🔴 PRIO3 E +9 AÇÕES PARA COMPRAR AGORA – ASSISTA AQUI

Estadão Conteúdo
Cedo para comemorar

Para IBGE, alta na indústria não significa trajetória consolidada de recuperação

Gerente da Coordenação do instituto lembra que o crescimento obtido nos anos de 2017 e 2018 ainda não foi suficiente para tirar a indústria do patamar de produção registrado no primeiro trimestre de 2009

Estadão Conteúdo
2 de abril de 2019
13:35 - atualizado às 15:10
indústria-brasileira
Indústria brasileira - Imagem: José Cruz/Agência Brasil

A alta de 0,7% na produção industrial na passagem de janeiro para fevereiro ainda não significa uma recuperação do setor, avaliou André Macedo, gerente da Coordenação de Indústria do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

"Embora tenha melhorado na margem da série (na comparação com o mês anterior), isso não significa que a produção tenha trajetória ascendente ou consolidada de recuperação", afirmou Macedo.

Embora a média móvel trimestral tenha voltado a ficar positiva em fevereiro, com ligeiro aumento de 0,1%, a taxa acumulada em 12 meses, com alta de 0,5%, manteve a trajetória de desaceleração iniciada em junho do ano passado. Os dados são da Pesquisa Industrial Mensal - Produção Física, divulgados pelo IBGE.

O pesquisador lembra que a indústria vem de uma base de comparação depreciada, com perdas significativas acumuladas de 2014 a 2016.

Ainda assim, o crescimento obtido nos anos de 2017 e 2018 ainda não foi suficiente para tirar a indústria do patamar de produção registrado no primeiro trimestre de 2009. "A gente não consegue sair desse patamar de produção de 2009", alertou.

Macedo aponta que o ambiente de incertezas elevadas tem afetado os investimentos em bens de capital, além e adiado o consumo das famílias. O mercado de trabalho ainda longe de mostrar uma melhora consistente - com um grande contingente de desempregados e desalentados - contribui para inibir a demanda doméstica.

"E 2019 já tem um adicional negativo vindo do setor extrativo", lembrou Macedo, referindo-se ao rompimento da barragem a Vale em Brumadinho, Minas Gerais, que derrubou o desempenho das indústrias extrativas.

Dias úteis
O mês de fevereiro de 2019 teve dois dias úteis a mais que fevereiro de 2018, impulsionando a alta de 2,0% registrada pela produção industrial brasileira no período. "Se eu tratasse com ajuste sazonal, tirasse o efeito de feriados móveis como o carnaval, a produção teria tido uma queda de 1,3%", calculou André Macedo.

Macedo ressaltou que o desempenho positivo de fevereiro deste ano também pode ter sido estimulado por uma antecipação da produção, em função da expectativa pelo feriado de carnaval no mês de março.

Segmentos
A indústria registrou alta na produção em 17 entre 26 as atividades pesquisadas em fevereiro de 2019 ante fevereiro de 2018. O principal impacto positivo partiu da fabricação de veículos automotores, reboques e carrocerias (16,4%), impulsionada pelos automóveis, caminhões, reboques e semirreboques e autopeças.

Outras contribuições relevantes foram de coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (6,8%), produtos alimentícios (4,2%), produtos de metal (6,1%), bebidas (5,0%), máquinas e equipamentos (3,5%), produtos de minerais não-metálicos (4,6%), máquinas, aparelhos e materiais elétricos (3,7%), manutenção, reparação e instalação de máquinas e equipamentos (6,1%) e produtos diversos (8,0%).

Por outro lado, entre as nove atividades em retração, a principal influência negativa para a média global foi das indústrias extrativas (-9,9%), pressionada pelo item minérios de ferro, refletindo os efeitos do rompimento de uma barragem da Vale na região de Brumadinho, em Minas Gerais.
Outras perdas relevantes ocorreram em celulose, papel e produtos de papel (-3,0%), produtos de madeira (-7,5%), metalurgia (-1,6%) e equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos (-3,1%).

Difusão
O índice de difusão - que mostra o porcentual de produtos com avanço na produção - aumentou de 41,4% em janeiro para 53,2% em fevereiro.

Compartilhe

CENSO 2022

IBGE abre novo concurso para Censo 2022 com salários de até R$ 2,1 mil; saiba como se inscrever

14 de setembro de 2022 - 17:31

O órgão está recrutando recenseadores e agentes censitários municipais e supervisores; as inscrições vão até a próxima sexta-feira (16)

O QUE VEM POR AÍ

Inflação no Brasil e nos EUA, atividade e juros na Europa; confira a agenda completa de indicadores econômicos da semana que vem

3 de junho de 2022 - 19:06

Nesta semana, o grande destaque no Brasil fica por conta do IPCA, o índice de inflação que serve de referência para a política monetária do BC

O QUE VEM POR AÍ

PIB do 1º tri e inflação na Zona do Euro: confira a agenda dos indicadores da semana aqui e no exterior

29 de maio de 2022 - 14:00

Nesta semana, o destaque entre os indicadores é o PIB brasileiro no primeiro trimestre. Lá fora, inflação e atividade também estão no centro

O QUE VEM POR AÍ

É semana de PIB! Saiba o que esperar da atividade no Brasil e confira o calendário completo de indicadores da semana

27 de maio de 2022 - 18:34

Teremos a oportunidade de entender melhor como a economia brasileira tem se comportado em um cenário de juros em alta e inflação crescente pelo mundo

O QUE VEM POR AÍ

Ata do Fed e IPCA-15: confira a agenda de indicadores da semana aqui e lá fora

22 de maio de 2022 - 14:00

Nos Estados Unidos, a segunda prévia do PIB no primeiro trimestre também é destaque; na Europa, o PIB da Alemanha é o principal dado

FIQUE DE OLHO

Em semana de ata do Fed, destaque no Brasil fica por conta do IPCA-15; confira a agenda completa de indicadores

20 de maio de 2022 - 18:43

Nos Estados Unidos, a segunda prévia do PIB no primeiro trimestre também é destaque; na Europa, o PIB da Alemanha é o principal dado

DADOS DO VAREJO

Magazine Luiza, Via e Americanas podem ter caminho difícil pela frente: dados do IBGE mostram que varejo ainda patina no Brasil

10 de março de 2022 - 15:30

O volume vendido total subiu mas apenas três das oito atividades pesquisadas avançaram. Além de tudo, depois do ajuste nos dados, o desempenho positivo de janeiro não recupera nem a metade da perda de dezembro

FIQUE DE OLHO

Agenda de indicadores: Destaque da semana, inflação pelo IPCA deve apresentar desaceleração — e a política monetária ainda tem pouco a ver com isso; entenda

4 de fevereiro de 2022 - 18:02

Segundo a LCA, o indicador deve fechar o mês em 0,60%, em desaceleração frente os 0,73% de dezembro. Esse alívio, no entanto, reflete a dinâmica dos preços no início do ano — as altas na Selic só farão efeito mais adiante

FIQUE DE OLHO

Agenda de indicadores: primeira decisão do Copom do ano sobre a Selic é destaque; veja o calendário da próxima semana

28 de janeiro de 2022 - 17:51

Na semana seguinte à decisão do Fed que confirmou a expectativa de que a autoridade monetária norte-americana deve começar a aumentar a taxa de juros a partir de março, é a vez do Banco Central brasleiro anunciar para onde vai a Selic

NO PARABRISA DA ECONOMIA

Agenda de indicadores: Fique por dentro dos números que mexem com o mercado na próxima semana

7 de janeiro de 2022 - 16:57

O grande destaque entre os indicadores da economia previstos para a próxima semana é a inflação medida pelo IPCA. Confira a agenda completa

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies