Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-08-05T17:21:58-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Guerra comercial pega fogo

Dólar fica acima dos 7 yuans e Trump acusa a China de desvalorizar artificialmente a moeda

O dólar ficou acima do nível de sete yuan pela primeira vez em mais de 10 anos. Nesse cenário, o presidente americano, Donald Trump, fez duras acusações à China, aumentando ainda mais a tensão no front da guerra comercial

5 de agosto de 2019
12:00 - atualizado às 17:21
Cédulas de dólar e yuan
Cédulas de dólar e yuan - Imagem: Shutterstock

A guerra comercial entre Estados Unidos e China ganhou mais um episódio nesta segunda-feira (5). A moeda chinesa passou por uma forte desvalorização e, agora, o dólar vale mais de sete yuan, nível que não era rompido há mais de uma década. E o presidente americano, Donald Trump, não gostou nada disso.

Via Twitter, o republicano acusou o governo chinês de estar manipulando artificialmente o câmbio — uma "enorme violação" que, segundo ele, irá culminar num "grande enfraquecimento"da China ao longo do tempo.

"A China derrubou a cotação de sua moeda a um nível muito perto da mínima histórica. Isso se chama 'manipulação cambial'. Está ouvindo, Federal Reserve?", escreveu Trump, aproveitando para cutucar novamente o banco central americano — o presidente mostrou-se insatisfeito com a hesitação do BC local em relação ao corte de juros do país.

Em nota, o Banco Central da China atribui a desvalorização do yuan ante o dólar às medidas "unilaterais e protecionistas" adotadas pelo governo americano, mas sem confirmar oficialmente que o movimento ocorreu em função de uma determinação governamental.

Segundo as autoridades chinesas, o rompimento se deve às forças do mercado. No entanto, é sabido que o governo de Pequim pode interferir diretamente no preço da moeda — e, com o yuan mais fraco, as exportações chinesas tendem a ficar mais baratas, diminuindo o poder de fogo das medidas protecionistas adotadas recentemente por Trump.

Na última quinta-feira (1), o presidente americano anunciou a adoção de tarifas de 10% sobre outros US$ 300 bilhões em importações chinesas a partir do dia 1º de setembro — a medida não inclui os US$ 250 bilhões em produtos do país asiático que já sofrem com taxações de 25% para entrar nos EUA.

Mas, ao menos num primeiro momento, o governo da China não se mostrou abalado pelo anúncio: no fim de semana, a agência oficial de notícias do governo chinês afirmou que o país "nunca se curvará" ao "velho truque de bullying comercial" de Washington.

"Ao desvalorizar sua moeda para o menor nível em 11 anos, o governo chinês faz seus produtos ficarem mais baratos e mais competitivos, pegando em cheio a economia americana", explica Pablo Spyer, diretor da corretora Mirae Asset. "O stress dos mercados vem dos desdobramentos que essa guerra pode trazer".

Em maio, o economista-chefe do UBS para o Brasil, Tony Volpon, já apontava o acirramento na guerra comercial como um fator de risco importante para os mercados. Em entrevista ao Seu Dinheiro, Volpon alertou que o dólar rondava o nível de 7 yuans na crise chinesa de agosto de 2015 — e que a desvalorização da moeda do país asiático não ajudou o mercado brasileiro.

Mercados tensos

De fato, a segunda-feira é marcada por um enorme clima de cautela que contamina os mercados globais. Em meio à escalada nas tensões entre EUA e China e à incerteza quanto aos possíveis impactos para a economia global, os agentes financeiros adotam uma postura de extrema cautela.

Esse tom defensivo é refletido sobretudo no mercado de câmbio: há um movimento de fuga dos ativos mais arriscados como as divisas de países emergentes e exportadores de commodities. Nesse grupo, estão o peso mexicano, o peso colombiano, o rand sul-africano, o peso chileno e o real brasileiro.

Por aqui, o dólar à vista operava em forte alta de 1,62% às 15h25, a R$ 3,9551 — na máxima do da, a moeda americana bateu os R$ 3,9621, maior cotação intradiária desde 31 de maio.

Os mercados acionários também são fortemente pressionados. Nos Estados Unidos, os principais índices acionários caem mais de 2%, o que acaba influenciando o Ibovespa, que recua 2,73%, aos 99.915,95 pontos.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

RAIO-X DO ORÇAMENTO

Fundo eleitoral, emendas do relator e reajuste dos servidores: 3 pontos do Orçamento para 2022 que mexem com a bolsa esta semana

Entre emendas parlamentares superavitárias e reajuste dos policiais federais, o Orçamento deve ser publicado no Diário Oficial na segunda-feira (24)

PEC DOS COMBUSTÍVEIS

Tesouro pode perder até R$ 240 bilhões com PEC dos Combustíveis e inflação pode ir para 1% — mas gasolina ficará só R$ 0,20 mais barata; confira análise

Se todos os estados aderirem à desoneração, a perda seria de cifras bilionárias aos cofres públicos, de acordo com a XP Investimentos

Seu Dinheiro no Sábado

E a bolsa ainda pulsa: os grandões do Ibovespa brilham e puxam o índice — mas e as demais empresas?

Além do ciclo aquecido das commodities e da entrada de recursos estrangeiros, também vale lembrar o desconto nos ativos domésticos

BITCOIN (BTC) HOJE

Bitcoin (BTC) aprofunda queda da semana e é negociado aos US$ 35 mil hoje pela primeira vez em seis meses; criptomoeda já caiu 17% em sete dias

Especialista dá dicas de como sobreviver ao momento de “sangria” do mercado de criptomoedas — e o que não fazer no desespero

Dê o play!

A bolsa ainda pulsa, mas será um último suspiro? O podcast Touros e Ursos discute o cenário para o Ibovespa

No programa desta semana, a equipe do Seu Dinheiro discute o cenário para o Ibovespa e os motivos que fazem a bolsa brasileira subir

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies