou o Banco Central. O Governo Central teve no mês passado despesas na conta de juros de R$ 29,962 bilhões. Os governos regionais registraram gasto de R$ 4,103 bilhões e as empresas estatais, de R$ 484 milhões.

No ano até maio, o gasto com juros somou US$ 163,716 bilhões, o que representa 5,67% do PIB. Em 12 meses até maio, as despesas com juros atingiram R$ 384,374 bilhões (5,52% do PIB).

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

FECHAMENTO DO DIA

Vale puxa o Ibovespa e garante alta do dia, mas dólar avança com temores fiscais na véspera do Copom

Em Nova York, a volatilidade foi mais comedida. No Brasil, o conturbado cenário interno trouxe dor de cabeça e tensão para o Ibovespa e o câmbio

Chama o Max!

Como ter renda extra através de ações? Max Bohm explica os diferentes tipos de proventos!

Já pensou viver de renda? É o sonho de muitos brasileiros. Max Bohm, analista da Empiricus, explica quais são os diferentes tipos de proventos recebidos por um acionista. Confira agora!

Com preço no piso da faixa indicativa, Raízen movimenta R$ 6,9 bilhões no IPO; veja o que vem a seguir para esta ação

Ação da produtora de açúcar e álcool e dona dos postos Shell é precificada a R$ 7,40 e começará a ser negociada no próximo dia 5

DISPUTA DOS BANCÕES

Bradesco aumenta lucro em 63%, a R$ 6,3 bilhões — mas não supera Itaú

Cifra do período não supera a projeção de lucro de R$ 6,596 bilhões, apontada pelo mercado, conforme dados da Bloomberg

ciclo de alta

Taxa Selic hoje é de 4,25% ao ano, mas vai subir; entenda por quê

Expectativa do mercado financeiro é de que o Banco Central promova um aumento de 1,00 ponto porcentual na taxa básica de juros, levando-a para 5,25%

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies