Menu
2019-06-27T10:01:06-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
IGP-M do mês

Inflação do aluguel acelera em junho e acumula alta de 4,38% ao ano

O Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M) subiu 0,80% em junho, ante 0,45% de maio; dados são da FGV divulgados nesta quinta-feira, 27

27 de junho de 2019
10:00 - atualizado às 10:01
Ilustração de imóveis e engrenagens
Imagem: urfin/Shutterstock

O Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) subiu 0,80% em junho, ante 0,45% de maio. Os dados são da Fundação Getulio Vargas (FGV) divulgados nesta quinta-feira, 27.

O IGP-M é também conhecido como inflação do aluguel. O índice é utilizado para calcular valor de reajustes na mensalidade.

Com o resultado de junho, o IGP-M passou a acumular altas de 4,38% no ano e de 6,51% nos últimos 12 meses. Em junho de 2018, o índice havia subido 1,87% no mês e acumulava alta de 6,92% em 12 meses.

O resultado também veio acima da mediana das estimativas do mercado financeiro, calculada em 0,72% em levantamento Projeções Broadcast. O piso do intervalo das previsões era 0,48% e o teto, 0,83%.

IPA

Os preços dos produtos agropecuários no atacado (IPA Agrícola) no âmbito do IGP-M subiram 1,04% em junho, informou a FGV.

No mês anterior, o IPA Agropecuário havia caído 2,12%. Com a variação de junho, os preços agropecuários passaram a acumular alta de 5,26% no ano e avanço de 3,38% no período de 12 meses encerrado em junho.

O IPA Industrial, por sua vez, subiu 1,19% em junho depois de ter subido 1,43% em maio. No acumulado do ano, o IPA Industrial avançou 5,57% e em 12 meses, 9,46%.

*Com Estadão Conteúdo 

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

COLUNA DO PAI RICO PAI POBRE

3 passos para sobreviver à crise atual no mercado

Um investidor inteligente com educação financeira se concentra menos no que não pode ser controlado — o preço, por exemplo — e mais no que pode ser controlado, como as taxas de juros fixas e as taxas de retorno.

Acabou a crise?

A maldição de maio não pegou de novo: bolsa foi o melhor investimento do mês, e dólar foi o pior

Pelo segundo ano consecutivo, a máxima “sell in may and go away” não se fez valer. Ativos de risco se saíram bem em maio, mas títulos públicos de longo prazo e o dólar tiveram desempenho negativo

Covid no Brasil

Brasil chega a 465,1 mil casos por coronavírus e 27,8 mil mortes

Do total de casos confirmados, 189.476 pacientes foram recuperados

Agência de telecomunicações

Anatel acata decisão judicial e aprova regra que retira sigilo de ligações

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) regulamentou a questão ontem, 28, em cumprimento a uma decisão da Justiça Federal do Sergipe

seu dinheiro na sua noite

Adam Smith e o PIB da pandemia

A economia funciona desta forma: a produção de bens e serviços só existe em função do consumo. Essa conclusão não é minha, é claro, mas de Adam Smith. Citar o “pai” do liberalismo em um raro momento de consenso sobre a necessidade de maior atuação do Estado para conter os efeitos do coronavírus na economia […]

De novo

CVC adia mais uam vez entrega do balanço do quarto trimestre de 2019

A operadora e agência de viagens CVC informou nesta sexta-feira, 29, que as suas demonstrações financeiras referentes ao exercício de 2019 só devem ser apresentadas até 31 de julho

Auxílio emergencial

Caixa abre mais de 2 mil agências no sábado

Por enquanto, apenas quem recebeu a primeira parcela até 30 de abril e nasceu em janeiro pode sacar o valor

Saldo positivo

Após muita volatilidade, dólar acumula queda de 1,83% em maio; Ibovespa sobe 8,57% no mês

Uma suavização nos fatores de risco domésticos e globais permitiu que o dólar se despressurizasse em maio e levou o Ibovespa de volta aos 87 mil pontos

Presidente da Câmara

Maia rechaça aumento de impostos para suprir queda na receita e defende reformas

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse que considera difícil qualquer tipo de aumento na carga tributária para compensar a queda de receita pública por causa da pandemia de covid-19

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements