Menu
2019-10-30T17:39:00-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
108.407,54 pontos

Ibovespa sobe e crava um novo recorde após corte de juros nos EUA; dólar cai

O Federal Reserve promoveu uma nova redução nos juros dos EUA e deu a entender que o ciclo de cortes será interrompido. Esse ajuste negativo e a clareza na mensagem quanto ao futuro agradaram o mercado, fazendo o Ibovespa subir e renovar a máxima de encerramento

30 de outubro de 2019
10:36 - atualizado às 17:39
Selo marca a cobertura de mercados do Seu Dinheiro para o fechamento da Bolsa
Selo marca a cobertura de mercados do Seu Dinheiro para o fechamento da Bolsa - Imagem: Seu Dinheiro

A confirmação de um novo corte de juros nos Estados Unidos deu impulso ao Ibovespa, fazendo-o virar ao campo positivo depois de passar a primeira metade do pregão no vermelho. Mais que isso: o índice buscou novamente o patamar dos 108 mil pontos e atingiu um novo recorde de fechamento.

Durante a manhã, o Ibovespa chegou a cair 0,87%, aos 106.622,01 pontos, mas mudou de tendência a partir das 15h00, quando o Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) reportou sua decisão de juros. Nas duas últimas horas de pregão, o índice ganhou força pouco a pouco, terminando o dia em alta de 0,79%, aos 108.407,54 pontos.

Com o desempenho de hoje, o Ibovespa já acumula ganhos de 3,50% em outubro — desde o início do ano, já avançou 23,35%. Vale lembrar que, em 8 de outubro, o índice chegou a ficar abaixo dos 100 mil pontos.

No exterior, a reação dos mercados à postura do Fed foi igualmente positiva: o S&P 500 terminou em alta de 0,33%, aos 3.046,77 pontos, também cravando um novo recorde de encerramento; o Dow Jones (+0,43%) e o Nasdaq (+0,33%) subiram, mas sem atingir novas máximas.

O Fed cortou os juros do país em 0,25 ponto, para o intervalo entre 1,5% e 1,75% ao ano, mas deu a entender que o ciclo de cortes será interrompido. No comunicado, a instituição diz que vai continuar monitorando os dados econômicos para definir os próximos passos.

O mercado já apostava nesse movimento, em meio aos sinais de desaceleração econômica nos Estados Unidos e aos temores de aprofundamento na guerra comercial com a China. Assim, os agentes financeiros estavam atentos aos sinais em relação ao futuro — e o tom adotado pelo Fed em sua comunicação foi bem recebido.

No comunicado, o BC americano deixou de falar que iria atuar "de maneira apropriada" para sustentar a expansão da economia — uma expressão que vinha sendo entendida como senha para novas reduções. E, em coletiva de imprensa, o presidente da instituição, Jerome Powell, reforçou essa mensagem.

Entre outros pontos, o executivo disse que o Fed continuará atento aos dados econômicos e aos efeitos dos cortes de juros que já foram promovidos até aqui — segundo Powell, essas reduções ainda não foram totalmente assimiladas pela economia real dos EUA.

"O Fed conseguiu passar muito bem a mensagem da pausa [no corte de juros]", diz Victor Cândido, economista-chefe da Journey Capital. "E fez isso sem causar pânico".

O mercado de câmbio também reagiu bem à decisão do Fed: o dólar à vista terminou o dia em baixa de 0,40%, a R$ 3,9867, revertendo a tendência de alta que era vista durante a manhã — é a menor cotação desde 13 de agosto (R$ 3,9678). No exterior, a moeda americana também perdeu força em relação às divisas de países emergentes.

Super quarta-feira

Por aqui, o Copom define a nova taxa Selic após o fechamento dos mercados. A maior parte dos agentes financeiros aposta numa nova redução de 0,5 ponto na taxa básica de juros, mas uma pequena parcela dos investidores vê espaço para um movimento mais radical, com um corte de 0,75 ponto.

De qualquer maneira, os mercados também estarão de olho nas possíveis sinalizações futuras por parte do Banco Central (BC), atentos aos indícios quanto ao fim do ciclo de reduções nos juros brasileiros.

Nesse cenário, e de olho no alívio gerado pela decisão do Fed, os DIs com vencimento em janeiro de 2021 fecharam em queda de 4,36% para 4,35%. Na ponta longa, as curvas para janeiro de 2023 recuaram de 5,36% para 5,35%, e as para janeiro de 2025 foram de 6,05% para 6,03%.

Balanços, balanços, balanços

Na bolsa brasileira, o dia também foi marcado pelas perdas intensas de Cielo ON (CIEL3), que caiu 3,65% e liderou a ponta negativa do Ibovespa. O mercado reagiu negativamente à queda de 51,7% no lucro líquido da empresa no terceiro trimestre desse ano, para R$ 358,1 milhões — resultado abaixo das projeções dos analistas.

Outro ativo que teve um desempenho ruim nesta quarta-feira foi a unit do Santander Brasil (SANB11), em baixa de 1,66%, apesar de o banco ter reportado lucro líquido de R$ 3,705 bilhões entre julho e setembro desse ano, cifra 19,2% maior na base anual — a rentabilidade da instituição ficou em 21,1%.

Por outro lado, Magazine Luiza ON (MGLU3) disparou 6,97% e teve o melhor desempenho do índice — a empresa surpreendeu o mercado e reportou um lucro líquido de R$ 235,1 milhões no trimestre, um crescimento de 96,6% em um ano.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Mais uma para a lista

Empresa de shoppings Almeida Junior faz pedido de IPO na CVM

Acionista vendedor é Jaimes Bento Almeida Júnior, fundador da empresa

Seu Dinheiro na sua noite

Um brilho no futuro da Oi

Em recuperação judicial desde 2016 e com uma dívida bilionária, a Oi é uma empresa que divide a opinião de analistas do mercado. Para uns, as ações da tele representam uma aposta de risco, porém com chances de render uma bolada caso o turnaround seja bem-sucedido. Para outros, no entanto, o risco se mostra excessivo, […]

Olha o dinheiro aí

Conselho de administração do Bradesco aprova pagamento de R$ 490,9 milhões em dividendos complementares

O conselho de administração do Bradesco aprovou nesta segunda-feira (17) o pagamento de dividendos complementares, relativos a 2019, no valor de R$ 490.918.326,17. Nesse total, serão pagos R$ 0,058213963 por ação ordinária e R$ 0,064035359 por ação preferencial do banco. O pagamento ocorrerá em 2 de fevereiro, sem retenção de Imposto de Renda na fonte. […]

Martelo batido

Braskem assina acordo de R$ 40 milhões com Ministério Público do Trabalho e põe fim a ação civil

A Braskem anunciou nesta segunda-feira (17) a assinatura de um termo de acordo com o Ministério Público do Trabalho (MPT) que visa a implementação de um Programa para Recuperação de Negócios e Promoção de Atividades Educacionais na cidade de Maceió, Alagoas. No total, a empresa vai desembolsar R$ 40 milhões para colocar o programa em […]

Agora vai?

Maia sinaliza que comissão mista da reforma tributária será formada nesta semana

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse acreditar na formação da comissão mista da reforma tributária nesta semana. “Acredito que sim”, respondeu Maia quando perguntado sobre a possibilidade. É esta a expectativa, reforçou, do relator da proposta, deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB). Na semana passada, a secretaria do Congresso Nacional pediu aos líderes da Câmara […]

Recuperação

Com o noticiário corporativo em foco, Ibovespa fecha em alta e retoma os 115 mil pontos

Focado nos balanços trimestrais e nas sinalizações positivas vindas da China, o Ibovespa passou o dia em alta e se recuperou das perdas recentes. O dólar à vista, por outro lado, teve uma sessão mais pressionada e voltou ao patamar de R$ 4,32

Dados do BC

Reservas internacionais subiram US$ 157 milhões no dia 14, para US$ 358,955 bilhões

De acordo com o Banco Central, o resultado é uma consequência da oscilação do valor de mercado dos ativos que compõem as reservas

Novo projeto

Bolsonaro diz que governo está na iminência de mandar a reforma administrativa

Presidente disse que a proposta ainda pode passar por novas alterações ao longo da semana

Na ponta do lápis

Estudo do Banco Central discute objetivos de modalidades de recolhimentos compulsórios

Uma das conclusões é que o nível atual dos compulsórios sobre depósitos à vista está adequado para o cumprimento de sua função

Impacto negativo

Coronavírus pode acentuar enfraquecimento do comércio no 1º trimestre

“O crescimento anual do comércio pode cair no período, embora as estatísticas oficiais para confirmar a hipótese só estejam disponíveis em junho”, disse a instituição

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements