Menu
2019-08-20T17:33:21-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Sem sinal

Oi perde quase metade do valor na bolsa em apenas quatro dias

Com mais de 37,5 milhões de clientes no país, Oi passa a ser avaliada em apenas R$ 4,4 bilhões na B3; só hoje, as ações ordinárias da operadora registraram uma desvalorização de 27%, cotadas a R$ 0,73

20 de agosto de 2019
16:00 - atualizado às 17:33
Imagem do prédio da operadora Oi
Imagem do prédio da operadora Oi, no bairro de Botafogo, na zona sul do Rio de Janeiro. - Imagem: Estadão Conteúdo/Paulo Vitor

Em uma deterioração poucas vezes vista na bolsa, a operadora de telefonia Oi perdeu quase metade do valor de mercado em um intervalo de apenas quatro pregões na bolsa.

Só hoje, as ações ordinárias (OIBR3) registraram uma desvalorização de 27%, cotadas a R$ 0,73. Leia também nossa cobertura completa de mercados hoje.

O primeiro gatilho para as vendas maciças dos papéis da Oi ocorreu logo após a divulgação do balanço do segundo trimestre, que ocorreu na última quarta-feira após o fechamento da bolsa.

Com mais de 37,5 milhões de clientes no país, a operadora registrou prejuízo de R$ 1,559 bilhão, 24% maior do que no mesmo período de 2018. Além do prejuízo, a companhia apresentou um salto de 24% na dívida líquida e uma redução de 31,5% no caixa disponível em apenas um trimestre.

Enquanto o mercado ainda tentava digerir os números ruins, surgiu a notícia de que a Anatel poderia tomar a concessão de telefonia fixa da Oi e intervir na companhia.

Com uma possível intervenção, acaba o que talvez seja o grande trunfo para os acionistas da companhia: o ganho com a venda de operações, em particular a de telefonia móvel.

A agência reguladora divulgou nota negando a informação, mas não afastou os temores de que a notícia acabe se tornando uma profecia autorrealizável.

A rápida perda de valor na bolsa também destampou a panela das disputas pelo poder na empresa. A gestora GoldenTree, que detém 14,57% de participação da Oi, enviou uma carta ao conselho de administração na qual pede a troca do presidente executivo da companhia, Eurico Teles.

Tem saída?

Com a forte queda das ações de hoje, a Oi acumula uma perda de R$ 4,2 bilhões na bolsa desde a quarta feira passada e passa a ser avaliada em apenas R$ 4,4 bilhões.

A rápida deterioração coloca mais pressão no processo de venda de ativos, o que por outro lado coloca o poder de barganha do lado dos potenciais interessados. A TIM, eterna noiva da companhia, não teria interesse em uma fusão neste momento. Um fôlego extra poderia vir de uma linha de crédito emergencial, mas o fato de a empresa já ter dado calote nos bancos ao entrar em recuperação judicial pesa bastante contra.

A crise na operadora, contudo, pode ajudar a destravar o Projeto de Lei da Câmara (PLC) 79/2016, que cria um novo marco das telecomunicações no Brasil e tem a Oi como principal beneficiada. Esse é outro fator considerado vital para a sobrevivência da operadora, o caso de maior fracasso entre as "campeãs nacionais" que foram gestadas nos governos petistas.

Seja como for, a empresa parece ter entrado naquele típico momento binário, em que as coisas podem dar muito certo ou caminhar para um irremediável e amargo final. E você, se arrisca a cravar um destino para a Oi? Deixe seu comentário logo abaixo.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Mercados hoje

Dólar vai a R$ 5,73 e Ibovespa tem queda de 2% com aversão ao risco no exterior e Copom no radar

O avanço da covid-19 no exterior mina qualquer chance de recuperação dos mercados internacionais. A agenda doméstica cheia também pressiona os negócios

Disputa parece longe do fim

Ser Educacional não desiste e recorre de decisão que invalida acordo com Laureate

A companhia afirma se manter certa de seus direitos e diz que tomará todas as medidas cabíves para manter o acordo inicial válido

ATENÇÃO, ACIONISTA

Petrobras altera política de remuneração para pagar dividendos mesmo em caso de prejuízo

Administração poderá propor o repasse de proventos, mesmo sem a apuração de lucro, caso se verificar redução da dívida líquida nos 12 meses anteriores

Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

11 notícias para começar o dia bem informado

Começo esta newsletter sem delongas: fique ligado hoje no Seu Dinheiro, pois será um dia importante para os mercados. Os investidores aguardam com expectativa números que serão conhecidos após o fechamento do pregão. Estou falando da decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) sobre a taxa básica de juros, a Selic, e também dos balanços de […]

esquenta dos mercados

Dia cheio: Coronavírus, eleições, Copom e balanços dão o tom (cauteloso) dos mercados

A agenda pesada e as preocupações com a possibilidade de novos lockdowns pela Europa faz a aversão ao risco predominar nos mercados

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies