Menu
2019-03-29T14:48:57-03:00
Estadão Conteúdo
Abaixo das estimativas

Setor público tem déficit primário de R$ 14,931 bilhões em fevereiro, diz BC

Déficit fiscal nos 12 meses encerrados em fevereiro pode ser atribuído ao rombo de R$ 118,698 bilhões do Governo Central (1,72% do PIB)

29 de março de 2019
12:11 - atualizado às 14:48
nota de dinheiro de 100 reais na mesa
Imagem: shutterstock

O setor público consolidado (Governo Central, Estados, municípios e estatais, com exceção de Petrobras e Eletrobras) apresentou déficit primário de R$ 14,931 bilhões em fevereiro, informou nesta sexta-feira, 29, o Banco Central. O resultado representa o menor déficit para o mês desde 2015, quando houve déficit de R$ 2,300 bilhões. Em janeiro, havia sido registrado superávit de R$ 46,897 bilhões.

O resultado primário consolidado do mês passado ficou abaixo da mediana das estimativas coletadas pelo Projeções Broadcast, negativa em R$ 15,900 bilhões, e dentro do intervalo das previsões dos analistas do mercado financeiro, que iam de déficit de R$ 23 bilhões a déficit de R$ 6,1 bilhões.

O resultado fiscal de fevereiro foi composto por um déficit de R$ 20,612 bilhões do Governo Central (Tesouro, Banco Central e INSS). Já os governos regionais (Estados e municípios) influenciaram o resultado positivamente com R$ 4,850 bilhões no mês. Enquanto os Estados registraram um superávit de R$ 4,292 bilhões, os municípios tiveram resultado positivo de R$ 558 milhões. As empresas estatais registraram superávit primário de R$ 832 milhões.

A meta de déficit primário do setor público consolidado considerada pelo governo é de R$ 132,0 bilhões para 2019. No caso do governo central, a meta é um déficit de R$ 139,0 bilhões.

Bimestre

As contas do setor público acumulam um superávit primário de R$ 31,967 bilhões no ano até fevereiro, o equivalente a 2,78% do Produto Interno Bruto (PIB), informou o Banco Central. A cifra é resultado de um superávit de R$ 46,897 bilhões em janeiro e de um déficit primário de R$ 14,931 bilhões em fevereiro.

O superávit fiscal no ano até fevereiro pode ser atribuído ao superávit de R$ 14,994 bilhões do Governo Central (1,30% do PIB).

Os governos regionais (Estados e municípios) apresentaram um superávit de R$ 15,633 bilhões (1,36% do PIB) no ano até fevereiro. Enquanto os Estados registraram um superávit de R$ 13,865 bilhões, os municípios tiveram um saldo positivo de R$ 1,768 bilhão. As empresas estatais registraram um resultado positivo de R$ 1,339 bilhão no período.

12 meses
As contas do setor público acumulam um déficit primário de R$ 105,818 bilhões em 12 meses até fevereiro, o equivalente a 1,54% do PIB, informou o Banco Central.

O déficit fiscal nos 12 meses encerrados em fevereiro pode ser atribuído ao rombo de R$ 118,698 bilhões do Governo Central (1,72% do PIB).

Os governos regionais (Estados e municípios) apresentaram um superávit de R$ 6,559 bilhões (0,10% do PIB) em 12 meses até fevereiro. Enquanto os Estados registraram um superávit de R$ 8,837 bilhões, os municípios tiveram um saldo negativo de R$ 2,278 bilhões. As empresas estatais registraram um resultado positivo de R$ 6,321 bilhões no período.

Déficit nominal

O setor público consolidado registrou um déficit nominal de R$ 45,013 bilhões em fevereiro. Em janeiro, o resultado nominal havia sido superavitário em R$ 26,044 bilhões e, em fevereiro de 2018, deficitário em R$ 45,806 bilhões.

No mês passado, o Governo Central registrou déficit nominal de R$ 46,008 bilhões. Os governos regionais tiveram saldo positivo de R$ 667 milhões, enquanto as empresas estatais registraram superávit nominal de R$ 328 milhões.

No ano até fevereiro, o déficit nominal soma R$ 18,969 bilhões, o que equivale a 1,65% do PIB.

Em 12 meses até fevereiro, há déficit nominal de R$ 479,231 bilhões, ou 6,95 % do PIB.

Gasto com juros

O setor público consolidado teve gasto de R$ 30,082 bilhões com juros em fevereiro, após esta despesa ter atingido R$ 20,853 bilhões em janeiro, informou o Banco Central.

O Governo Central teve no mês passado despesas na conta de juros de R$ 25,396 bilhões. Já os governos regionais registraram gasto de R$ 4,183 bilhões e as empresas estatais, de R$ 504 milhões.

No ano até fevereiro, o gasto com juros soma US$ 50,936 bilhões, o que representa 4,43% do PIB.

Em 12 meses até fevereiro, as despesas com juros atingiram R$ 373,413 bilhões (5,42% do PIB).

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

BANCÕES EM ALTA

Lucro do Banco do Brasil sobe 44,7% no 1º trimestre e atinge R$ 4,9 bilhões

O Banco do Brasil (BB) registrou lucro líquido ajustado de R$ 4,9 bilhões no primeiro trimestre deste ano, 44,7% maior que os R$ 3,4 bilhões reportados em igual período de 2020 e 32,9% superior ao resultado obtido nos últimos três meses do ano passado. “O lucro recorde para um trimestre é resultado de uma estratégia […]

Vol é vida?

Lucro líquido da B3 cresce 22,5% e atinge R$ 1,25 bi no 1º trimestre

O lucro líquido recorrente atingiu R$ 1,4 bilhão, alta de 15,5% frente ao mesmo período do ano passado e de 15,2% na comparação com o trimestre anterior

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

O Carnaval fora de época da Ambev e mais…

O varejo tem várias datas importantes: dia das mães, dia dos pais, dia das crianças, dia dos namorados, Black Friday, Natal… Há uma data comemorativa em quase todos os meses, e todas são aguardadas com ansiedade pelo setor — afinal, qualquer impulso nas vendas é bem vindo. Pois para a Ambev, a coisa funciona um […]

FECHAMENTO DO DIA

Balanços e commodities metálicas ditam o ritmo e Ibovespa fecha em alta; dólar volta à casa dos R$ 5,20

Com a agenda de indicadores fracas e um Copom sem grandes surpresas, os investidores se debruçaram nos números do trimestre e no novo recorde do minério de ferro.

Queda no apetite

Fed sinaliza risco de tombo nos preços de ativos em relatório de estabilidade

O banco central dos EUA demonstrou preocupação com um possível declínio no apetito ao risco dos investidores norte-americanos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies