Menu
2019-06-17T13:54:10-03:00
Estadão Conteúdo
Boas novas!

Nubank levanta R$ 375 milhões para financiar expansão e emplaca captação inédita

A fintech estreou a nova modalidade com uma oferta de R$ 75 milhões e que atraiu cinco investidores institucionais. Na mesma operação, o Nubank captou outros R$ 300 milhões via letras financeiras sênior

17 de junho de 2019
13:54
Cartão da fintech Nubank
Imagem: Divulgação

O Nubank levantou mais R$ 375 milhões em recursos para dar sequência ao seu plano de expansão, que avança para a América Latina após a fintech brasileira se consolidar como uma alternativa aos grandes bancos no País. A operação marca ainda a primeira oferta pública com esforços restritos de letra financeira subordinada (LFSN), tradicional instrumento de captação bancária.

Até então, só haviam ocorrido emissões privadas no mercado brasileiro. O Nubank estreou a nova modalidade com uma oferta de R$ 75 milhões e que atraiu cinco investidores institucionais. O prazo de vencimento dos títulos, elegíveis para compor capital de nível II da fintech, é de 10 anos, com opção de recompra a partir do quinto ano e taxa prefixada.

Na mesma operação, o Nubank captou outros R$ 300 milhões via letras financeiras sênior. Com demanda de 1,5 vez, a oferta contou com a participação de 18 investidores institucionais, terá remuneração de 116% do CDI e prazo de 2 anos. A emissão recebeu nota 'brA- (sf)' da agência de classificação de risco Standard & Poor's (S&P).

De acordo com o diretor financeiro (CFO, na sigla em inglês), Gabriel Silva, as captações ocorrem menos de um ano após o Nubank ter constituído sua própria financeira, a NuFinanceira. "Isso é resultado da confiança dos investidores na nossa estratégia e também do intenso trabalho dos nossos times, business e jurídico, que mostraram que podemos inovar até mesmo nas nossas captações no mercado", avalia o executivo, ao Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado.

O Nubank recebeu o aval do Banco Central para operar como instituição financeira em novembro do ano passado. A autorização permitiu que a fintech pudesse operar como um banco, não dependendo mais de parcerias para captar recursos e ofertar crédito aos seus clientes.

Nos últimos dois anos, o Nubank reforçou seu portfólio. Lançou uma conta corrente digital, a NuConta - utilizada por mais de 5,5 milhões de brasileiros, um cartão de débito para pagamentos e saques nos caixas eletrônicos da rede Banco24Horas e passou a conceder empréstimos a seus clientes. Este mês, a novata foi além e disponibilizou uma modalidade de investimento similar ao tradicional Certificado de Depósito Bancário (CDB).

Em paralelo, o Nubank segue reforçando sua estrutura de capital para continuar crescendo. Além das emissões de letras financeiras, em março último captou R$ 500 milhões por meio de um Fundo de Investimentos em Direitos Creditórios (FIDC) para financiar sua operação de cartões.

Considerado a maior fintech da América Latina com mais de 9 milhões de clientes, o Nubank já arrecadou US$ 420 milhões desde que foi fundado, em 2013 colombiano David Vélez. Dentre os que apostaram na novata, estão nomes como a gigante chinesa Tencent, dona do aplicativo de mensagens WeChat, e fundos como Sequoia Capital e Ribbit Capital.

Avaliado em US$ 4 bilhões, o Nubank começa a se expandir geograficamente. Depois de anunciar uma filial no México no mês passado, a primeira fora do Brasil, essa semana desembarcou na Argentina.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

busca por acordo

Investidores cobram até R$ 60 bi da Petrobras em processos de arbitragem

Casos incluem tanto investidores nacionais quanto estrangeiros e vieram na esteira da Operação Lava Jato, que apontou práticas ilícitas na estatal

país em crise

Concorrente do Uber, Cabify encerra operações no Brasil por conta da pandemia

Fundada há 10 anos em Madri, empresa enfrentou um mercado altamente competitivo no Brasil, mas crise recente foi decisiva para startup deixar o país

TIM Brasil poderá emitir até R$ 5,7 bilhões em debêntures incentivadas

O projeto da operadora para melhorias nas redes fixas e móveis de 21 unidades da federação entrou na lista de autorizações do Ministério das Comunicações

quem vai levar?

Tem ação fresquinha vindo aí, minha amiga, com o IPO da Hortifruti Natural da Terra

Com tese de investimento sendo que ela é o melhor do supermercado e da feira, companhia busca recursos para expandir operações

Ligando na tomada

Renault traz a nova geração de carros elétricos ao Brasil — e Weg e EDP garantem a recarga

A Renault firmou parceria com EDP e WEG para o fornecimento de infraestrutura do novo Zoe, veículo 100% elétrico da montadora francesa

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies