Menu
2019-08-30T14:25:18-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Siga o dinheiro

Fundos gringos que compram ações no Brasil captam pela quarta semana seguida

Levantamento é da consultoria EPFR Global, que também mostra que só perdemos para China entre os fundos que compram mercados emergentes

30 de agosto de 2019
14:25
Bandeira do Brasil com moedas na frente
Imagem: Positiffy/Shutterstock

O boletim desta semana da EPFR Global traz dados interessantes sobre como o investidor estrangeiro está avaliando o mercado local. Os fundos de ações que aportam no país captaram mais de US$ 100 milhões pela quarta semana seguida e entre os gestores que investem em emergentes, o Brasil só perde para China em termos de ampliação de exposição.

Para a consultoria, que acompanha mais de 100 mil fundos responsáveis por US$ 34 trilhões em ativos, os investidores diretos e os gestores de fundos emergentes globais (GEM, na sigla em inglês) mostram visão parecida com relação à história de reformas e corte de juros do Brasil.

A EPFR avalia que há expectativa de que o governo Jair Bolsonaro leve adiante a simplificação de um “código tributário Bizantino” e que o Banco Central entregue mais um corte de meio ponto percentual na Selic.

Também há a avaliação de que a boa relação entre Bolsonaro e Donald Trump manterá o país fora da linha de tiro da guerra comercial.

Peso nos Portfólios

A EPFR Global também mostra que o Brasil só perde para China em termos de ampliação de exposição nos portfólios desde o começo de 2018. Os fundos considerados são emergentes globais (GEM), que tem mandato mais amplo de investimento.

A EPFR não trouxe o número para o Brasil, mas a posição média dos fundos GEM em China é de 25% do portfólio. A consultoria reconhece que o país vem ganhando peso em índices globais, como MSCI, mas que outros gestores também estão ampliando exposição ao país, apesar das incertezas comerciais e domésticas.

Na semana encerrada dia 28, o cômputo geral da EPFR Global mostra que os fundos de ações perderam US$ 7,5 bilhões, os “Money Market Funds”, de curto prazo e baixo risco, também observaram saques de US$ 12 bilhões.

Os fundos que receberam aportes foram os de dívida, com US$ 12,3 bilhões, sendo que parte foi para fundos de dívida emergentes, o que sinaliza melhora do apetite ao risco, apesar de um período bastante turbulento em função da guerra comercial e Brexit.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Que bolsa é essa?

Vacina ou vírus? Ganhe nos dois cenários com este IPO na bolsa

Uma das maiores gestoras do setor imobiliário está lançando um fundo a um preço bem interessante e com potencial para pagar proventos na casa de 7% ao ano

seu dinheiro na sua noite

E essa Black Friday em ano de crise, vai dar bom?

Estamos prestes a viver uma Black Friday num ano de forte crise, em que as pessoas ficaram confinadas em casa. Definitivamente não é o melhor dos cenários para uma data tão voltada para o consumo. Por outro lado, foi na internet que a Black Friday ganhou força no Brasil, e o e-commerce deu um enorme […]

alta de 32% no ano

Parte da desvalorização maior do real se deve à dívida, diz presidente do BC

Roberto Campos Neto lembrou que o encerramento do ano é, tradicionalmente, um período de mais remessas de recursos ao exterior

fim do dia

O rali continua: Ibovespa deixa Wall Street de lado e sobe quase 20% em novembro

Ações de CVC e siderúrgicas lideram alta do índice. Dólar cai com fluxo e divulgação do dado das contas externas e juros recuam de olho em fiscal

Em pleno calendário eleitoral

Senado aprova mudanças na Lei de Falências

O projeto amplia o financiamento a empresas em recuperação judicial, permite o parcelamento e o desconto para pagamento de dívidas tributárias e possibilita aos credores apresentar plano de recuperação da empresa

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies