Menu
2020-06-10T07:48:03-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
pessimismo global

Segunda onda de coronavírus pode derrubar PIB do Brasil em 9,1%, diz OCDE

Economia mundial deve sofrer uma violenta contração de 6% em 2020, mas queda pode chegar a 7,6% com segunda onda

10 de junho de 2020
7:45 - atualizado às 7:48
coronavírus covid-19 brasil
Imagem: Shutterstock

O Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil pode derreter 9,1%, se houver um segundo surto da covid-19 no país no último trimestre do ano, de acordo com a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). A entidade prevê uma baixa de 7,4% da economia brasileira.

“A economia estava finalmente se recuperando de uma longa recessão quando o surto de covid-19 atingiu o País, e agora, a previsão é que sofra uma recessão profunda”, diz um documento da entidade.

O OCDE lembra que as medidas locais de isolamento estão em vigor, mas a epidemia ainda se espalha rapidamente pelo País. O relatório apontou que o número declarado de infectados ultrapassou 500 mil no final de maio e que os óbitos aumentam rapidamente com uma curva ascendente das mortes diárias.

A capacidade das unidades de terapia intensiva (UTI) é avaliada em 15,6 leitos por 100 mil habitantes, mas há uma grave escassez, de acordo com a OCDE, em algumas regiões, incluindo o Norte e o Nordeste.

A organização afirma que o governo federal não tomou medidas coercitivas de isolamento, mas que elas foram introduzidas pelos governos estaduais e municipais desde o dia 20 de março, incluindo o fechamento de lojas, escolas e praias, além do cancelamento de eventos públicos.

Economia global

A economia mundial deve sofrer uma violenta contração de 6% em 2020, segundo relatório da OCDE. A entidade alerta que a queda do PIB global este ano pode ser ainda mais acentuada e chegar a 7,6% se houver uma segunda onda de infecções pela covid-19.

Para 2021, a OCDE projeta recuperação da economia global, com crescimento de 5,2%. Num cenário de segunda onda da pandemia, o avanço do PIB mundial se limitaria a 2,8%, acredita a entidade.

Para os EUA, a OCDE prevê contração econômica de 7,3% este ano e expansão de 4,1% no próximo. Na eventualidade de uma segunda onda do coronavírus, o PIB americano poderá encolher 8,5% em 2020, diz a OCDE.

No caso da China, a OCDE espera queda de 2,6% do PIB este ano e avanço de 6,8% em 2021. Na hipótese de uma segunda onda, a economia chinesa poderá afundar 3,7% em 2020, projeta a entidade.

Em relação à zona do euro, a OCDE prevê contração de 9,1% este ano - ou de 11,5%, com uma segunda onda - e crescimento de 6,5% em 2021.

Ainda no relatório, a OCDE projeta que o PIB do Reino Unido, que está em processo de separação da União Europeia, sofrerá um tombo de 11,5% este ano.

*Com informações de Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

BASTIDORES

Entrevista: Como Ruy Hungria conseguiu lucro de 1.250% com Petrobras no dia em que a ação despencou mais de 20%

quem investe em opções têm a chance de ganhar mesmo quando os mercados estão em baixa. Foi o que aconteceu com os seguidores do Ruy

Aqui não!

SEC suspende nos EUA negociação de papéis de 15 empresas por risco a investidores

Ação tem como alvo “aparentes tentativas de mídia social para inflar de modo artificial o preço de suas ações”, diz o órgão

PANDEMIA AVANÇA

Brasil registra 1.337 mortes em 24 horas; Estados anunciam restrições

Total de casos da doença é superior a 10 milhões; taxa de mortalidade do coronavírus é de 2,41% dos infectados

Fato relevante

Banco do Brasil desmente renúncia de André Brandão

Instituição financeira diz não ter conhecimento das fontes das notícias veiculadas

Ranking dos investimentos

Ativos de risco têm mais um mês negativo com tensões e Brasília e alta dos juros futuros nos EUA

Um misto de fatores locais e externos levou o Ibovespa a ter um dos piores desempenhos do mês e o dólar, o melhor. Ouro aparece na lanterna do ranking

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies