2019-05-27T10:17:06-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Sem lua de mel

Avaliação positiva de Bolsonaro desaba 72 pontos entre agentes de mercado

Sondagem XP/Ipespe mostra 14% de ótimo e bom para o presidente agora em maio, contra 86% em janeiro e 28% em abril. Por outro lado, há melhora na avaliação do Congresso

27 de maio de 2019
9:51 - atualizado às 10:17
Jair Bolsonaro durante visita aos Estados Unidos
Jair Bolsonaro - Imagem: Marcos Corrêa/Presidência da República

A avaliação positiva do presidente Jair Bolsonaro entre os agentes do mercado financeiro apresentou nova queda na passagem de abril para maio, segundo sondagem XP/Ipespe. O percentual de ótimo e bom caiu de 28% para 14% e acumula uma queda de 72 pontos percentuais desde janeiro, quando o percentual era de 86%.

Já as notas ruim e péssimo, subiram de 1% em janeiro para 43% agora em maio (era 24% em abril). Para 43%, o presidente tem desempenho regular, caindo de 48% em abril, mas acima dos 13% da abertura do ano.

Na sexta-feira, a XP/Ipespe tinha divulgado um edição extraordinária de sua pesquisa com o público geral. Pela pela primeira vez no ano o grupo de entrevistados que avalia a atuação do governo como ruim ou péssima subiu para 36%, alta de 5 pontos percentuais, superando os 34% que avaliam o governo como ótimo ou bom (link para pesquisa abaixo).

Já a avaliação do Congresso pelos agentes de mercado melhorou em relação a abril. O percentual de agentes que classificam como ótima ou boa a atuação do Congresso subiu de 15% para 32%, enquanto o grupo que avalia o parlamento como ruim ou péssimo caiu de 40% para 25%. Tal melhora de avaliação pode ter relação com a postura externada pelos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia, e do Senado, Davi Alcolumbre, de adotar uma agenda muito racional de reestruturação do Estado, apesar dos impasses com o Executivo.

Para 71% dos participantes, a relação de Bolsonaro com o Congresso, que que tempos em tempos toma conta do noticiário com repercussão no preço dos ativos, ficará como está nos próximos meses.

Para o restante do mandato, apenas 27% acreditam que será ótimo ou bom, contra 60% em abril e 86% registrados em janeiro e fevereiro. O que predomina, agora, com 51% é a avaliação regular, que era de 28% em abril e de 10% no começo do ano. Para 23%, o restante do governo será ruim ou péssimo, ante 13% em abril, e 3% em janeiro.

Reformas

Continua forte a confiança na aprovação da reforma da Previdência, com 80% dizendo acreditar que a reforma será aprovada em 2019, mesmo percentual registrado pelo levantamento desde fevereiro.

A economia esperada com a reforma se manteve em R$ 700 bilhões em 10 anos, ante a proposta do governo de R$ 1,237 trilhão, o que embute uma expectativa de desidratação de R$ 537 bilhões. Na semana passada, tivemos o relator da proposta, deputado Samuel Moreira (PSDB-SP) afirmando que vai buscar R$ 1 trilhão, potencial fiscal necessária para que Paulo Guedes lance um projeto de capitalização.

A aprovação final pelo Congresso, com todas as votações em ambas as casas é esperada por 71% dos respondentes para o 4º trimestre de 2019, enquanto 19% esperam que a aprovação se dê já no 3º trimestre.

E como fica o mercado?

Sem aprovação de reforma da previdência, o Ibovespa cairia 20%, para 75 mil, e o dólar subiria 12%, para R$ 4,50.

Por outro lado, se uma reforma com impacto de 50% da proposta inicial for aprovada, a bolsa pode subir 7%, para 100 mil, e o câmbio se apreciaria 3%, para R$ 3,90.

No cenário de aprovação da reforma como enviada pelo governo, a bolsa poderia subir 28%, para 120 mil, e o câmbio poderia apreciar 10%, para R$ 3,60.

De acordo com 52% dos respondentes, o Banco Central aguardaria a aprovação da reforma da Previdência na Câmara para alterar a taxa Selic, atualmente fixada em 6,5% ao ano, e 40% esperam que haja corte na Selic neste ano.

Privatizações

Perguntados sobre a expectativa de recursos a ser obtidos com as privatizações em quatro ano, o mercado mantém a previsão de R$ 300 bilhões desde janeiro. Recentemente, o secretário de desestatização, Salim Mattar, falou que as privatizações devem deslanchar em 2020 e que agora em 2019 devemos assistir à venda de ativos.

Foram realizadas 79 entrevistas com investidores institucionais entre os dias 22 e 24 de maio. O público é formado por gestores de recursos, economistas e consultores. O levantamento conta com um bloco de perguntas fixas de avaliação do presidente e do Congresso e é realizada pelo menos a cada 45 dias.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

FOLLOW-ON

Novas ações da Eneva (ENEV3) começam a ser negociadas na terça-feira e aumentam o caixa da empresa R$ 4 bilhões

O preço por ação ficou em R$ 14,00, levemente abaixo do desempenho dos papéis em negociação da empresa, que fecharam a sexta-feira cotados a R$ 14,73

Aperta o play!

Todos contra a Petrobras: pressões sobre a estatal transformaram as ações PETR3 e PETR4 em maus investimentos?

Após última alta nos preços dos combustíveis, governo intensificou a pressão sobre a petroleira, o que pesou sobre os papéis e também sobre o Ibovespa

SOB NOVA DIREÇÃO

Passou, mas não foi unânime: indicado para comandar a Petrobras (PETR4) é aprovado por comitê — confira a próxima etapa

Caio Mário Paes de Andrade é o quinto gestor da estatal no governo de Jair Bolsonaro, mas seu nome ainda não recebeu aprovação final

VAI FICA DENTRO OU FORA DESSA?

Prepara-se: Metaverso vem aí com jogos, ensino e comércio eletrônico — e deve movimentar US$ 5 trilhões

De acordo com a empresa de consultoria McKinsey, os gastos globais no metaverso podem chegar a US$ 5 trilhões até 2030. Desse total, o e-commerce é visto como o meio que oferece a maior oportunidade, com um valor de mercado previsto de US$ 2,6 trilhões.

CARREIRA DOS SONHOS

Google (GOGL34) é eleita a empresa dos sonhos dos brasileiros; Nubank (NUBR33) e Itaú (ITUB4) também estão na lista

A gigante de tecnologia se mantém na liderança como empresa dos sonhos dos brasileiros na última década; a Google é desejada principalmente entre os mais jovens

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies