2019-03-06T16:23:43-03:00
Focus

Mercado projeta alta do PIB menor para 2019

O resultado diferente do esperado é fruto do recálculo que precisou ser feito após a divulgação do PIB pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) na última quinta-feira (28)

6 de março de 2019
14:26 - atualizado às 16:23

Ao contrário do que era esperado, o Relatório de Mercado Focus divulgado hoje (6) pelo Banco Central mostrou que a expectativa de alta para o Produto Interno Bruto (PIB) está mais baixa e a mediana passou de 2,48% para 2,30%. Cerca de quatro semanas atrás, a estimativa de crescimento era de 2,50%.

O resultado é fruto do recálculo que precisou ser feito após a divulgação do PIB pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) na última quinta-feira (28). Na ocasião, o documento mostrou que o PIB cresceu 1,1% em 2018. Já no quarto trimestre do ano passado, houve alta de 0,1% em relação ao período anterior.

O mercado também alterou a previsão de alta do crescimento para 2020 para um valor um pouco mais alto. Com isso, o ponto-médio passou de 2,65% para 2,70%. Antes, a previsão estava em 2,50%.

Inflação

No quesito IPCA, o mercado preferiu manter a previsão em 2019 e 2020. A mediana seguiu em alta de 3,85%, e a projeção para 2020 permaneceu em 4,00%.

O relatório também não alterou a projeção daqui a dois (2021) e três anos (2022), que se manteve em 3,75%.

A projeção dos economistas para a inflação está abaixo do centro da meta de 2019, de 4,25% com margem de tolerância de 1,5 ponto (índice entre 2,50% e 5,75%). Já em 2020, a meta é de 4% e margem de tolerância de 1,5 ponto (de 2,50% a 5,50%). Em 2021, a meta é de 3,75% e margem é de 1,5 ponto (de 2,25% a 5,25%).

No grupo de economistas que mais acertam as previsões, os chamados Top 5, de médio prazo, a mediana para a inflação oficial também ficou parada, em 3,86% para 2019 e 4,00% para 2020. Já no ano subsequente, a pesquisa indicou alta na previsão para a inflação, de 4,01% para 4,04%. A meta de inflação perseguida pelo BC é de 4,25% em 2019, 4% em 2020 e 3,75% no ano seguinte. Todos com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo.

Selic

O mercado também optou por manter a mediana das suas projeções para a taxa básica de juros (Selic) para o fim deste ano em 6,50% ao ano. As estimativas para a Selic no fim de 2020, 2021 e 2022 seguiram a mesma linha e mantiveram-se inalteradas em 8,00%.

No grupo de economistas que mais acertam as projeções de médio prazo, a mediana da Selic em 2019 vai continuar em 6,50% ao ano, assim como as taxas básicas de 2020, 2021 e 2022 devem permanecer em 8,00%.

Câmbio

A mediana das estimativas para o dólar no fim de 2019 foi mantida em R$ 3,70 entre os economistas em geral. Já para os economistas conhecidos como Top 5 de médio prazo, a moeda norte-americana deve chegar a R$ 3,80. Para o ano subsequente, o ponto-médio das projeções seguiu em R$ 3,75 entre os economistas do mercado em geral e R$ 3,78 entre os campeões de acertos.

Relação Déficit Primário/PIB

O Focus apresentou ainda uma leve alteração nas projeções para o resultado primário do governo em 2019. A relação entre o déficit primário e o Produto Interno Bruto (PIB) este ano foi de 1,35% para 1,37%. No caso de 2020, permaneceu em 0,70%. Há um mês, os porcentuais estavam em 1,40% e 0,64%, respectivamente.

Já a relação entre déficit nominal e PIB em 2019 passou de 6,30% para 6,33%, conforme as projeções dos economistas do mercado financeiro. Para 2020, seguiu em 5,95%. Há quatro semanas, estas relações estavam em 6,35% e 5,95%, nesta ordem.

O resultado primário reflete o saldo entre receitas e despesas do governo, antes do pagamento dos juros da dívida pública. Já o resultado nominal reflete o saldo já após as despesas com juros.

*Com Estadão Conteúdo.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente
Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

ACIONISTAS FELIZES

‘Sextou’ com dividendos: Raia Drogasil (RADL3) e MRS Logística (MRSA3B) anunciam R$ 201 milhões em proventos

Ambas as companhias detalharam o valor por ação, a data de corte para receber os proventos e quando o dinheiro deverá cair na conta dos acionistas

FECHAMENTO DA SEMANA

Em semana de alta volatilidade, Ibovespa pega carona com PEC dos precatórios e sobe 2,78%; dólar também avança, mas juros passam por alívio

Variante ômicron, PEC dos precatórios e o futuro da política monetária americana dominaram a semana do Ibovespa

Evergrande vende parte de suas ações de empresa de tecnologia e obtém US$ 145 mi

O grupo chinês da Evergrande levantou cerca de US$ 145 milhões nos últimos dias com a venda de parte de suas ações em uma produtora de filmes e empresa de mídia na internet, a HengTen Networks. Assim, a gigante imobiliária vendeu cerca de 5,7% das ações da HengTen Networks e junta mais dinheiro à medida […]

Aperto monetário

Copom deve elevar Selic para 9,25% ao ano na próxima semana, aposta JP Morgan

Para o banco, a queda de 0,1% do PIB do terceiro trimestre e o avanço da PEC dos precatórios no Congresso fizeram com que as estimativas convergissem para a manutenção do ritmo de alta de 1,5 ponto

Intervenção estatal

Sob risco de novo calote, governo chinês envia ‘socorro administrativo’ para Evergrande

O movimento ocorre após a gigante imobiliária alertar que corria o risco de não cumprir mais uma grande obrigação financeira