Menu
2020-09-16T08:08:57-03:00
Estadão Conteúdo
diante da retomada

OCDE reduz previsão de queda do PIB global em 2020, de 6% para 4,5%

Entidade não espera que uma vacina contra a covid-19 esteja amplamente disponível antes do fim do próximo ano

16 de setembro de 2020
8:08
crise recessão mundo
Imagem: Shutterstock

A China e outras grandes economias sofrerão danos menores do que se imaginava com a pandemia do novo coronavírus, segundo a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), mas a situação de emergência sanitária global terá um impacto maior nos países pobres.

A OCDE, que tem sede em Paris, previu nesta quarta-feira que o Produto Interno Bruto (PIB) global terá uma contração menor do que estimativa em junho, mas alertou que a recuperação deverá desacelerar a partir deste mês e continuar vulnerável a novos surtos de covid-19. A entidade não espera que uma vacina contra a doença esteja amplamente disponível antes do fim do próximo ano.

"O ímpeto parece estar atingindo o platô e a confiança permanece fraca", comentou Laurence Boone, economista-chefe da OCDE.

Em seu último relatório trimestral sobre a economia global, a OCDE agora espera que o PIB mundial sofra retração de 4,5% este ano. No documento anterior, a projeção era de queda de 6%.

No caso dos EUA, a previsão para 2020 melhorou de -7,3% em junho para -3,8%. Para a zona do euro, a estimativa foi de -9,1% para -7,9%. A revisão mais notável foi a da China, que passou de contração de 2,6% para crescimento de 1,8%.

A OCDE espera que os EUA recuperem as perdas deste ano em 2021, mas apenas se o Congresso americano fechar um novo acordo de estímulos fiscais com valor em torno de US$ 1,5 trilhão.

Por outro lado, países pobres deverão sofrer um golpe maior na produção do que se imaginava em junho, em função da continuidade da disseminação da covid-19 e por disporem de menos recursos para proteger empregos e negócios.

A OCDE prevê que a Índia, por exemplo, registrará contração de 10,2% em 2020. Há três meses, a estimativa era de queda de 3,7%. Recentemente, a Índia ultrapassou o Brasil em número de casos de coronavírus, com quase 4,7 milhões de infecções no último sábado (12), ficando atrás apenas dos EUA. A entidade também piorou sua estimativa para o PIB da África do Sul, de -7,5% para -11,5%.

Para 2021, a OCDE reduziu levemente sua expectativa de avanço da economia global, de 5,2% para 5%. No melhor dos cenários, com menos restrições ligadas à covid-19 e uma vacina mais próxima de se tornar realidade, a entidade acredita que o PIB mundial poderá crescer 7% no próximo ano.

Já em um quadro de medidas mais severas para conter a doença e de adiamento de uma vacina, o mundo cresceria apenas 2,5% em 2021, prevê a organização. (Com informações da Dow Jones Newswires).

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

seu dinheiro na sua noite

As incertezas da vez

Não sei vocês, mas desde que a pandemia de coronavírus começou, minha vida e rotina mudaram tanto, que tem estado difícil fazer planos para o futuro e ter boas perspectivas, do ponto de vista pessoal e social. Entrei no modo “um dia de cada vez”, já que ainda não temos uma data certa de quando […]

FECHAMENTO

Do céu ao inferno: Incertezas com vacinação pesam, Ibovespa derrapa e vai na contramão de NY

Enquanto o otimismo predominava nas bolsas americanas, por aqui as incertezas sobre a efetividade da campanha de vacinação contra a covid-19 se acumulavam

empresário bolsonarista

Luciano Hang, dono da Havan, está internado com covid-19 em São Paulo

Hang, ao lado de outros empresários bolsonaristas, tem promovido tratamentos sem comprovação científica como forma de prevenção à covid-19

dados da anp

Produção da Petrobras em dezembro fica abaixo dos 2 milhões de barris diários

Somada ao gás natural, a produção da estatal em dezembro ficou em 2,545 milhões de barris de óleo equivalente por dia,

lista do bc

Inter, Itaú e Caixa lideram ranking de reclamações contra 10 maiores bancos

Índice de reclamações é calculado com base no número de reclamações consideradas procedentes, dividido pelo número de clientes da instituição, multiplicado por 1.000.000

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies