Menu
2020-12-01T09:38:32-03:00
Estadão Conteúdo
Otimismo limitado

OCDE melhora projeção para o PIB do Brasil em 2020, mas piora para 2021

Pelos cálculos da entidade que tem sede em Paris, o Produto Interno Bruto (PIB) doméstico terá uma retração de 6,0% este ano

1 de dezembro de 2020
9:38
pib queda
Imagem: Shutterstock

A Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) melhorou nesta terça-feira, 1º de dezembro, sua projeção para o desempenho da economia brasileira em 2020, mas previu que a retomada no ano que vem será menos robusta do que o imaginado há três meses.

Pelos cálculos da entidade que tem sede em Paris, o Produto Interno Bruto (PIB) doméstico terá uma retração de 6,0% este ano, mais suave do que a estimativa de queda de 6,5% apresentada em setembro. Para 2021, a previsão é a de que a atividade brasileira se expanda 2,6%, menos do que a alta de 3,6% prevista em setembro.

As atualizações dos números fazem parte do relatório Economic Outlook preliminar de dezembro, divulgado nesta terça pelo organismo multilateral. A instituição apresentou suas estimativas para a economia global e costuma dar ênfase para os seus membros.

O Brasil pleiteia uma vaga na OCDE, mas ainda não faz parte da Organização. Há anos, no entanto, é considerado um país-chave pela instituição, que costuma dar espaço para análises sobre o Brasil.

Em junho, a OCDE chegou a prever que o PIB brasileiro poderia cair até 9,1% este ano.

Cenário global

A OCDE, que tem sede em Paris, previu também que o PIB global terá em 2020 uma contração menor do que a estimada em setembro, mas também reduziu a projeção para a alta da atividade em 2021. A perspectiva, de acordo com o organismo multilateral, dependerá do processo de vacinação contra a covid-19.

"Atrasos na implementação da vacinação, dificuldades em controlar novos surtos do vírus e falhas em aprender as lições da primeira onda enfraqueceriam as perspectivas", ressalta a ODCE.

Em seu mais recente relatório sobre a economia global, a OCDE agora espera que o PIB mundial sofra retração de 4,2% este ano. Em setembro, a projeção era de queda de 4,5%. Para 2021, a entidade reduziu a previsão de crescimento da atividade no mundo, de 5% para 4,2%.

No caso dos EUA, a previsão para 2020 melhorou de -3,8% para -3,7%. Em relação à zona do euro, a estimativa passou de -7,9% para -7,5%. A previsão de crescimento de 1,8% do PIB da China este ano foi mantida.

"Com a perspectiva de vacinas e um melhor gerenciamento do vírus, o quadro para a economia global parece melhor, mas a situação continua precária, especialmente para os trabalhadores menos qualificados e para pequenas empresas em dificuldades", aponta o economista-chefe da OCDE, Laurence Boone.

Dentre os países emergentes, a projeção para a queda do PIB da Índia em 2020 melhorou de 10,2% para 9,9%, enquanto a estimativa para o PIB da África do Sul este ano passou de -11,5% para -8,1%.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

fique de olho

Itaú anuncia pagamento de juros sobre capital próprio

Serão R$ 0,05648 por ação, com retenção de 15% de imposto de renda na fonte; pagamento é uma antecipação aos aos dividendos e JPC do resultado de 2021

mudanças na estatal

Conselheiro recém-eleito da Petrobras renuncia

Marcelo Gasparino da Silva foi eleito no último dia 12; executivo indica medida como “irrevogável”

seu dinheiro na sua noite

B3 Fashion Week

A semana de moda da bolsa brasileira está pegando fogo! Flashes por todos os lados, comentários entusiasmados, queixos caídos a cada novo desfile. As grandes marcas não pouparam esforços para a coleção outono/inverno — e, como era de se esperar, um intenso burburinho toma conta dos bastidores. Essa sexta-feira foi particularmente animada, com a Renner […]

Moradia classe A

Pandemia, juros baixos e dólar caro: combo impulsiona o mercado de imóveis de luxo

Uma combinação que prejudicou boa parte das empresas brasileiras acabou beneficiando o segmento imobiliário de alto padrão

fechamento da semana

Brasília impede Ibovespa de decolar, mas saldo da semana ainda é positivo; dólar vai a R$ 5,58

No Brasil, o que garantiu um bom desempenho do Ibovespa foi a alta das commodities e a recuperação econômica de Estados Unidos e China.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies