Menu
2019-04-30T11:57:22-03:00
Estadão Conteúdo
Complicou

Setor público tem déficit primário de R$ 18,629 bilhões em março, revela BC

Resultado primário consolidado de março ficou dentro do intervalo das estimativas de analistas do mercado financeiro, que iam de déficit de R$ 29,550 bilhões a déficit de R$ 17,300 bilhões

30 de abril de 2019
11:57
Dinheiro; notas e moedas de real
Imagem: Shutterstock

O setor público consolidado (Governo Central, Estados, municípios e estatais, com exceção de Petrobras e Eletrobras) apresentou déficit primário de R$ 18,629 bilhões em março, informou nesta terça-feira, 30, o Banco Central. O resultado representa o menor déficit para o mês desde março de 2017, quando houve déficit de R$ 11,047 bilhões. Em fevereiro, havia sido registrado déficit de R$ 14,931 bilhões.

O resultado primário consolidado do mês passado ficou dentro do intervalo das estimativas de analistas do mercado financeiro ouvidos pelo Projeções Broadcast, que iam de déficit de R$ 29,550 bilhões a déficit de R$ 17,300 bilhões. A mediana estava negativa em R$ 22 bilhões.

O resultado fiscal de março foi composto por um déficit de R$ 20,400 bilhões do Governo Central (Tesouro, Banco Central e INSS). Já os governos regionais (Estados e municípios) influenciaram o resultado positivamente com R$ 1,531 bilhão no mês. Enquanto os Estados registraram um superávit de R$ 1,517 bilhão, os municípios tiveram resultado positivo de R$ 14 milhões. As empresas estatais registraram superávit primário de R$ 239 milhões.

Trimestre

As contas do setor público acumularam um superávit primário de R$ 13,337 bilhões no primeiro trimestre de 2019, o equivalente a 0,76% do Produto Interno Bruto (PIB), informou o Banco Central. No caso do Governo Central, a meta é um déficit de R$ 139,0 bilhões.

A meta de déficit primário do setor público consolidado considerada pelo governo é de R$ 132,0 bilhões para 2019.

O superávit fiscal no primeiro trimestre ocorreu apesar do déficit de R$ 5,405 bilhões do Governo Central (0,31% do PIB). Os governos regionais apresentaram um superávit de R$ 17,164 bilhões (0,98% do PIB) no período.

Enquanto os Estados registraram um superávit de R$ 15,382 bilhões, os municípios tiveram um saldo positivo de R$ 1,782 bilhão. As empresas estatais registraram um resultado positivo de R$ 1,579 bilhão no período.

12 meses

Segundo o BC, as contas do setor público acumulam um déficit primário de R$ 99,312 bilhões em 12 meses até março, o equivalente a 1,43% do PIB, informou o Banco Central. Este é o menor déficit primário mensal ante o PIB desde outubro do ano passado (1,25%).

O déficit fiscal nos 12 meses encerrados em março pode ser atribuído ao rombo de R$ 113,567 bilhões do Governo Central (1,64% do PIB). Os governos regionais apresentaram um superávit de R$ 7,538 bilhões (0,11% do PIB) em 12 meses até março.

Enquanto os Estados registraram um superávit de R$ 10,063 bilhões, os municípios tiveram um saldo negativo de R$ 2,525 bilhões. As empresas estatais registraram um resultado positivo de R$ 6,717 bilhões no período.

Déficit nominal

O setor público consolidado registrou um déficit nominal de R$ 62,175 bilhões em março. Em fevereiro, o resultado nominal havia sido deficitário em R$ 45,013 bilhões e, em março de 2018, deficitário em R$ 57,631 bilhões.

No mês passado, o Governo Central registrou déficit nominal de R$ 57,707 bilhões. Os governos regionais tiveram saldo negativo de R$ 4,179 bilhões, enquanto as empresas estatais registraram déficit nominal de R$ 289 milhões.

No primeiro trimestre, o déficit nominal somou R$ 81,144 bilhões, o que equivale a 4,64% do PIB. Em 12 meses até março, há déficit nominal de R$ 483,775 bilhões, ou 6,98% do PIB.

Gasto com juros

O setor público consolidado teve gasto de R$ 43,546 bilhões com juros em março, após esta despesa ter atingido R$ 30,082 bilhões em fevereiro, informou o Banco Central.

O Governo Central teve no mês passado despesas na conta de juros de R$ 37,307 bilhões. Os governos regionais registraram gasto de R$ 5,710 bilhões e as empresas estatais, de R$ 528 milhões.

No primeiro trimestre, o gasto com juros somou R$ 94,481 bilhões, o que representa 5,41% do PIB. Em 12 meses até março, as despesas com juros atingiram R$ 384,463 bilhões (5,55% do PIB).

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

pandemia

Governo vai comprar vacina desenvolvida na China, diz Mourão

Vice-presidente disse que polêmica em torno da vacina desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan é “briga política” com Doria

DESTAQUE DO DIA

Suzano se descola do Ibovespa e sobe mais de 1% após resultados do 3º trimestre

Analistas destacam que Ebitda superou estimativas e elogiam fluxo de caixa livre e desalavancagem

sob pressão

Inflação e redução do auxílio emergencial já derrubam vendas nos supermercados

Em outubro, a prévia da inflação, medida pelo Índice de Preços ao Consumidor-15 (IPCA-15) atingiu 0,94%. O resultado é mais que o dobro da inflação registrada em setembro e a maior alta para o mês em 25 anos

efeito pandemia

Setor público tem déficit primário de R$ 64,559 bi em setembro, diz BC

Em função da pandemia, cujos efeitos econômicos se intensificaram em março, o governo federal e os governos regionais passaram a enfrentar um cenário de forte retração das receitas e aumento dos gastos públicos.

AINDA RUIM

Taxa de desemprego atinge 14,4% no trimestre até agosto, a maior desde 2012

País registrou 13,794 milhões de desempregados no período, aumento de 8,5%

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies