2019-06-10T12:29:09-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Bancos

É hora de vender as ações de Itaú e Bradesco e comprar as da B3, diz Goldman Sachs

Para os analistas do banco americano, os bancos brasileiros terão dificuldades em manter o crescimento do crédito em meio ao desempenho abaixo do esperado da economia

10 de junho de 2019
12:19 - atualizado às 12:29
Banco Bradesco e Itaú
Imagem: Estadão Conteúdo/Shutterstock

Está na hora de vender as ações dos dois maiores bancos privados brasileiros: Itaú Unibanco e Bradesco. A recomendação é do banco americano Goldman Sachs. A lenta recuperação da economia neste início de ano colocou os analistas do Goldman Sachs na defensiva com as ações dos bancos.

"O esperado aumento no crédito pode desapontar e ser mais fraco que o esperado, ao mesmo tempo em que as taxas de juros baixas limitam o espaço para aumento nas margens", escreveram os analistas, em um relatório para clientes divulgado nesta segunda-feira.

No pregão de hoje, as ações do Itaú (ITUB4) eram negociadas em queda de 2,08%, cotadas a R$ 34,34, por volta das 11h55. No mesmo horário, os papéis do Bradesco (BBDC4) recuavam 2,47%, negociados a R$ 36,37. Confira também nossa cobertura completa de mercados.

Ao mesmo tempo em que indica a venda das ações de Itaú e Bradesco, o Goldman Sachs retomou a cobertura do setor financeiro brasileiro com recomendação neutra para Santander Brasil (SANB11), Banco do Brasil (BBAS3) e BTG Pactual (BPAC11).

Os analistas se mostram mais otimistas para as ações de empresas de serviços financeiros, como a B3 (B3SA3). Para eles, os resultados da bolsa devem se beneficiar do aumento dos volumes negociados no mercado brasileiro. O Goldman Sachs também possui indicação de compra para as ações das empresas de maquininhas de cartão PagSeguro e Stone, negociadas em Nova York, e neutra para a Cielo (CIEL3), que é listada na B3.

Confira a seguir mais detalhes sobre as recomendações dos analistas para os papéis do Itaú, Bradesco e B3.

Itaú: Rentabilidades altas são difíceis de manter

Recomendação: venda

Preço-alvo: R$ 31,00 (-11%)

"Esperamos um crescimento de 7% na carteira de crédito para o Itaú, que é um pouco abaixo piso do guidance [estimativa] do banco, que varia de 8 a 11%. No entanto, achamos que até mesmo o nível mais baixo pode ser muito otimista em um ano em que o crescimento do PIB deverá ser de apenas 1,2%."

"Acreditamos que a rentabilidade (ROE) deve cair gradualmente nos próximos anos. Na verdade, o Itaú nunca entregou o ROE acima de 20% em um ano de taxas de juros de um dígito."

Bradesco: Recuperação já está no preço

Recomendação: venda

Preço-alvo: R$ 31,00 (-17%)

"Acreditamos que o banco se beneficiou de uma recuperação cíclica nos empréstimos a pequenas e médias empresas, ao mesmo tempo em que extraiu sinergias do HSBC Brasil (adquirido em meados de 2016) para melhorar o ROE [rentabilidade sobre o patrimônio) para o nível de 19%. No entanto, achamos que mais melhorias na lucratividade serão mais difíceis de obter."

"Embora o banco tenha mostrado bom progresso com seu banco digital Next, é difícil quantificar os benefícios tangíveis além do número de correntistas, que deve chegar a 1,5 milhão no fim de 2019. De positivo, a exposição de 30% dos lucros ao negócio de seguros torna o banco defensivo, mas achamos que isso já é considerado na avaliação da ação."

B3: Alavancada para uma recuperação, mas com menos risco de queda

Recomendação: compra

Preço-alvo: R$ 41,00 (+10%)

"A empresa desfruta de uma posição de liderança na maioria de suas linhas de negócios e deve se beneficiar de um ciclo de melhora da economia e de mercado de capitais. De fato, as negociações com ações e derivativos, as emissões de renda fixa e as vendas e financiamentos de veículos, todos se beneficiam de taxas de juros mais baixas."

"Embora a ação tenha superado o Ibovespa (74% contra 28% nos últimos 12 meses), acreditamos que o valor permanece atraente em comparação aos concorrentes globais (...) Além disso, a B3 não possui o risco de crédito associado aos bancos."

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

MERCADOS AO VIVO

Bolsa hoje: Ibovespa futuro sobe após IPCA-15 levemente acima do esperado; dólar abre com estabilidade a R$ 5,22

RESUMO DO DIA: O último pregão da semana é marcado pelo apetite de risco dos investidores, que passaram por dias de alta volatilidade nas bolsas. Sem maiores destaques para o dia no exterior, os índices sobem, digerindo as falas de representantes dos Bancos Centrais. Por aqui, o destaque do Ibovespa vai para a divulgação do […]

SEU DINHEIRO EXPLICA

Petrobras (PETR4) é culpada ou inocente? Qual o papel da estatal na disparada dos preços da gasolina e do diesel

Aumentou a chance da alta dos preços dos combustíveis cair na conta da Petrobras. Mas será que a estatal é mesmo culpada ou está sendo vítima de uma injustiça?

CAÇADOR DE TENDÊNCIAS

Oportunidade de lucro de mais de 7% em swing trade com a Via (VIIA3); confira a recomendação

Identifiquei uma oportunidade de swing trade – compra dos papéis da Via (VIIA3). Veja os detalhes da análise

O melhor do Seu Dinheiro

Pecado Capital e as decisões de empresas; confira a história do dia e outras notícias que mexem diretamente com os seus investimentos hoje

Dinheiro na mão é vendaval, dinheiro na mão é solução — e solidão. Entenda como as escolhas das companhias podem impactar seu bolso.

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: Bolsas internacionais avançam na busca por barganhas; Ibovespa aguarda IPCA-15 e debates sobre combustíveis hoje

O índice local ainda reage ao teto de 17% do ICMS sobre combustíveis, aprovado pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, na noite de ontem

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies