Menu
2019-05-08T10:38:38+00:00
bolsonaro e trump

Governo diz que acordo sobre OCDE está mantido

Segundo o assessor especial para assuntos internacionais do governo, “há um impasse sobre o número de vagas a serem abertas na organização”

8 de maio de 2019
7:31 - atualizado às 10:38
O presidente eleito no Brasil, Jair Bolsonaro, e o presidente americano Donald Trump
O presidente eleito no Brasil, Jair Bolsonaro, e o presidente americano Donald Trump - Imagem: Montagem: Seu Dinheiro - Fotos: Shutterstock

Coube ao assessor especial para assuntos internacionais do governo Jair Bolsonaro, Filipe Martins, comentar nesta terça-feira, 07, publicamente a postura de diplomatas americanos que se mantiveram em silêncio na reunião da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), em Genebra, sobre o apoio do governo Donald Trump à adesão do Brasil à entidade. A informação sobre a postura dos americanos foi revelada pelo jornal Valor Econômico.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

"A posição do governo americano em relação ao ingresso do Brasil na OCDE é exatamente a mesma que foi adotada pelo Presidente Donald Trump no dia 19 de março: a de apoio claro e inequívoco ao início do processo de ingresso do nosso país na organização", escreveu Martins no Twitter. Segundo ele, "há um impasse sobre o número de vagas a serem abertas na organização, decisão que demandará consenso: enquanto países europeus desejam abrir 6 vagas, outros desejam abrir apenas 4, mas todos apoiam o acesso do Brasil".

O Broadcast procurou no final da noite os ministros Paulo Guedes (Economia) e Augusto Heleno (GSI), além da assessoria do Itamaraty, mas não houve retorno. Nas redes sociais, o presidente Jair Bolsonaro não mencionou o assunto até 23h40 da terça-feira tampouco o chanceler Ernesto Araújo ou o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), que é presidente da Comissão de Relações Exteriores da Câmara e acompanhou o pai na viagem em que o tema foi tratado com Donald Trump.

A oposição também usou as redes sociais para cobrar o governo brasileiro. "A subserviência de Bolsonaro a Trump agrada ao astrólogo ideólogo do governo morador dos EUA, mas não se traduz em nenhum ganho real para o País. Pelo contrário, já podem ser vislumbradas as perdas", escreveu o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), mencionando o escritor Olavo de Carvalho.

"Estados Unidos dão um chute no Brasil e não apoiam sua entrada na OCDE, mesmo depois do Brasil ter abdicado do tratamento diferenciado da OMC, complicando nosso comércio internacional. Até aonde vai o complexo de viralatismo do desgoverno Bolsonaro?", tuitou o deputado André Figueiredo (PDT-CE).

"EUA mantêm bloqueio na OCDE e não cumprem barganha com Brasil", postou o líder do PT na Câmara, deputado Paulo Pimenta (RS). "Belo acordo, capitão! Abrimos mão de vantagens comerciais que tínhamos na OMC a pedido do seu amigo @realDonaldTrump, que lhe retribuiu mantendo o bloqueio ao Brasil na OCDE. É isso que dá ser capacho de americano", ironizou o deputado Jorge Solla (PT-BA).

Os Estados Unidos se comprometeram a apoiar a candidatura do Brasil a membro da OCDE durante viagem oficial do presidente Jair Bolsonaro aquele país em março. O pleito brasileiro foi encampado pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, que vê a adesão ao chamado clube dos países ricos como um selo internacional de confiança no Brasil. "Estou apoiando o Brasil para entrar na OCDE", disse Trump no Salão Oval da Casa Branca, onde recebeu Bolsonaro no dia 19 de março.

O apoio formal dos EUA para a entrada do Brasil na OCDE é considerado crucial, mas veio com uma contrapartida. Em troca, o governo brasileiro concordou em "começar a renunciar" ao tratamento diferenciado dado pela Organização Mundial do Comércio (OMC) aos países em desenvolvimento. Para os EUA, isso ajudaria a abrir caminho para a reforma que o país propõe nas regras globais de trocas comerciais.

Após a reunião privada com Bolsonaro, o presidente americano confirmou o posicionamento à imprensa nos jardins da Casa Branca. "Nós vamos apoiar. Vamos ter uma boa relação em diferentes formas. Isso é algo que vamos fazer em honra ao presidente (Bolsonaro) e ao Brasil", disse Trump em março.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

O HOMEM MAIS RICO

Jeff Bezos: paciência para esperar o lucro da Amazon fez o maior bilionário do mundo

Como o empresário transformou uma pequena livraria online em uma das maiores varejistas do mundo e desbancou Bill Gates da lista da Forbes com uma fortuna estimada em US$ 148 bilhões.

Bandeira branca no radar?

EUA devem estender licença da chinesa Huawei para atender clientes do país

Movimento dos EUA pode ser visto como positivo para o fim da guerra comercial com a China já que a companhia foi um dos focos de tensões entre os gigantes

Governador de Minas

‘Governo entra em pautas minúsculas’, avalia Romeu Zema

Em entrevista, governador de MG nega que esteja sendo “tutelado” pelo partido Novo e avaliou que o presidente Jair Bolsonaro deveria “focar em coisas maiores, grandiosas”

Corrida contra o tempo

Tarifa de importação do Mercosul pode cair já em 2020

Com receio de que o grupo político da ex-presidente da Argentina Cristina Kirchner volte ao poder, o governo brasileiro tem pressa

Agora vai?

Governo enviará ao Congresso na próxima semana projeto para destravar privatização da Eletrobras

Proposta deve conter os mesmos itens que estavam na Medida Provisória 879, que não foi votada pela Câmara

Olha quem apareceu

Rede de varejo Le Biscuit, da Vinci Partners, estreia no comércio online

Entrada da empresa no mundo online ocorrerá em etapas e segue uma tendência mundial

Olha a oportunidade aí

Movimentos para ofertas de ações no 2º semestre aceleram

Reuniões com os bancos de investimento se intensificam e companhias começam a fechar acordos para levar as ofertas adiante

Eita!

Chefes da Receita Federal ameaçam entrega de cargos por interferência política

De acordo com apuração, seis subsecretários do órgão estão fechados nessa posição

À beira do abismo

Sob pressão financeira, Oi procura bancos para encontrar saída

Operadora precisa levantar R$ 2,5 bilhões, mas ainda não tem ideia de como fará essa captação de recursos

Batalha contra a desaceleração

China divulga reforma de juros para reduzir custo de financiamento de empresas

Movimento anunciado deve reduzir ainda mais as taxas de juros reais para as companhias do país

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements