Menu
2019-08-05T17:21:58-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Guerra comercial pega fogo

Dólar fica acima dos 7 yuans e Trump acusa a China de desvalorizar artificialmente a moeda

O dólar ficou acima do nível de sete yuan pela primeira vez em mais de 10 anos. Nesse cenário, o presidente americano, Donald Trump, fez duras acusações à China, aumentando ainda mais a tensão no front da guerra comercial

5 de agosto de 2019
12:00 - atualizado às 17:21
Cédulas de dólar e yuan
Cédulas de dólar e yuan - Imagem: Shutterstock

A guerra comercial entre Estados Unidos e China ganhou mais um episódio nesta segunda-feira (5). A moeda chinesa passou por uma forte desvalorização e, agora, o dólar vale mais de sete yuan, nível que não era rompido há mais de uma década. E o presidente americano, Donald Trump, não gostou nada disso.

Via Twitter, o republicano acusou o governo chinês de estar manipulando artificialmente o câmbio — uma "enorme violação" que, segundo ele, irá culminar num "grande enfraquecimento"da China ao longo do tempo.

"A China derrubou a cotação de sua moeda a um nível muito perto da mínima histórica. Isso se chama 'manipulação cambial'. Está ouvindo, Federal Reserve?", escreveu Trump, aproveitando para cutucar novamente o banco central americano — o presidente mostrou-se insatisfeito com a hesitação do BC local em relação ao corte de juros do país.

Em nota, o Banco Central da China atribui a desvalorização do yuan ante o dólar às medidas "unilaterais e protecionistas" adotadas pelo governo americano, mas sem confirmar oficialmente que o movimento ocorreu em função de uma determinação governamental.

Segundo as autoridades chinesas, o rompimento se deve às forças do mercado. No entanto, é sabido que o governo de Pequim pode interferir diretamente no preço da moeda — e, com o yuan mais fraco, as exportações chinesas tendem a ficar mais baratas, diminuindo o poder de fogo das medidas protecionistas adotadas recentemente por Trump.

Na última quinta-feira (1), o presidente americano anunciou a adoção de tarifas de 10% sobre outros US$ 300 bilhões em importações chinesas a partir do dia 1º de setembro — a medida não inclui os US$ 250 bilhões em produtos do país asiático que já sofrem com taxações de 25% para entrar nos EUA.

Mas, ao menos num primeiro momento, o governo da China não se mostrou abalado pelo anúncio: no fim de semana, a agência oficial de notícias do governo chinês afirmou que o país "nunca se curvará" ao "velho truque de bullying comercial" de Washington.

"Ao desvalorizar sua moeda para o menor nível em 11 anos, o governo chinês faz seus produtos ficarem mais baratos e mais competitivos, pegando em cheio a economia americana", explica Pablo Spyer, diretor da corretora Mirae Asset. "O stress dos mercados vem dos desdobramentos que essa guerra pode trazer".

Em maio, o economista-chefe do UBS para o Brasil, Tony Volpon, já apontava o acirramento na guerra comercial como um fator de risco importante para os mercados. Em entrevista ao Seu Dinheiro, Volpon alertou que o dólar rondava o nível de 7 yuans na crise chinesa de agosto de 2015 — e que a desvalorização da moeda do país asiático não ajudou o mercado brasileiro.

Mercados tensos

De fato, a segunda-feira é marcada por um enorme clima de cautela que contamina os mercados globais. Em meio à escalada nas tensões entre EUA e China e à incerteza quanto aos possíveis impactos para a economia global, os agentes financeiros adotam uma postura de extrema cautela.

Esse tom defensivo é refletido sobretudo no mercado de câmbio: há um movimento de fuga dos ativos mais arriscados como as divisas de países emergentes e exportadores de commodities. Nesse grupo, estão o peso mexicano, o peso colombiano, o rand sul-africano, o peso chileno e o real brasileiro.

Por aqui, o dólar à vista operava em forte alta de 1,62% às 15h25, a R$ 3,9551 — na máxima do da, a moeda americana bateu os R$ 3,9621, maior cotação intradiária desde 31 de maio.

Os mercados acionários também são fortemente pressionados. Nos Estados Unidos, os principais índices acionários caem mais de 2%, o que acaba influenciando o Ibovespa, que recua 2,73%, aos 99.915,95 pontos.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

SD Premium

Os segredos da bolsa: Brasília volta a mexer com o mercado de ações

Declarações recentes do ministro da Economia, Paulo Guedes, podem inspirar cautela entre os investidores e afetar uma categoria específica de ações na bolsa. O noticiário corporativo intenso também tende a fazer preço por aqui

Enfim uma oportunidade

Berkshire Hathaway, de Warren Buffett, faz primeira aquisição desde a explosão do coronavírus

Empresa adquire ativos de gás de companhia de energia americana por US$ 4 bilhões, além de assumir parte da sua dívida; desde o colapso dos mercados em março, a Berkshire apenas vendeu ativos, e vinha montada em caixa, no aguardo de boas oportunidades de compra

Um dos bilionários mais velhos

Aos 99 anos, Aloysio de Andrade Faria, o ‘banqueiro invisível’ ainda dá as cartas

Criador do Banco Real, Aloysio de Andrade Faria continua à frente de um império que inclui o banco Alfa e mais uma dezena de empresas.

Entrevista

O agronegócio não precisa das terras da Amazônia para se expandir, diz ministra da Agricultura

Em entrevista ao Estadão, Tereza Cristina diz ser “defensora intransigente de zerar o desmatamento ilegal”; sob escrutínio internacional, agronegócio corre risco de perder investimentos por questões ambientais

Nas redes sociais

Renato Feder recusa convite para ser novo ministro da Educação

Segundo o Estadão, Bolsonaro foi pressionado pela ala ideológica do governo e por militares para não colocar Feder no comando do MEC

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements