Menu
2019-11-01T18:00:31-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Perto do recorde

A economia americana deu um sinal de força e impulsionou o Ibovespa aos 108 mil pontos

O Ibovespa e as bolsas globais ganharam tração nesta sexta, em meio à surpresa positiva com os dados do mercado de trabalho dos EUA

1 de novembro de 2019
10:33 - atualizado às 18:00
EUA com força
Imagem: Shutterstock

Os mercados globais encerraram a sessão da última quinta-feira (31) com a pulga atrás da orelha. Afinal, teve ampla repercussão a notícia de que a China não estaria muito empolgada com as negociações comerciais com os EUA no longo prazo — e, com isso, o Ibovespa e as bolsas americanas amargaram perdas.

E, sem nenhum comunicado oficial desmentindo esse desânimo dos chineses, os agentes financeiros não tinham lá muitos motivos para aumentar a exposição ao risco e voltar à ponta compradora nesta sexta-feira (1). Era preciso um empurrãozinho...

E ele veio: como quem não quer nada, o Departamento de Trabalho dos Estados Unidos reportou dados surpreendentemente fortes da geração de empregos no país. Tão potentes que não apenas tiraram os mercados da inércia: eles arremessaram as bolsas globais ao campo positivo, levando o Ibovespa para perto das máximas.

O principal índice da bolsa brasileira chegou a subir 1,19% no melhor momento do dia, aos 108.496,08 pontos, um novo recorde intradiário. Ao fim do dia, o Ibovespa perdeu intensidade, fechando em alta de 0,91%, aos 108.195,63 pontos — a máxima de encerramento é de 108,407,54 pontos, registrada na última quarta-feira (30). Com isso, o índice encerrou a semana com um ganho acumulado de 0,77%.

Nos Estados Unidos, as bolsas tiveram um comportamento semelhante: o S&P 500 avançou 0,95%, aos 3.066,36 pontos e o Nasdaq teve ganho de 1,13%, aos 8.386,40 pontos, atingindo novos recordes de fechamento; o Dow Jones encerrou em alta de 1,11%, aos 27.347,26 pontos. Os três índices também terminaram a semana no azul.

No mercado de câmbio, o dólar à vista fechou em baixa de 0,36% a R$ 3,9949, acumulando perda de 0,32% na semana. Lá fora, a moeda americana perdeu força em relação às divisas de países emergentes, como o peso mexicano o rublo russo, o peso chileno e o rand sul-africano.

Força bruta

Mais cedo, o Departamento de Trabalho dos EUA reportou a criação de 128 mil novos empregos no mês passado — a mediana das expectativas dos analistas consultados pela rede americana CNBC apontava para uma abertura de 75 mil postos. A taxa de desemprego teve uma ligeira alta: de 3,5% em setembro para 3,6% em outubro.

Os números do mercado de trabalho americano foram comemorados pelos agentes financeiros por demonstrarem um sinal de força da economia dos Estados Unidos, em meio aos temores quanto aos possíveis impactos negativos da guerra comercial com a China para a atividade do país.

O dado, inclusive, foi comentado com entusiasmo pelo presidente americano, Donald Trump. Via Twitter, ele afirmou que os números do mercado de trabalho foram "um estouro" e que superaram facilmente as expectativas:

O resultado mais forte do mercado de trabalho americano fez com que os agentes financeiros recuperem a confiança perdida na sessão passada, quando sinalizações pouco animadoras por parte da China em relação às negociações comerciais com os Estados Unidos fizeram o Ibovespa e as bolsas globais amargarem perdas.

Por aqui, o mercado também repercutiu o resultado mais fraco da produção industrial do Brasil em setembro: o indicador avançou 0,3% na comparação com agosto, ficando abaixo das expectativas dos analistas. Esse dado, assim, mostrou que a economia local segue mostrando dificuldades para ganhar tração.

E, com essa percepção, o mercado voltou a apostar na continuidade dos movimentos de corte da Selic, de modo a estimular a atividade doméstica — o que se refletiu nos ajustes negativos verificados nas curvas de juros.

Os DIs com vencimento em janeiro de 2021, por exemplo, caíram de 4,48% para 4,47%; na ponta longa, as curvas para janeiro de 2023 recuaram de 5,41% para 5,37%, e as para janeiro de 2025 foram de 6,03% para 5,98%.

Animação no Ibovespa

A maior parte das ações do Ibovespa terminou em alta nesta sexta-feira, com destaque para as mineradoras e siderúrgicas: Vale ON (VALE3) avançou 2,63%, CSN ON (CSNA3) teve ganho de 1,10%, Gerdau PN (GGBR4) valorizou 3,57% e Usiminas PNA (USIM5) subiu 2,20%.

O índice de atividade industrial da China, medido pelo grupo Caixin, subiu para 51,7 em outubro, maior leitura desde 2017. Esse dado é importante por mostrar que as indústrias chinesas estão com a demanda aquecida, e, consequentemente, as compras de minério de ferro e de aço pelo país tendem a aumentar.

Outro destaque foi Suzano ON (SUZB3), com ganho de 7,26%. Apesar de a companhia ter encerrado o trimestre com um prejuízo de R$ 3,4 bilhões, analistas elogiaram os dados operacionais da empresa entre julho e setembro, o que dá suporte ao desempenho positivo das ações.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

polêmica

Governo barra novo cadastro para auxílio

A estratégia do governo já desperta críticas de organizações da sociedade civil, que consideram urgente a abertura de um novo prazo para pedidos de auxílio

Tombo grande

Elon Musk perde US$ 27 bilhões em uma semana após tombo da Tesla

Mesmo com o tompo gigantesco, Musk segue como segundo homem mais rico do mundo, atrás apenas de Jeff Bezos, o fundador da Amazon

Expansão

3R Petroleum fecha parceria com DBO para aquisições de campos offshore

Com a parceria, a DBO se tornará acionista minoritária da OP, que seguirá sob controle da 3R

Boletim médico

Covid-19: mortes ultrapassam 264 mil e casos chegam a quase 11 milhões

Os dados estão na atualização diária do Ministério da Saúde, divulgada na noite deste sábado (6)

ESTRADA DO FUTURO

A mentira envolvendo o Clubhouse e o Tinder que rendeu 400% de valorização

Os mercados estão longe de serem perfeitos, e hoje vou te contar uma história real que envolve duas das empresas mais quentes no setor de mídias sociais: o “Clubhouse” e o “Tinder”.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies