🔴 RENDA MÉDIA DE R$ 21 MIL POR MÊS COM 3 CLIQUES – SAIBA COMO

Cotações por TradingView
Estadão Conteúdo
Índice geral de preços

IGP-M desacelera a 0,60% em junho, na menor alta desde maio de 2020, diz FGV

Esta foi a menor alta desde maio de 2020, quando o IGP-M teve variação de 0,28%. No ano, o indicador já alcançou alta de 15,08%

Estadão Conteúdo
29 de junho de 2021
9:20 - atualizado às 9:26
IGP-M
Imagem: Shutterstock

O Índice Geral de Preços (IGP-M) registrou forte arrefecimento em junho, a 0,60%, de 4,10% em maio, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV) nesta terça-feira (29).

Esta foi a menor alta desde maio de 2020, quando o IGP-M teve variação de 0,28%. No ano, o indicador já alcançou alta de 15,08%. No acumulado em 12 meses até junho, chegou a 35,75%, de 37,04% até maio.

Na abertura do IGP-M de junho, houve desaceleração em dois dos três índices. A mais significativa ocorreu no Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA-M), de 5,23% para 0,42%, a menor taxa desde fevereiro de 2020 (-0,19%). Em 12 meses, o IPA acumula 47,53% de alta, após 50,21% até maio.

O Índice de Preço ao Consumidor (IPC-M) arrefeceu de 0,61% para 0,57%, chegando a 7,94% no acumulado em 12 meses até junho. Já o Índice Nacional de Custo da Construção (INCC-M) passou de 1,80% para 2,30%, com 16,88% em 12 meses.

No IPC-M, cinco das oito classes de despesa componentes do índice registraram decréscimo em suas taxas de variação em junho. A principal contribuição foi de Saúde e Cuidados Pessoais, de 0,89% para 0,07%, com destaque para medicamentos em geral, cuja taxa passou de 2,39% em maio para 0,62% em junho.

Também apresentaram alívio em suas taxas de variação os grupos Comunicação (0,67% para -0,03%), Habitação (1,16% para 1,10%), Educação, Leitura e Recreação (-0,59% para -0,69%) e Vestuário (0,45% para 0,40%). Nessas classes de despesa, as maiores influências partiram de combo de telefonia, internet e TV por assinatura (1,35% para -0,03%), tarifa de eletricidade residencial (4,38% para 3,30%), boneca (1,40% para -0,41%) e calçados (0,57% para -0,02%).

Os grupos Transportes (0,75% para 1,43%) e Despesas Diversas (0,19% para 0,29%), por sua vez, avançaram em relação ao mês anterior. Os itens gasolina (1,03% para 2,72%) e alimentos para animais domésticos (1,02% para 2,60%) exerceram pressão de alta. Já Alimentação repetiu a taxa de 0,31% em junho, com destaques para laticínios (0,15% para 1,86%), em sentido ascendente, e hortaliças e legumes (0,43% para -4,06%), em sentido oposto.

Segundo a FGV, os itens que mais contribuíram para a desaceleração do IPC-M em junho foram passagem aérea (-6,98% para -7,28%), banana-prata (-5,65% para -10,19%) e xampu, condicionador e creme (-1,33% para -3,22%), seguidos de perfume (0,84% para -1,90%) e cebola (-1,69% para -10,37%).

As principais influências individuais de alta foram, além de gasolina, tarifa de eletricidade residencial (4,38% para 3,30%), etanol (3,53% para 9,92%), plano e seguro de saúde (0,84% para 0,87%) e condomínio residencial (1,10% para 1,43%).

IPAs

Dentro do IGP-M, o IPA agropecuário inverteu o sinal e cedeu 0,90% em junho, após subir de 5,17% em maio, enquanto os produtos industriais - medidos pelo IPA Industrial - desaceleraram de 5,25% no último mês para 0,94% nesta leitura. Com o arrefecimento, a inflação acumulada pelo IPA cheio em 12 meses caiu de 50,21% para 47,53%, com alívio tanto no total da abertura industrial (47,81% para 45,41%) quanto nos produtos agropecuários (56,68% para 53,29%).

"A combinação de valorização do real com o recuo dos preços em dólar de commodities importantes fez o grupo matérias-primas brutas do IPA cair 1,28% em junho, ante alta de 10,15% no mês passado. Com este movimento, a taxa do IPA registrou expressiva desaceleração fechando o mês com alta de 0,42%", observou, em nota, o coordenador de Índices de Preços da FGV, André Braz.

Nas aberturas por estágios de processamento, a contração das matérias-primas brutas (1,28% para -10,15%) foi puxada por recuo do minério de ferro (20,64% para -3,04%), soja em grão (3,74% para -4,71%) e milho em grão (10,48% para -5,50%). Na outra ponta, ajudaram a conter a queda dos preços o leite in natura (1,24% para 6,20%), bovinos (0,41% para 1,19%) e aves (3,82% para 4,96%).

Os preços de bens finais também recuaram, de 1,59% em maio para 1,32% em junho, puxados por alívio dos preços de alimentos processados (2,98% para 2,45%). A variação dos bens intermediários arrefeceu de 2,59% para 1,78%, puxada por alívio dos materiais e componentes para a manufatura, de 3,32% para 1,71%.

Nos 12 meses até junho, matérias-primas brutas acumulam alta de 71,28%, bens intermediários sobem 47,47% e bens finais avançam 23,12%.

Influências individuais

A cana de açúcar desacelerou de 18,65% para 7,73% entre maio e junho, mas ainda assim foi a maior influência para cima nos preços do IPA-M desta leitura. A FGV também destaca como influências para cima o café em grão (8,82% para 8,15%) e carne bovina (5,04% para 2,56%), além do leite in natura e das aves.

Na outra ponta, pressionaram o índice para baixo o farelo de soja (-0,25% para -4,62%) e os suínos (14,89% para -13,50%), além do minério de ferro, soja em grão e milho em grão.

Compartilhe

MEMÓRIA

Quem foi Affonso Celso Pastore, ex-presidente do BC e referência entre os economistas ortodoxos

21 de fevereiro de 2024 - 12:08

Da negociação da dívida externa nos anos 1980 à assessoria econômica na pré-candidatura de Sergio Moro, conheça a trajetória de Pastore

UMA FANTÁSTICA FÁBRICA DE CHOCOLATES

Noites do Terror com chocolate? O que a Cacau Show pretende com a compra do Playcenter

21 de fevereiro de 2024 - 9:36

Valor da compra do Grupo Playcenter pela Cacau Show não foi revelada; negócio ainda depende da aprovação do Cade

LOTERIAS

Parece tão fácil que quase estraga: 7 apostas dividem a Lotofácil; Mega-Sena e Quina acumulam ainda mais

21 de fevereiro de 2024 - 5:47

Enquanto a Lotofácil faz jus à fama de loteria menos difícil da Caixa, a Mega-Sena e a Quina continuam fazendo jogo duro

LOTERIAS

Lotofácil começa semana com 2 ‘quase-milionários’; Quina acumula e Mega-Sena promete uma fortuna hoje

20 de fevereiro de 2024 - 5:48

Ganhadores da Lotofácil estão separados por milhares de quilômetros; Mega-Sena está acumulada em R$ 87 milhões

PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

É MEI e está devendo para o banco ou para a Receita? Governo prepara ‘Desenrola’ para pequenas empresas que pode beneficiar 8 milhões de CNPJs

19 de fevereiro de 2024 - 17:32

A intenção é lançar até o mês que vem a versão para pessoas jurídicas do Desenrola Brasil

BOMBOU NO SD

O carnaval da bolsa, ‘petróleo branco’ na mira do BNDES e inflação recorde na Argentina — confira os destaques do Seu Dinheiro na semana

18 de fevereiro de 2024 - 10:13

Além da pulga atrás da orelha com o Carnaval, os leitores também buscaram se informar sobre a confirmação dos boatos de o BNDES quer financiar uma planta de refino de lítio, o recorde de inflação nda Argentina, uma nova fusão entre petroleiras e como fica um inventário com previdência privada

LOTERIAS

Dois sortudos dividem prêmio milionário da Lotofácil; Mega-Sena acumula e vai a R$ 87 milhões

18 de fevereiro de 2024 - 8:31

Uma aposta feita por meio de canais eletrônicos e outra realizada em uma lotérica de Blumenau, Santa Catarina, acertaram os 15 números sorteados ontem

AUTOMÓVEIS

Estes carros vão te levar mais longe: conheça os 5 modelos a diesel, gasolina, híbridos e elétricos com maior autonomia do mercado

18 de fevereiro de 2024 - 7:51

Da Ford Ranger ao Polo, elencamos os carros com maior autonomia à venda no Brasil, perfeitos para aquela viagem e para quem detesta parar no posto para abastecer

LOTERIAS

Esqueça Mega-Sena, Lotofácil e Quina: o novo milionário do Brasil vem de outra loteria

16 de fevereiro de 2024 - 5:54

Quando a Lotofácil, a Mega-Sena e a Quina furam, a Caixa Econômica Federal parece ter sempre uma loteria pronta para fazer um novo milionário

LOTERIAS

Lotofácil faz novos milionários em bolão na Grande SP; Quina acumula e Mega-Sena pode pagar uma fortuna hoje

15 de fevereiro de 2024 - 5:51

De acordo com a Caixa Econômica Federal, bolão ganhador da Lotofácil foi dividido em 3 cotas; Mega-Sena está acumulada em R$ 53 milhões

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies