Menu
2019-09-27T16:35:00-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
A pauta é IGP-M

Inflação do aluguel cai 0,01% em setembro, diz FGV

No ano, o IGP-M acumulou elevação de 4,09% e, em 12 meses, passou de 4,95% até agosto para 3,37% no período até setembro

27 de setembro de 2019
9:49 - atualizado às 16:35
Aluguel ou compra de imóvel
Aluguel - Imagem: Shutterstock

A Fundação Getulio Vargas (FGV) anunciou hoje que o Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M), conhecida como a inflação do aluguel, caiu 0,01% em setembro. O resultado do mês reduz o ritmo de queda que vinha acompanhando o índice e que havia registrado um recuo de 0,67% em agosto.

No ano, o IGP-M acumulou elevação de 4,09% e, em 12 meses, passou de 4,95% até agosto para 3,37% no período até setembro.

  • Veja agora: Pela primeira vez em 42 anos, um dos maiores grafistas do Brasil vai revelar seus segredos para ganhar no mercado de criptomoedas. Leia mais aqui

Influência

O resultado do IGP-M foi composto por uma queda do Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA-M), de 0,09%, também menos intensa do que no mês anterior (-1,14%), e no Índice de Preços ao Consumidor (IPC-M), de 0,04% (ante alta de 0,23%).

Já o Índice Nacional de Custo da Construção (INCC-M), avançou de 0,34% para 0,60% entre agosto e setembro. O IPA industrial seguiu com a tendência de deflação, embora também em ritmo reduzido: de 1,31% em agosto para 0,61% nesta divulgação. Em 12 meses, o setor tem alta de 3,63% nos preços e, no acumulado do ano, de 4,32%.

A menor do mês desde 2005

Ainda que tenha reduzido a deflação frente a agosto, o IGP-M de setembro registrou a menor taxa para o mês desde 2005 (-0,53%), diz o economista André Braz, do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV), que divulga o índice.

Braz acrescenta que a taxa próxima da estabilidade tampouco significa uma piora do cenário de inflação. Segundo o economista, tanto o Índice de Preços ao Consumidor (IPC-M) quanto o Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) devem fechar o ano próximos de 3,50%, o que também indica um desempenho do IGP-M bem aquém de 2018 (7,54%).

No nono mês, segundo Braz, a deflação menor do IGP-M frente a agosto foi influenciada pela queda menos intensa de minério de ferro (-7,47% para -6,86%), e pela aceleração de soja (1,80% para 8,12%) e de derivados, como o farelo (-2,19% para 0,23%), assim como de milho (-2,82% para 0,38%). No caso dos grãos, o economista avalia que o encarecimento tem relação com a redução da oferta global.

Já houve também aumento de óleo diesel, de -0,57% para 3,56%, e de óleos lubrificantes (-0,21% para 1,17%), como resultado do reajuste de alta da Petrobras após o ataque a refinarias na Arábia Saudita.

Esse tem sido um dos únicos impactos da depreciação cambial sobre os preços, mesmo no atacado, diz Braz. O dólar médio subiu 5,28% entre agosto e setembro, mas o economista diz que o repasse tem sido muito limitado pela demanda fraca. "Pode ter alguma influência também sobre a aceleração de grandes commodities e de minério de ferro, mas não é a causa predominante."

Outubro

Em outubro, a expectativa de Braz é de que o IGP-M volte a subir, com a continuidade dos aumentos de combustíveis, grãos e também com a expectativa de redução da deflação de alimentos in natura, tanto no IPA quanto no IPC, que registram recuo de 0,09% e 0,04% em setembro, respectivamente. Nesta sexta-feira, a Petrobras anunciou outro reajuste de gasolina, de 2,50%. No IPC de setembro, o derivado de petróleo ainda teve queda de 0,53%, após -0,43%.

"A gasolina deve ser uma pressão para outubro, como reflexo dos desdobramentos do ataque na Arábia Saudita, mas não deve ter fôlego para dominar o mês todo. Não será algo destacado, porque os aumentos não foram grandes, mas vai contribuir para aceleração do IPC e do IPA", avalia Braz.

A perspectiva de continuidade de encarecimento de grãos também deve se refletir em proteínas, acrescenta Braz, porque a soja é matéria-prima para a ração bovina e o milho, para a de frango.

*Com Estadão Conteúdo.
Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

escolha da CEO

Criptomeme bilionário, $moda$ de Hering e Arezzo, aposta contra o BC… veja o que bombou na semana no Seu Dinheiro

Você apostaria contra o Banco Central do Brasil?  Não falo de apostas mequetrefes com a turma do escritório, do tipo “quem perder paga uma rodada”.  Estou falando de colocar o seu patrimônio em investimentos que podem dar retornos altos se o BC estiver errado. Pois é justamente o que defende Rogério Xavier, da SPX Capital, um […]

empresa de porto alegre

Startup Zenvia entra com pedido de IPO na Nasdaq

Empresa quer levantar até US$ 100 milhões; oferta terá seus recursos destinados para pagar o montante utilizado na aquisição da startup D1, entre outros

LDO

LDO de 2022 prevê ‘vacinas’ contra manobras do Orçamento

Proposta exclui a possibilidade de indicação das emendas de relator e proíbe o Congresso de subestimar despesas obrigatórias sem aval do Executivo

negociações no varejo

Negociação de venda da Hering à Arezzo envolve questões de negócio e familiares

Alta cúpula da Arezzo passou os últimos dias em reuniões e deverá formar um grupo de trabalho para tratar sobre a proposta para a Hering, afirmou uma fonte

fique de olho

Itaú anuncia pagamento de juros sobre capital próprio

Serão R$ 0,05648 por ação, com retenção de 15% de imposto de renda na fonte; pagamento é uma antecipação aos aos dividendos e JPC do resultado de 2021

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies