Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-04-02T15:10:28-03:00
Estadão Conteúdo
IBGE

Produção de bens de capital sobe para 4,6% em fevereiro

Comparação é feita em relação ao mês de janeiro; no ano, houve ligeiro avanço de 0,1% na produção de bens de capital e, no acumulado em 12 meses, a taxa ficou positiva em 5,6%

2 de abril de 2019
12:07 - atualizado às 15:10
Parque industrial da Sepac
Parque industrial da Sepac - Imagem: Divulgação

A produção da indústria de bens de capital teve alta de 4,6% em fevereiro ante janeiro, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Na comparação com fevereiro de 2018, o indicador mostrou aumento de 7,0%. Os dados fazem parte da Pesquisa Industrial Mensal - Produção Física (PIM-PF).

No ano, houve ligeiro avanço de 0,1% na produção de bens de capital. No acumulado em 12 meses, a taxa ficou positiva em 5,6%.

Em relação aos bens de consumo, a pesquisa registrou alta de 1,6% na passagem de janeiro para fevereiro. Na comparação com fevereiro de 2018, houve crescimento de 5,3%. No ano, a produção de bens de consumo subiu 1,2%. No acumulado em 12 meses, o avanço foi de 1,0%.

Na categoria de bens de consumo duráveis, o mês de fevereiro foi de avanço de 3,7% ante janeiro. Em relação a fevereiro de 2018, houve alta de 12,2%. Entre os semiduráveis e os não duráveis, houve elevação de 0,7% na produção em fevereiro ante janeiro. Na comparação com fevereiro do ano passado a produção cresceu 3,2%.

Para os bens intermediários, o IBGE informou que a produção recuou 0,8% em fevereiro ante janeiro. Em relação a fevereiro do ano passado, houve uma retração de 0,4%. No ano, os bens intermediários tiveram redução de 0,9%. Em 12 meses, houve diminuição de 0,3% na produção.

O índice de Média Móvel Trimestral da indústria teve ligeira alta de 0,1% em fevereiro.

Revisões
O IBGE revisou o resultado da produção industrial em janeiro de 2019 ante dezembro de 2018, de -0,8% para -0,7%. A taxa de dezembro ante novembro saiu de 0,2% para 0,3%.

Na categoria de bens de capital, a taxa de janeiro ante dezembro foi revisada de -3,0% para -2,6%. O resultado de dezembro ante novembro saiu de -3,5% para -4,3%, enquanto o desempenho de novembro ante outubro passou de -4,1% para -4,4%. A taxa de outubro ante setembro foi revista de 0,5% para 1,5%.

O desempenho de bens de consumo duráveis em janeiro ante dezembro passou de 0,5% para 1,3%. A taxa de dezembro ante novembro saiu de -1,7% para -1,0%, e o resultado de novembro ante outubro foi revisto -3,6% para -2,7%, e o de outubro ante setembro saiu de 3,1% para 2,1%.

Já os bens de consumo semi e não duráveis em janeiro ante dezembro foram revisados de -0,4% para 0,0%, e a taxa de dezembro ante novembro passou de 0,4% também para 0,0%. O desempenho de novembro ante outubro saiu de -1,0% para -0,4%.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

ÚLTIMO ADEUS?

De malas prontas para deixar a B3, Banco Inter (BIDI11) reverte prejuízo em lucro líquido de R$ 19,2 milhões no terceiro trimestre

O banco digital também celebrou a marca de 14 milhões de clientes no período, um salto de 94% na comparação com o terceiro trimestre de 2020

Tecnologia em foco

As big techs na balança: veja como foi o trimestre de Google, Microsoft e Twitter

Três das principais big techs americanas reportaram seus balanços nesta noite; veja como se saíram Alphabet/Google, Microsoft e Twitter

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Pressão nos juros, Elon Musk mais rico e o brilho das ações das elétricas

As projeções de bancos e economistas para a alta da Selic não param de subir. É possível ver essa tendência semanalmente no boletim Focus, divulgado toda segunda-feira pelo Banco Central, em relatórios de diversas casas de análise e na curva dos juros futuros — que não param de ser revisados para patamares cada vez mais […]

ACIONISTAS FELIZES

Farra dos dividendos: Santander (SANB11), Klabin (KLBN11) e Porto Seguro (PSSA3) anunciam proventos; banco espanhol vai pagar R$ 3 bilhões aos acionistas

Confira mais detalhes sobre os valores por ação, previsão para o pagamento e a data-limite para entrar na festa de cada uma das três empresas

MERCADOS HOJE

Ibovespa volta a cair mais de 2% na véspera da decisão do Copom; inflação salgada e fiscal deteriorado comandaram o dia

O mercado financeiro aguarda ansioso pelas palavras do BC, que devem pesar a recente deterioração do cenário fiscal e a elevação dos preços. O Ibovespa teve novo dia de perdas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies