Menu
2019-05-27T10:17:06-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Sem lua de mel

Avaliação positiva de Bolsonaro desaba 72 pontos entre agentes de mercado

Sondagem XP/Ipespe mostra 14% de ótimo e bom para o presidente agora em maio, contra 86% em janeiro e 28% em abril. Por outro lado, há melhora na avaliação do Congresso

27 de maio de 2019
9:51 - atualizado às 10:17
Jair Bolsonaro durante visita aos Estados Unidos
Jair Bolsonaro - Imagem: Marcos Corrêa/Presidência da República

A avaliação positiva do presidente Jair Bolsonaro entre os agentes do mercado financeiro apresentou nova queda na passagem de abril para maio, segundo sondagem XP/Ipespe. O percentual de ótimo e bom caiu de 28% para 14% e acumula uma queda de 72 pontos percentuais desde janeiro, quando o percentual era de 86%.

Já as notas ruim e péssimo, subiram de 1% em janeiro para 43% agora em maio (era 24% em abril). Para 43%, o presidente tem desempenho regular, caindo de 48% em abril, mas acima dos 13% da abertura do ano.

Na sexta-feira, a XP/Ipespe tinha divulgado um edição extraordinária de sua pesquisa com o público geral. Pela pela primeira vez no ano o grupo de entrevistados que avalia a atuação do governo como ruim ou péssima subiu para 36%, alta de 5 pontos percentuais, superando os 34% que avaliam o governo como ótimo ou bom (link para pesquisa abaixo).

Já a avaliação do Congresso pelos agentes de mercado melhorou em relação a abril. O percentual de agentes que classificam como ótima ou boa a atuação do Congresso subiu de 15% para 32%, enquanto o grupo que avalia o parlamento como ruim ou péssimo caiu de 40% para 25%. Tal melhora de avaliação pode ter relação com a postura externada pelos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia, e do Senado, Davi Alcolumbre, de adotar uma agenda muito racional de reestruturação do Estado, apesar dos impasses com o Executivo.

Para 71% dos participantes, a relação de Bolsonaro com o Congresso, que que tempos em tempos toma conta do noticiário com repercussão no preço dos ativos, ficará como está nos próximos meses.

Para o restante do mandato, apenas 27% acreditam que será ótimo ou bom, contra 60% em abril e 86% registrados em janeiro e fevereiro. O que predomina, agora, com 51% é a avaliação regular, que era de 28% em abril e de 10% no começo do ano. Para 23%, o restante do governo será ruim ou péssimo, ante 13% em abril, e 3% em janeiro.

Reformas

Continua forte a confiança na aprovação da reforma da Previdência, com 80% dizendo acreditar que a reforma será aprovada em 2019, mesmo percentual registrado pelo levantamento desde fevereiro.

A economia esperada com a reforma se manteve em R$ 700 bilhões em 10 anos, ante a proposta do governo de R$ 1,237 trilhão, o que embute uma expectativa de desidratação de R$ 537 bilhões. Na semana passada, tivemos o relator da proposta, deputado Samuel Moreira (PSDB-SP) afirmando que vai buscar R$ 1 trilhão, potencial fiscal necessária para que Paulo Guedes lance um projeto de capitalização.

A aprovação final pelo Congresso, com todas as votações em ambas as casas é esperada por 71% dos respondentes para o 4º trimestre de 2019, enquanto 19% esperam que a aprovação se dê já no 3º trimestre.

E como fica o mercado?

Sem aprovação de reforma da previdência, o Ibovespa cairia 20%, para 75 mil, e o dólar subiria 12%, para R$ 4,50.

Por outro lado, se uma reforma com impacto de 50% da proposta inicial for aprovada, a bolsa pode subir 7%, para 100 mil, e o câmbio se apreciaria 3%, para R$ 3,90.

No cenário de aprovação da reforma como enviada pelo governo, a bolsa poderia subir 28%, para 120 mil, e o câmbio poderia apreciar 10%, para R$ 3,60.

De acordo com 52% dos respondentes, o Banco Central aguardaria a aprovação da reforma da Previdência na Câmara para alterar a taxa Selic, atualmente fixada em 6,5% ao ano, e 40% esperam que haja corte na Selic neste ano.

Privatizações

Perguntados sobre a expectativa de recursos a ser obtidos com as privatizações em quatro ano, o mercado mantém a previsão de R$ 300 bilhões desde janeiro. Recentemente, o secretário de desestatização, Salim Mattar, falou que as privatizações devem deslanchar em 2020 e que agora em 2019 devemos assistir à venda de ativos.

Foram realizadas 79 entrevistas com investidores institucionais entre os dias 22 e 24 de maio. O público é formado por gestores de recursos, economistas e consultores. O levantamento conta com um bloco de perguntas fixas de avaliação do presidente e do Congresso e é realizada pelo menos a cada 45 dias.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

dragão debilitado

China cresce 2,3% em 2020, mas pode desacelerar no começo de 2021

Crescimento da economia no 4º trimestre superou expectativas, mas dados de dezembro foram mistos, diz Commerzbank

NÚMEROS DA PANDEMIA

Brasil registra 209,9 mil mortes e 8,48 milhões de casos de covid-19

Nas últimas 24 horas, foram notificados 551 óbitos e 33.040 novos diagnósticos de covid-19, segundo dados do Ministério da Saúde

entrevista exclusiva

Para Figueiredo, da Mauá e ex-BC, as ações no Brasil estão baratas

Sócio fundador da Mauá Capital diz que economia deve se recuperar e a Bolsa terá bom desempenho em 2021, desde que não haja descuido do lado fiscal

SD PREMIUM

Segredos da Bolsa: Semana promete ser agitada com Copom, IBC-Br, Biden e mais…

A semana promete ser agitada, com importantes indicadores no radar e a “mudança de guarda” nos Estados Unidos

Temos vacina!

Por unanimidade, Anvisa aprova uso emergencial da CoronaVac e da vacina de Oxford/AstraZeneca

Primeiros profissionais de saúde já foram vacinados em pronunciamento do governador de São Paulo, João Doria

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies