Menu
2019-10-14T14:11:00-03:00
Estadão Conteúdo
Pessimismo

Bradesco reduz previsão de alta do PIB de 1,1% para 0,8%

Após o resultado do PIB do primeiro trimestre, o Bradesco cortou suas projeções para o crescimento da economia em 2019, passando a prever uma expansão de menos de 1% no ano

8 de junho de 2019
15:30 - atualizado às 14:11
Gráfico indicando queda
O Bradesco agora prevê um crescimento de menos de 1% para a economia brasileira em 2019 - Imagem: Shutterstock

O Bradesco reduziu novamente a projeção para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2019 e é mais uma instituição a estimar que o PIB deve ficar abaixo de 1%. A estimativa caiu de 1,1% para 0,8%. Para 2020, a previsão foi mantida em 2,2%.

O banco informou, em relatório, que a projeção para o PIB pode ser alterada em função de eventuais estímulos específicos ao consumo, como a liberação do FGTS e PIS/Pasep, além de surpresas com o próprio calendário de tramitação da reforma da Previdência.

"A confirmação de queda de 0,2% do PIB no primeiro trimestre e os recentes indicadores de atividade sugerem uma transição ainda moderada para o segundo trimestre", diz o banco, que cita também a queda da confiança de empresários e consumidores em maio a uma deterioração do crescimento global.

Essa evolução mais contida da atividade deve deter pressões inflacionárias por um período mais prolongado, diz o banco. Para os núcleos no IPCA, o Bradesco projeta alta de 3,0% em 2019 e 3,3% em 2020. Além disso, a instituição também passou a projetar bandeira verde no fim do ano, o que dá impacto de baixa de 0,10 ponto porcentual sobre o IPCA.

O banco ainda avalia que as menores cotações de câmbio e de petróleo removem uma pressão altista que se observava nos últimos meses. "Por fim, vale destacar que nossas projeções incorporam uma expectativa de impacto da febre suína de 0,42 ponto, na soma de 2019 e 2020.".

Esse novo cenário reforça a aposta do banco em corte da Selic neste ano. O Bradesco estima que a Selic vai terminar 2019 em 5,75%, de 6,5% atualmente. Segundo a instituição, essa projeção deve ajudar a produzir uma aceleração de PIB e de inflação em 2019 e 2020.

"Um exercício interessante seria, por exemplo, simular um cenário em que a redução de juros não ocorre: nesse caso, teríamos um PIB mais fraco, e uma inflação menor", afirma. Conforme exercício do Bradesco, em um cenário que não há corte de juros, a inflação encerraria 2020 em 3,5%, abaixo do centro da meta de 4,0%.

O Boletim Focus do Banco Central desta semana reduziu pela 14.ª vez consecutiva a previsão de alta do PIB, que passou de 1,23% para 1,13%.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

fique de olho

Itaú anuncia pagamento de juros sobre capital próprio

Serão R$ 0,05648 por ação, com retenção de 15% de imposto de renda na fonte; pagamento é uma antecipação aos aos dividendos e JPC do resultado de 2021

mudanças na estatal

Conselheiro recém-eleito da Petrobras renuncia

Marcelo Gasparino da Silva foi eleito no último dia 12; executivo indica medida como “irrevogável”

seu dinheiro na sua noite

B3 Fashion Week

A semana de moda da bolsa brasileira está pegando fogo! Flashes por todos os lados, comentários entusiasmados, queixos caídos a cada novo desfile. As grandes marcas não pouparam esforços para a coleção outono/inverno — e, como era de se esperar, um intenso burburinho toma conta dos bastidores. Essa sexta-feira foi particularmente animada, com a Renner […]

Moradia classe A

Pandemia, juros baixos e dólar caro: combo impulsiona o mercado de imóveis de luxo

Uma combinação que prejudicou boa parte das empresas brasileiras acabou beneficiando o segmento imobiliário de alto padrão

fechamento da semana

Brasília impede Ibovespa de decolar, mas saldo da semana ainda é positivo; dólar vai a R$ 5,58

No Brasil, o que garantiu um bom desempenho do Ibovespa foi a alta das commodities e a recuperação econômica de Estados Unidos e China.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies