Menu
2019-10-11T09:04:07-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Segue o jogo

EUA afirmam que continuam apoiando ingresso do Brasil na OCDE

Confirmação oficial veio depois de notícias dando conta de que EUA deixariam de dar apoio ao Brasil, após indicarem Argentina e Romênia para o bloco

10 de outubro de 2019
17:50 - atualizado às 9:04
19/03/2019 Declaração à imprensa
(Washington, DC - EUA, 19/03/2019) Presidente dos Estados Unidos cumprimenta o Presidente Jair Bolsonaro. - Imagem: Alan Santos/PR

Os Estados Unidos disseram manter o apoio à entrada do Brasil na Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), mas não se pronunciaram sobre o prazo no qual o apoio formal ao processo de entrada do País deve acontecer.

A manifestação aconteceu depois de a agência de notícias 'Bloomberg' revelar carta na qual o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, se posiciona a favor da entrada da Argentina e da Romênia no grupo, sem citar o Brasil.

Um porta-voz da área de assuntos do Hemisfério Ocidental do Departamento de Estado afirmou que os EUA "continuam a manter a declaração" de 19 de março, quando o presidente Donald Trump "afirmou claramente o apoio ao Brasil para iniciar o processo e se tornar um membro pleno da OCDE".

Pompeo também afirmou que a carta "não representa de forma precisa a posição dos EUA a respeito da expansão da OCDE". "Somos apoiadores entusiasmados da entrada do Brasil", escreveu Pompeo, que disse ainda que os EUA "farão esforços para apoiar o acesso" do País à OCDE.

Tanto o governo americano quanto diplomatas brasileiros afirmaram que o processo do Brasil é recente, está atrás da fila de outros países com os quais os EUA já tinham se comprometido, e o processo do País segue. O comprometimento de Trump com a candidatura da Argentina aconteceu em agosto de 2017, com a visita de Maurício Macri - com quem o americano mantém bom relacionamento - à Casa Branca.

Segue o jogo

No final da tarde desta quinta-feira (11), a embaixada dos EUA divulgou nota reafirmando que a declaração conjunta assinada em março pelos presidentes Jair Bolsonaro e Trump está mantida.

Às 21h do mesmo dia (pelo horário de Brasília), foi a vez do próprio Trump comentar o assunto. Em sua conta no Twitter, ele afirmou que a declaração conjunta divulgada em março deixava "absolutamente claro" que ele apoia o início do processo de entrada do Brasil na OCDE. Trump ainda chama de "fake news" o texto da Bloomberg.

Entenda

Em 19 de março, Trump afirmou, em reunião com Bolsonaro, nos EUA, que estava apoiando a entrada do Brasil na organização, que reúne países desenvolvidos e em desenvolvimentos que partilham de uma série de políticas e padrões econômicos comuns. Fazer parte da OCDE pode ser encarado com um selo de qualidade internacional.

Em 23 maio, esse apoio dos EUA ao ingresso do Brasil foi formalizado, mas já no começo de maio tinha surgido essa questão sobre o número de vagas. 

Em sua live semanal, Bolsonaro disse que a entrada do país na OCDE não depende apenas de Trump, que Argentina e Romênia estavam na frente na fila e que dentro de um ano ou pouco mais o país fará parte do grupo.

Concessões

Desde que se aproximou dos EUA, o governo Bolsonaro vem fazendo concessões ao país em troca do apoio à adesão brasileira à OCDE. Em março, durante a visita em que Trump prometeu o apoio pela primeira vez, o Brasil acabou com a exigência de visto para que norte-americanos entrem no País.

A ação foi unilateral, ou seja, os EUA continuaram exigindo vistos de brasileiros, o que é incomum na diplomacia.

Em setembro, o governo brasileiro concordou em elevar a cota de importação de etanol beneficiando norte-americanos. A decisão foi entendida como contrapartida do Brasil para que os EUA abrissem mercado para o açúcar nacional, mas nada nesse sentido foi anunciado.

O Brasil também prometeu renunciar a tratamentos especiais de país em desenvolvimento em negociações com a Organização Mundial do Comércio (OMC), etapa necessária à adesão.

*Com informações do jornal O Estado de S. Paulo e Estadão Conteúdo 

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Setor em destaque

Estatais de saneamento querem flexibilizar regras para contratar empréstimos

Com regras mais fáceis para a entrada do setor privado, as estatais de saneamento querem que a concessão de empréstimos ao segmento seja menos rigorosa

Preocupação ambiental

Para empresários, discurso do governo sobre desmatamento mudou

Após reunião com o vice-presidente Hamilton Mourão, empresários parecem satisfeitos quanto aos compromissos firmados pelo governo a respeito do desmatamento

O melhor do Seu Dinheiro

MAIS LIDAS: O canto da sereia

Uma matéria alertando para os riscos do day trade foi a mais lida desta semana no Seu Dinheiro

Bilionários

Com a disparada das ações da Tesla, Elon Musk já é mais rico que Warren Buffett

A boa fase da Tesla na bolsa fez a riqueza pessoal de Elon Musk disparar, colocando-o no sétimo lugar do ranking de bilionários da Bloomberg; Warren Buffet é o 10º

Seu mentor de investimentos

Expansão do mercado: crescer para os lados é a solução

Expansão do mercado deve ocorrer de maneira horizontal através de IPOs, o que evitará inevitáveis bolhas e seus respectivos crashes.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements