Menu
2019-10-01T13:51:57-03:00
Estadão Conteúdo
novas do setor

Mercado imobiliário tem alta nas vendas e recuo nos lançamentos em julho

Levantamento mostrou que as vendas líquidas somaram 6.521 unidades no mês de julho, aumento de 15,9% em relação ao mesmo mês do ano passado

1 de outubro de 2019
13:51
Prédios em São Paulo
Imagem: Shutterstock

O mercado imobiliário teve aumento das vendas no mês de julho, mesmo com um recuo nos lançamentos no período, de acordo com pesquisa da Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc) feita em parceria com a Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe). O levantamento mostrou que as vendas líquidas somaram 6.521 unidades no mês de julho, aumento de 15,9% em relação ao mesmo mês do ano passado.

  • Importante: Fausto Botelho, um dos maiores especialistas de análise gráfica do Brasil, está reunindo um grupo para ganhar ao lado dele. Você pode conseguir um lugar. Veja como aqui.

No acumulado dos últimos 12 meses até julho, as vendas líquidas totalizaram 93.245 unidades, elevação de 11,0% em comparação com os 12 meses anteriores.

No mês de julho, as vendas de imóveis de médio e alto padrão foram de 1.667 unidades, aumento de 41,5%, enquanto no Minha Casa Minha Vida (MCMV) foram de 4.892 unidades, alta de 8,0%.

A pesquisa mostrou também que os lançamentos atingiram 3.301 unidades em julho, o equivalente a uma queda de 20,8% em relação ao mesmo mês do ano passado. Já no acumulado dos últimos 12 meses até julho, os lançamentos totalizaram 103.678 unidades, uma alta de 14,6% em comparação com os 12 meses anteriores.

No mês de julho, os lançamentos de imóveis de médio e alto padrão foram de 735 unidades, recuo de 52,3%, enquanto no MCMV foram de 2.566 unidades, avanço de 7,4%.

O MCMV segue como principal motor do mercado imobiliário nacional, sendo responsável por 76,7% dos lançamentos e 70,1% das vendas no acumulado dos últimos 12 meses. Por sua vez, os empreendimentos de médio e alto padrão detêm participação de 23,3% dos lançamentos e 29,9% das vendas no mesmo período.

Os distratos no setor somaram 1.775 unidades em julho, recuo de 38,5%. O volume de distratos foi equivalente a 21,4% das vendas totais no mês. O estoque totalizou 124.329 unidades em julho, alta de 4,8%. Considerando o ritmo atual de vendas, seriam precisos 15,6 meses para liquidar esse estoque.

O levantamento da Abrainc engloba dados de 20 empresas associadas, com atuação em diversos Estados, mas concentrados na Região Sudeste. Os dados consolidados se referem a empreendimentos novos dos segmentos residenciais (Minha Casa Minha Vida e médio e alto padrão), comerciais e loteamentos.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Corrida contra o tempo

Moody’s: vacinação em massa tem potencial significativo de melhora do PIB global

Hoje foi a vez da AstraZeneca, que seguiu as farmacêuticas Moderna e Pfizer nas semanas anteriores, todas com eficácia na casa dos 90%.

privatizações na agenda

Guedes diz que é preciso privatizar os Correios ‘antes que o ativo se deteriore’

Ministro classificou como importante a rede de entregas da estatal; ele justificou demora em desestatizações e reiterou que auxílio emergencial acaba no final do ano

Tudo normal?

Maioria das empresas está otimista para vendas na Black Friday, diz Boa Vista

Cerca de 66% das empresas acreditam que as vendas da Black Friday em 2020 serão iguais ou superiores às de 2019.

DINHEIRO NO BOLSO

BB Investimentos muda carteira de dividendos após resultados do 3º trimestre

Analistas avaliam que retomada da economia fomenta a expectativa de melhores resultados, resultando no maior pagamento de proventos

homem negro espancado

Carrefour tomba 6% e lidera quedas do Ibovespa após protestos e pedidos de boicote pela morte de João Alberto de Freitas

Homem negro foi assassinado por dois seguranças de um estabelecimento da rede de supermercados em Porto Alegre. Ato gerou pedidos de boicotes por artistas e usuários de redes sociais, além de manifestações em frente e dentro de lojas do Carrefour

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies