Menu
2019-12-18T17:26:40-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Hoje tem recorde?

Ibovespa sobe quase 1,5% e chega aos 114 mil pontos; dólar fecha em leve queda

O Ibovespa segue no campo positivo e, com isso, encaminha-se para mais um dia de recordes, ajudado pelo ambiente de tranquilidade visto nos mercados externos e pelo tom otimista assumido pelo ministro da Economia, Paulo Guedes. O dólar à vista caiu para R$ 4,05

18 de dezembro de 2019
10:36 - atualizado às 17:26
Selo Mercados AGORA Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

A bolsa brasileira tem mais um dia de ganhos expressivos e, com isso, volta a atingir novos recordes. O Ibovespa aproveita o tom de maior calmaria visto no exterior e sobe forte — e as declarações do ministro da Economia, Paulo Guedes, ajudam a dar ainda mais ânimo aos investidores.

  • Oportunidade: Contrate o Ivan Sant’Anna como seu mentor de investimentos. Saiba mais aqui.

Por volta de 17h15, o Ibovespa operava em alta de 1,44%, aos 114.232,43 pontos, após iniciar o pregão no campo negativo — é a primeira vez que o índice ultrapassa o nível dos 114 mil pontos. No câmbio, por outro lado, o dia é foi poucas emoções: o dólar à vista fechou em leve queda de 0,12%, a R$ 4,0596.

O mercado acionário doméstico vai descolando do exterior: nos Estados Unidos, o Dow Jones sobe 0,09%, o S&P 500 avança 0,07% e o Nasdaq tem ganho de 0,22%; na Europa, as principais praças acionárias fecharam com leve alta.

Todo esse bom-humor se deve às condições mais favoráveis enfrentadas pelos agentes financeiros: no exterior, o alívio na guerra comercial continua trazendo calmaria às operações e, por aqui, as perspectivas de retomada do crescimento econômico seguem animando os investidores.

E, considerando a ausência de fatores negativos, o mercado aproveitou para continuar buscando níveis mais elevados — uma tarefa que foi facilitada pelas declarações mais otimistas de Guedes no meio desta tarde.

Entre outros pontos, o ministro mostrou-se satisfeito com a reforma da Previdência aprovada pelo Congresso, elogiando o trabalho "construtivo da Câmara e do Senado". Guedes ainda destacou o controle mais rígido no front fiscal e ponderou que as PECs que atualmente tramitam no Congresso a respeito da reforma tributária "são complementares.

Por mais que as declarações não tenham trazido grandes novidades ou fornecido pistas mais concretas quanto aos planos da pasta para 2020, fato é que o mercado recebeu bem as falas, ampliando o ritmo de ganhos do Ibovespa — até o meio da tarde, o índice exibia ganhos modestos, permanecendo na faixa dos 113 mil pontos.

Exterior calmo

O único fator de instabilidade no horizonte nesta terça-feira é a votação do processo de impeachment do presidente americano, Donald Trump, pela Câmara dos Deputados do país. Mas é dado como certo que os deputados darão continuidade ao processo, enviando-o ao Senado.

Assim, a votação de hoje não traz maiores turbulências aos mercados, dado o desfecho já aguardado. No Senado, contudo, o cenário deve ser o oposto: a maioria republicana da Casa deve barrar a continuidade das discussões.

Alívio nos juros

As curvas de juros aproveitaram o bom humor dos mercados e a leve quedado do dólar à vista para fechar em baixa, tanto na ponta curta quanto na longa — nos últimos dias, os DIS passaram por ajustes positivos relevantes.

Veja abaixo como ficaram as principais curvas nesta terça-feira:

  • Janeiro/2021: de 4,65% para 4,60%;
  • Janeiro/2023: de 5,99% para 5,92%;
  • Janeiro/2025: de 6,60% para 6,56%;
  • Janeiro/2027: de 6,93% para 6,90%.

Corporativo em foco

Por aqui, o noticiário corporativo aparece em primeiro plano: os papéis ON da Marfrig (MRFG3) caem 4,02% após a conclusão de uma oferta de ações que movimentou R$ 3 bilhões, dos quais mais de R$ 2 bilhões foram vendidos pelo BNDES — o que marcou a saída do banco público da empresa.

Fora isso, os investidores seguem promovendo ajustes de posição: as ações do setor de varejo sobem e se recuperam das perdas de ontem, enquanto bancos e Petrobras também aparecem no campo positivo.

Veja abaixo as cinco ações de melhor desempenho do índice no momento:

  • Fleury ON (FLRY3): +4,23%
  • GPA PN (PCAR4): +4,19%
  • Qualicorp ON (QUAL3): +3,81%
  • JBS ON (JBSS3): +3,76%
  • Bradesco ON (BBDC3): +3,63%

Confira também as maiores quedas do Ibovespa:

  • Marfrig ON (MRFG3): -4,02%
  • Eletrobras PNB (ELET6): -2,84%
  • Cogna ON (COGN3): -2,58%
  • Eletrobras ON (ELET3): -2,25%
  • MRV ON (MRVE3): -1,46%
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

coronavírus no país

Covid-19: Brasil tem 1,2 mil novas mortes e 60 mil novos casos

Até o momento, 2.356.640 pessoas se recuperaram da doença

seu dinheiro na sua noite

A questão de Bolsonaro: ser ou não ser liberal

Ser ou não ser liberal. Eis a questão de Jair Bolsonaro. O presidente foi eleito com uma pauta de defesa das reformas, redução do tamanho do Estado e equilíbrio das contas públicas. O fiador desse discurso foi Paulo Guedes, que assumiu o comando da economia. O receituário foi seguido no primeiro ano de mandato, com […]

de olho nos números

Suzano, JBS, B3, Cyrela, Lojas Americanas, B2W, Hering: os balanços que vão mexer com o mercado nesta sexta

Balanços do segundo trimestre devem guiar os negócios no Ibovespa no último pregão da semana

Balanço

B3 tem lucro 28,9% maior no 2º trimestre e aumenta investimento para dar conta do volume da bolsa

A dona da bolsa brasileira registrou lucro líquido recorrente de R$ 1,012 bilhão e pretende investir até R$ 425 milhões em sistemas e novos produtos para o mercado

confiança com capitalização

Para presidente da Eletrobras, saída de Mattar não prejudica privatização

O presidente da Eletrobras, Wilson Ferreira Junior, disse nesta quinta-feira, 13, que a saída do secretário especial de Desestatização, Salim Mattar, não irá prejudicar a capitalização da empresa prevista para o ano que vem, e que confia que após debates com o Congresso Nacional, o processo seja aprovado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements