🔴 AÇÃO QUE JÁ DISPAROU 1.200% E AINDA ESTÁ BARATA – VEJA QUAL

Paulo Guedes, você não pode sair mais cedo

O ministro é um artista da palavra. Faz proeza com sujeito e predicado. Nesta semana, ele deve demonstrar essa habilidade a espectadores com característica similar – deputados e senadores possivelmente menos afiados

26 de março de 2019
8:46 - atualizado às 12:12
Paulo Guedes
O ministro da Economia, Paulo Guedes - Imagem: Valter Campanato/Agência Brasil

“Ele me chamou e disse para passar no RH porque aqui não é possível pedir para ir embora. Como é isso? Eu precisava sair. Fui advertido. Aqui, ele disse, quem quer sair mais cedo é DE-MI-TI-DO e você me diz para ficar calmo? Não vou ficar. Eu quero explodir.”

Prendi a respiração e fiquei calada.

Tentei disfarçar a curiosidade, mas fui traída pelo meu olhar desavisado que buscava um risco na cena: a faca!

A frase dita em voz alta, carregada de intenções e desprovida de paciência, poderia ter sido pronunciada pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, nesses dias nervosos, só que não.

Quem bradou foi um homem de gestos contidos, a um possível amigo com quem dividia a mesa do almoço pertinho da minha, no restaurante aqui ao lado.

Mas não pense você que o ministro Paulo Guedes fica para trás. O ministro é um artista da palavra. Faz proeza com sujeito e predicado.

Nesta semana, ele deve demonstrar essa habilidade a espectadores com característica similar – deputados e senadores possivelmente menos afiados.

Nesta terça-feira, Guedes era esperado para falar à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, primeira fase de discussão da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) da reforma da Previdência. O ministro informou, no início da manhã, que não vai à reunião. Para o seu lugar, enviará técnicos do ministério da Economia, um balde de água fria para os mercados. 

A CCJ é a porta de entrada do Congresso Nacional. Os seus integrantes avaliam a “admissibilidade” de propostas e projetos. Neste momento, o principal tema que está na comissão é a reforma das aposentadorias.

Amanhã, quarta-feira, o ministro falará à Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) e Comissão de Direitos Humanos (CDH) do Senado que estarão reunidos para ouvi-lo sobre dívida de governos estaduais, repasses da Lei Kandir e diretrizes prioritárias do Ministério que comanda.

“As principais lideranças políticas vão superar eventuais problemas de comunicação. É natural com todo mundo. O presidente que está chegando fala ‘não quero dançar de rosto colado’, mas o par que está com ele tem que dizer: ‘tudo bem, mas temos que dançar junto’. Nós vamos ter que conversar sobre isso”, disse o ministro a prefeitos reunidos ontem durante encontro da Frente Nacional de Prefeitos, em Brasília.

A abordagem no mesmo sentido feita pelo presidente Bolsonaro há poucos dias, indicando que seu par era o deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), provocou chuva e trovoada. Guedes, porém, se fez entender e acabou demonstrado uma situação ridícula que poderia ter sido evitada pelos presidentes de dois poderes da República.

O ministro da Economia se diz confiante na aprovação da reforma da Previdência pelo Congresso. E afirmou que na hora de botar o “votinho na reforma”, ele acredita que todos estarão a favor porque a reforma interessa a todos: prefeituras, governos estaduais, à União e aos cidadãos.

Hábil no uso da palavra, Paulo Guedes lembrou que, sem a reforma, a primeira coisa que vai acontecer é a interrupção do pagamento dos salários e o primeiro a ser atingido será o servidor público.

Apoiado, pero no mucho

Apesar do empenho do ministro, decisivo para estancar a queda do Ibovespa e a alta do dólar nesta segunda-feira, líderes de vários partidos que compõem o chamado “centrão” devem realizar um ato na Câmara dos Deputados, nesta terça, para declarar apoio à reforma da Previdência, mas com veto às mudanças na aposentadoria rural e no pagamento de benefícios para idosos mais pobres. Esse benefício é conhecido como BPC.

A manifestação articulada pelos líderes do DEM, MDB, PSD, PP, PR e PRB na Câmara é uma demonstração de apoio ao presidente da Casa, Rodrigo Maia.

As relações entre os presidentes da República e da Câmara que pareciam estar apaziguadas ao longo do dia, ontem no início da noite voltaram a encrespar e, novamente, em função de tuítes de Carlos Bolsonaro, vereador e filho do presidente.

Em seu perfil no Twitter, Carlos Bolsonaro disse que "as pessoas que querem Bolsonaro longe das redes sociais sabem que é isso que o conecta com o povo, já que não tem mídia a seu favor. Foi isso que garantiu sua eleição, inclusive. Em outras palavras, o querem fraco e sem apoio popular pois assim conseguiriam chantageá-lo".

Na sexta-feira, Rodrigo Maia disse que o presidente Bolsonaro precisa ter "mais tempo para a reforma da Previdência" e menos tempo para rede social.

Para bom entendedor....

Compartilhe

SEGREDOS DA BOLSA

Esquenta dos mercados: Bolsas estrangeiras iniciam semana no azul, mas ruídos políticos locais seguem causando interferência

18 de julho de 2022 - 6:32

Bolsas sobem lá fora com expectativa de bons resultados trimestrais; no Brasil, partidos se preparam para convenções

VITÓRIA PARA O GOVERNO

Câmara aprova ‘PEC Kamikaze’ em 2º turno após manobras de Lira e uma visita da Polícia Federal; veja os próximos passos da proposta

13 de julho de 2022 - 19:07

O deputado prometeu que quem faltasse na votação ganharia uma falta administrativa e lançou mão de outras manobras para garantir o quórum

LDO 2023

Caiu e passou: Congresso aprova Lei das Diretrizes Orçamentárias sem emendas impositivas de relator; texto vai à sanção presidencial

12 de julho de 2022 - 17:28

O senador Marcos do Val (Podemos-ES) retirou do texto a execução obrigatória das emendas de relator, identificadas como RP 9

ACERTO DE CONTAS

Com teto do ICMS em 17% sobre energia e combustíveis, Câmara propõe compensar arrecadação dos estados; entenda se será suficiente

25 de maio de 2022 - 7:21

A proposta acontece em meio a embates do governo federal contra os estados pela arrecadação do ICMS

Privatização à vista?

Novo ministro de Minas e Energia quer privatizar a Petrobras (PETR4), mas presidente do Senado afirma que as negociações não estão na mesa

12 de maio de 2022 - 14:06

Pacheco avaliou que a desestatização da empresa não é uma solução de curto prazo para o problema da alta dos combustíveis

FOCO NO CENTRO

Com Lula ou Bolsonaro na Presidência, o próximo Congresso será de centro-direita e reformista, diz Arthur Lira

10 de maio de 2022 - 15:04

Em evento em Nova York, presidente da Câmara volta a defender a confiabilidade do sistema eleitoral brasileiro e as reformas no país

ATÉ 2023

Alívio no bolso vem aí? Conheça a PEC que pode zerar impostos sobre combustíveis e gás

3 de fevereiro de 2022 - 20:42

A matéria dispensa o cumprimento da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), que exige que o governo compense a perda de arrecadação ao cortar impostos com a elevação de outros

RAIO-X DO ORÇAMENTO

Fundo eleitoral, emendas do relator e reajuste dos servidores: 3 pontos do Orçamento para 2022 que mexem com a bolsa esta semana

22 de janeiro de 2022 - 14:45

Entre emendas parlamentares superavitárias e reajuste dos policiais federais, o Orçamento deve ser publicado no Diário Oficial na segunda-feira (24)

PEC DOS COMBUSTÍVEIS

Tesouro pode perder até R$ 240 bilhões com PEC dos Combustíveis e inflação pode ir para 1% — mas gasolina ficará só R$ 0,20 mais barata; confira análise

22 de janeiro de 2022 - 10:58

Se todos os estados aderirem à desoneração, a perda seria de cifras bilionárias aos cofres públicos, de acordo com a XP Investimentos

DE OLHO NAS DÍVIDAS JUDICIAIS

Além do furo no teto: como a PEC dos precatórios afeta os credores, mas abre uma grande oportunidade de investimento

20 de janeiro de 2022 - 7:03

Com a regra fiscal ameaçada, o motivo inicial para a criação da emenda acabou sendo relegado a segundo plano, mas seus desdobramentos podem beneficiar os investimentos alternativos

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar