Menu
2019-09-25T13:32:59-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
olho no crédito

Taxa de juro no crédito livre chega a 37,9% em agosto, diz Banco Central

Destaque ficou com o cheque especial, cuja taxa passou de 318,7% ao ano para 306,9% ao ano de julho para agosto

25 de setembro de 2019
13:32
Dinheiro na carteira
Imagem: Shutterstock

A taxa média de juros no crédito livre caiu de 38,0% ao ano em julho para 37,9% ao ano em agosto, informou nesta quarta-feira, 25, o Banco Central.

Em agosto de 2018, essa taxa estava no mesmo patamar, de 37,9% ao ano. Para pessoa física, a taxa média de juros no crédito livre passou de 52,2% para 52,1% ao ano de julho para agosto, enquanto para pessoa jurídica foi de 19,1% para 18,9% ao ano.

Entre as principais linhas de crédito livre para a pessoa física, destaque para o cheque especial, cuja taxa passou de 318,7% ao ano para 306,9% ao ano de julho para agosto. No crédito pessoal, a taxa passou de 43,9% para 43,1% ao ano.
Desde julho do ano passado, os bancos estão oferecendo um parcelamento para dívidas no cheque especial. A opção vale para débitos superiores a R$ 200.

A expectativa da Federação Brasileira de Bancos (Febraban) era de que essa migração do cheque especial para linhas mais baratas acelerasse a tendência de queda do juro cobrado ao consumidor. Em junho de 2018, antes do início da nova dinâmica, a taxa do cheque especial estava em 304,9% ao ano.

Os dados divulgados nesta quarta-feira pelo Banco Central mostraram ainda que, para aquisição de veículos, os juros foram de 20,3% ao ano em julho para 20,1% em agosto.

A taxa média de juros no crédito total, que inclui operações livres e direcionadas (com recursos da poupança e do BNDES), foi de 25,0% ao ano em julho para 25,1% ao ano em agosto. Em agosto de 2018, estava em 24,3%.

Spread

O spread bancário médio no crédito livre se manteve estável em 31,6 pontos porcentuais em agosto ante julho, enquanto o spread médio da pessoa física no crédito livre foi de 45,7 pontos porcentuais para 45,6 pontos porcentuais no período. Para pessoa jurídica, o spread médio caiu de 13,0 para 12,8 pontos porcentuais.

Já o médio do crédito direcionado, ao contrário, subiu de 4,0 pontos porcentuais para 4,5 pontos porcentuais na passagem de julho para agosto. O spread médio no crédito total (livre e direcionado) foi de 19,7 pontos porcentuais para 19,8 pontos porcentuais no período.

Endividamento

O endividamento das famílias brasileiras com o sistema financeiro ficou em 44,5% em julho, ante 44,3% em junho, informou o BC. Se forem descontadas as dívidas imobiliárias, o endividamento ficou em 25,7% em julho, ante 25,6% em junho.

O cálculo do BC leva em conta o total das dívidas dividido pela renda no período de 12 meses. Além disso, incorpora os dados da Pesquisa Nacional de Amostragem Domiciliar (Pnad) contínua e da Pesquisa Mensal de Emprego (PME), ambas do IBGE.

Segundo o BC, o comprometimento de renda das famílias com o Sistema Financeiro Nacional (SFN) atingiu 20,6% em julho, ante 20,5% em junho. Descontados os empréstimos imobiliários, o comprometimento da renda ficou em 18,3% em julho, ante 18,2% em junho.

*Com Estadão Conteúdo 

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

COLUNA DO PAI RICO PAI POBRE

3 passos para sobreviver à crise atual no mercado

Um investidor inteligente com educação financeira se concentra menos no que não pode ser controlado — o preço, por exemplo — e mais no que pode ser controlado, como as taxas de juros fixas e as taxas de retorno.

Acabou a crise?

A maldição de maio não pegou de novo: bolsa foi o melhor investimento do mês, e dólar foi o pior

Pelo segundo ano consecutivo, a máxima “sell in may and go away” não se fez valer. Ativos de risco se saíram bem em maio, mas títulos públicos de longo prazo e o dólar tiveram desempenho negativo

Covid no Brasil

Brasil chega a 465,1 mil casos por coronavírus e 27,8 mil mortes

Do total de casos confirmados, 189.476 pacientes foram recuperados

Agência de telecomunicações

Anatel acata decisão judicial e aprova regra que retira sigilo de ligações

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) regulamentou a questão ontem, 28, em cumprimento a uma decisão da Justiça Federal do Sergipe

seu dinheiro na sua noite

Adam Smith e o PIB da pandemia

A economia funciona desta forma: a produção de bens e serviços só existe em função do consumo. Essa conclusão não é minha, é claro, mas de Adam Smith. Citar o “pai” do liberalismo em um raro momento de consenso sobre a necessidade de maior atuação do Estado para conter os efeitos do coronavírus na economia […]

De novo

CVC adia mais uam vez entrega do balanço do quarto trimestre de 2019

A operadora e agência de viagens CVC informou nesta sexta-feira, 29, que as suas demonstrações financeiras referentes ao exercício de 2019 só devem ser apresentadas até 31 de julho

Auxílio emergencial

Caixa abre mais de 2 mil agências no sábado

Por enquanto, apenas quem recebeu a primeira parcela até 30 de abril e nasceu em janeiro pode sacar o valor

Saldo positivo

Após muita volatilidade, dólar acumula queda de 1,83% em maio; Ibovespa sobe 8,57% no mês

Uma suavização nos fatores de risco domésticos e globais permitiu que o dólar se despressurizasse em maio e levou o Ibovespa de volta aos 87 mil pontos

Presidente da Câmara

Maia rechaça aumento de impostos para suprir queda na receita e defende reformas

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse que considera difícil qualquer tipo de aumento na carga tributária para compensar a queda de receita pública por causa da pandemia de covid-19

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements