Menu
2019-06-04T14:42:44-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
enquanto isso, na indústria...

Produção industrial sobe 0,3% em abril ante março, diz IBGE

Resultado veio abaixo da mediana (0,7%) das estimativas calculada pelo Projeções Broadcast, mas dentro do intervalo das expectativas (de 0,1% a 1,4%)

4 de junho de 2019
9:55 - atualizado às 14:42
Produção industrial
Imagem: José Patricio/Estadão Conteúdo

A produção industrial subiu 0,3% em abril ante março, na série com ajuste sazonal, divulgou na manhã desta terça-feira, 4, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em relação a abril de 2018, a produção caiu 3,9%.

Nessa comparação, sem ajuste, as estimativas variavam de um recuo de 4,5% a avanço de 1,8%, com mediana negativa de 3,2%. No ano de 2019, a indústria teve queda de 2,7%.

No acumulado em 12 meses, a produção da indústria acumulou recuo de 1,1%, informou o IBGE.

Bens de capital tem alta

A produção da indústria de bens de capital teve alta de 2,9% em abril ante março. Na comparação com abril de 2018, o indicador mostrou recuo de 0,6%.

No ano, houve redução de 3,1% na produção de bens de capital. No acumulado em 12 meses, a taxa ficou positiva em 1,8%.

Em relação aos bens de consumo, a pesquisa registrou alta de 3,1% na passagem de março para abril. Na comparação com abril de 2018, houve queda de 0,3%. No ano, a produção de bens de consumo caiu 1,5%. No acumulado em 12 meses, o recuo foi de 1,0%.

Na categoria de bens de consumo duráveis, o mês de abril foi de avanço de 3,4% ante março. Em relação a abril de 2018, houve alta de 1,2%. Entre os semiduráveis e os não duráveis, houve elevação de 2,6% na produção em abril ante março. Na comparação com abril do ano passado, a produção encolheu 0,7%.

Para os bens intermediários, o IBGE informou que a produção recuou 1,4% em abril ante março. Em relação a abril do ano passado, houve uma retração de 6,1%.

No ano, os bens intermediários tiveram redução de 3,1%. Em 12 meses, houve diminuição de 1,5% na produção.

Avanço em 30 de 26 ramos

A indústria registrou avanços na produção em 20 das 26 atividades pesquisadas na passagem de março para abril, ainda segundo o IBGE. Na média global a produção cresceu 0,3%.

As principais influências positivas foram de veículos automotores, reboques e carrocerias (7,1%), máquinas e equipamentos (8,3%), outros produtos químicos (5,2%) e produtos alimentícios (1,5%). Todos reverteram o comportamento negativo observado em março: -2,8%, -0,1%, -3,9% e -5,0%, respectivamente.

Por outro lado, as indústrias extrativas recuaram 9,7%, o quarto resultado negativo consecutivo, acumulando uma perda de 25,7% no período. Em abril, o setor de coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis caiu 2,0%, a segunda queda seguida, com perda acumulada de 5,0% no período.

O efeitos de Brumadinho

O rompimento da barragem da mineradora Vale na região de Brumadinho, em Minas Gerais, no fim de janeiro, ainda prejudica o desempenho do setor industrial brasileiro, em especial da indústria extrativa.

"A produção industrial brasileira está 1% abaixo do patamar de dezembro, enquanto que a produção da indústria de transformação está 1,9% acima do patamar de dezembro. A indústria extrativa está impactando negativamente o resultado da indústria como um todo", ressaltou André Macedo, gerente da Coordenação de Indústria do IBGE. "Em abril o crescimento se espalhou dentro da indústria de transformação", completou.

As indústrias extrativas tiveram uma perda recorde de 24,0% na produção em abril ante abril de 2018, a mais acentuada da série histórica iniciada em 2002, ainda como reflexo da tragédia de Brumadinho, afirmou Macedo.

"Tem efeitos causados pelo acidente, tem unidades sem produção, seja por decisões judiciais ou da própria empresa por algum risco envolvido, o que tem afetado o desempenho. Somado a isso, tem as condições climáticas (desfavoráveis) no Norte do País afetando produção de minério de ferro no Pará", explicou o gerente da pesquisa.

Perfil de expansão "espalhado"

Os dados do IBGE também mostram que o perfil de crescimento da indústria brasileira na passagem de março para abril, com 20 das 26 atividades em expansão, foi o mais disseminado desde junho de 2018, mês posterior à greve de caminhoneiros.

No entanto, os quatro principais impactos positivos (veículos, máquinas e equipamentos, outros químicos e alimentos) vinham de perdas em março ante fevereiro, relativizou André Macedo, gerente da Coordenação de Indústria do Instituto.

"A indústria vem mostrando maior volatilidade, ora cresce, ora recua, tentando adequar produção corrente à demanda que existe", justificou Macedo.

Entre os entraves à produção industrial no País estão os baixos níveis de confiança das famílias e do empresariado, que adiam decisões de consumo e investimentos; a crise na Argentina, que afeta as exportações; e o mercado de trabalho ainda com elevado patamar de desemprego e desalento, enumerou o pesquisador do IBGE.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Proventos

Banco do Brasil anuncia pagamento de R$ 416 milhões em Juros sobre Capital Próprio (JCP)

Terão direito ao provento os investidores com posição acionária na empresa no dia 11 de março

o melhor do seu dinheiro

Brandão balança mais não cai?

Chegamos ao fim de mais uma semana tensa nos mercados, que começou com a derrocada das ações da Petrobras, em razão da interferência do governo na presidência da estatal, e termina com pressões na bolsa e no dólar motivadas pelas preocupações dos investidores com a inflação nos Estados Unidos e alta nas taxas dos títulos […]

URGENTE

Hapvida e NotreDame chegam a um acordo sobre fusão, afirma site

A maior combinação entre duas empresas brasileiras criará uma gigante do setor de saúde, com um valor de R$ 110 bilhões.

fechamento da semana

Tensão em Brasília leva Ibovespa de volta aos 110 mil pontos e afunda estatais; dólar vai a R$ 5,60

Em semana marcada pela tensão entre governo e mercado, o Ibovespa recuou 7,09%, de volta aos 110 mil pontos. O dólar disparou acima dos R$ 5,60

Abandonando o barco?

Ações do Banco do Brasil recuam quase 5% com possibilidade de saída de André Brandão

Brandão tem mostrado insatisfação com o cargo e quer deixar o comando da estatal, segundo jornal; BB nega que presidente tenha renunciado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies