';

IPCA + 7,5%: receba esta e outras ofertas ‘premium’ de renda fixa no WhatsApp; clique aqui

Cotações por TradingView
2019-04-04T14:50:36-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
No Seu Dinheiro você encontra as melhores dicas, notícias e análises de investimentos para a pessoa física. Nossos jornalistas mergulham nos fatos e dizem o que acham que você deve (e não deve) fazer para multiplicar seu patrimônio. E claro, sem nada daquele economês que ninguém mais aguenta.
Obstáculo grande

‘Miniconstituinte’ econômica de Paulo Guedes esbarra em articulação política

Ministro da Economia já sinalizou ter pelo menos cinco propostas de emendas à Constituição (PECs) engatilhadas

17 de março de 2019
9:30 - atualizado às 14:50
Paulo Guedes
Governo pode não ter força política para aprovar todos os projetos de Guedes - Imagem: Wilton Junior/Estadão Conteúdo

Com pelo menos cinco propostas de emendas à Constituição (PECs) engatilhadas, o ministro da Economia, Paulo Guedes, está lançando uma 'miniconstituinte' para reformular as estruturas econômicas do País em várias frentes. Especialistas alertam, no entanto, que o governo de Jair Bolsonaro pode não ter a força política necessária para empurrar tantas alterações em um curto período.

Além da reforma da Previdência já enviada à Câmara dos Deputados, Guedes adiantou, em entrevista ao Estadão/Broadcast, plataforma de notícias em tempo real do Grupo Estado, que uma PEC pela desvinculação total do Orçamento federal - apelidada por Novo Pacto Federativo - seguiria ao mesmo tempo em tramitação pelo Senado. A pressão de governadores e parlamentares, no entanto, levou o ministro a reconhecer que o envio da proposta pode ficar para mais tarde.

Enquanto isso, o secretário especial de Previdência e Trabalho da pasta, Rogério Marinho, prepara outra emenda para permitir que os trabalhadores tenham liberdade para escolher seus sindicatos. As emendas seguintes ficam por conta de dois temas quase onipresentes nas palestras e entrevistas de Guedes: a prometida "carteira de trabalho verde e amarela" para os jovens e a reforma tributária com desoneração total da folha de pagamento.

Elefante

Embora todas as emendas tratem de promessas de campanha do presidente Bolsonaro, o "emendamento" em série da Constituição na seara da economia não encontra paralelo nos 30 anos da Carta Magna, completados em outubro do ano passado. Um integrante do próprio governo disse à reportagem que o desafio imposto por Guedes à equipe econômica é equivalente ao de "passar um elefante por uma porta".

O recorde de PECs promulgadas ocorreu em 2014, quando oito emendas foram aprovadas pelo Parlamento. Naquele ano, porém, apenas duas emendas tratavam de temas econômicos - e de menor repercussão, sem alterações profundas na estrutura do Estado ou do ambiente de negócios. A última mudança constitucional significativa para a economia foi a que criou o teto de gastos para a União, lançada pelo governo Michel Temer e promulgada em dezembro de 2016.

A professora de Direito da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Vanessa Berner, chama atenção para os limites que a própria Constituição coloca para o "poder constituinte derivado" detido pelo Parlamento. Para que uma emenda constitucional seja aprovada, são necessários três quintos de votos favoráveis em dois turnos de votação, tanto no plenário da Câmara (308 votos) quanto no do Senado (49 votos).

Estado da lei

"A Constituição de 1988 é rígida, ou seja, um texto que só pode ser reformado de maneira mais complicada do que uma alteração de lei ordinária", afirma ela. "Isso tem o objetivo de dar mais segurança jurídica ao Estado brasileiro e também serve para dificultar que garantias de direitos possam ser alteradas pelo Parlamento. Por isso, essa quantidade de propostas de emendas é um mau sinal."

Ainda assim, a professora lembra que a Constituição já foi bastante alterada nas últimas décadas. "É natural que haja modernizações do texto e a própria interpretação do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre alguns pontos também mude ao longo do tempo", afirma. "O importante é que essas alterações tenham participação popular e passem por um amplo debate com a sociedade - o que parece não ser o caso atual."

Não é uma questão de número

Não é comum que um governo, mesmo popular, se exponha com o lançamento de cinco Propostas de Emenda Constitucional (PECs) complexas, num período tão curto. A opinião é do ex-procurador geral do Estado de São Paulo e professor da Faculdade de Direito da USP, Elival da Silva Ramos.

Para ele, o volume de mudanças pode fazer com que o governo perca o impulso natural dado pelas urnas no início de governo. "Nem (o ex-presidente) Fernando Henrique Cardoso, com uma ampla base formada pelo DEM (ex-PFL) e MDB, e nem (o ex-presidente) Lula, com PT e MDB, enxergaram espaço para tantas PECs", diz. "A base de Bolsonaro é menos organizada do que essas anteriores."

Além disso, o constitucionalista considera que as emendas econômicas de governos anteriores tinham consenso maior no mundo político, algo que, dessa vez, apenas a reforma da Previdência parece ter. "O (ministro da Casa Civil) Onyx Lorenzoni, até agora, não passou a imagem de ser um grande coordenador político", diz.

Para ele, ainda o problema não é o número de PECs, mas o fato de serem todas muito complexas. "O governo teria que ser uma máquina para aprovar tudo e ter pelo menos 60% de 'fiéis' no parlamento", diz.

Ramos também critica a estratégia de Guedes ao lançar reformas duras de maneira concomitante, sem o anúncio de medidas compensatórias.

"No Equador, uma reforma econômica antipática foi aprovada enquanto a língua indígena local passava a ser a língua oficial. Foi uma medida barata, que acalmou um pouco a sociedade", afirma. "O governo deveria estabelecer prioridades e planejar um cronograma de quatro anos para as reformas e não iniciar várias frentes de debate ao mesmo tempo."

*Com o jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

O QUE É ISSO, UM LIVRO?

Bilionário indiano rebate acusações de fraude após Adani Group perder US$ 72 bilhões em valor de mercado

30 de janeiro de 2023 - 14:05

Gautam Adani publicou um documento de 413 páginas refutando as alegações da Hindenburg Research de fraude contábil e lavagem de dinheiro

DESTAQUES DA BOLSA

CVC (CVCB3) despenca na B3 e lidera quedas do Ibovespa hoje — o que está por trás da queda?

30 de janeiro de 2023 - 13:48

A companhia subiu forte na semana passada, mas a correção das cotações não é o único fator por trás do desempenho negativo hoje

MAIOR QUE O ANUNCIADO

Refez as contas: Philips (re)anuncia corte no quadro de funcionários após prejuízo bilionário

30 de janeiro de 2023 - 13:02

A empresa holandesa informou que as demissões devem se concentrar nos Estados Unidos e na Holanda

Novidade para o futuro

De olho na aposentadoria, título Tesouro RendA+ estreia pagando mais de 6% acima da inflação; simulador está fora do ar

30 de janeiro de 2023 - 12:04

Nova linha de títulos do Tesouro tem como meta complementar a aposentadoria e estreia com oito datas de vencimento diferentes

PASSA NO BITCOIN

Binance se une com Mastercard e replica cartão pré-pago lançado na Argentina ano passado para o Brasil

30 de janeiro de 2023 - 11:05

Segundo números mais recentes, a bandeira Mastercard é aceita em 90 milhões de estabelecimentos em todo o mundo — e, no Brasil, os clientes querem usar mais cripto

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies