Menu
2019-04-16T17:56:22-03:00
Estadão Conteúdo
Tá complicado

Líder do PSDB diz que articulação política por parte do governo é zero

Deputado Carlos Sampaio lembrou que o governo de Jair Bolsonaro enfrenta dificuldades dentro do próprio partido

16 de abril de 2019
17:56
Carlos Sampaio (PSDB-SP)
Carlos Sampaio (PSDB-SP) - Imagem: Luis Macedo/Câmara dos Deputados

O líder do PSDB na Câmara, Carlos Sampaio (SP), fez uma crítica direta à articulação do governo no Congresso para a aprovação da reforma da Previdência.

Após se reunir com o ministro da Economia, Paulo Guedes, na sede do ministério, ele afirmou que a falta de articulação "é um dos grandes problemas que o governo enfrenta hoje". "A articulação política hoje é zero por parte do governo", acrescentou.

Sampaio lembrou que o governo de Jair Bolsonaro enfrenta dificuldades dentro do próprio partido, o PSL, e também para constituir uma base de apoio.

Segundo ele, muitos partidos estão apoiando a reforma dentro da Câmara porque acreditam na importância da matéria. "O PSDB tem autonomia, independência, não é base do governo, mas quer ajudar o País", citou.

O deputado e membros da bancada do PSDB estiveram em reunião nesta terça com Guedes e o secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, para discutir pontos da reforma.

"Foi uma reunião importante para colocar ao ministro não só o sentimento conceitual favorável à reforma, como também para colocar quais são os assuntos que nos afligem", disse Sampaio.

Entre esses assuntos, estão pontos ligados à transição, ao envolvimento dos Estados e municípios, à aposentadoria rural, ao Benefício de Prestação Continuada (BPC), à aposentadoria por invalidez e à pensão por morte", disse Sampaio.

"Precisamos de dados para saber quais as sugestões de melhoramento que poderemos fazer", acrescentou o líder do PSDB, lembrando que Guedes assumiu o compromisso de abrir os números na primeira audiência pública da comissão especial para debater o tema.

Sampaio afirmou ainda que a reforma deve ser votada ainda nesta terça ou na manhã desta quarta-feira na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara.

"O importante é podermos discutir a Previdência na comissão especial o quanto antes", acrescentou. "Previdência é tema urgente para o Brasil. Quanto antes for instalada a comissão especial, melhor."

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

ficou para esta quinta

Para privatizar Eletrobras, governo aceita mais 19 emendas à MP

Por acordo entre os senadores, o texto da MP será votado apenas amanhã, 17, a partir das 10h, e até lá, eles poderão apresentar sugestões de destaques, que podem alterar o teor do parecer

seu dinheiro na sua noite

A Selic subiu mais um pouco – e na próxima reunião tem mais

Esta “Super Quarta” terminou com os bancos centrais brasileiro e americano apertando um pouquinho mais a torneirinha dos juros. A inflação pressiona, aqui e na terra do Tio Sam, e as autoridades monetárias querem mostrar que permanecem vigilantes. O Federal Reserve ainda não elevou propriamente as taxas de juros, que foram mantidas entre zero e […]

Entrevista

Sinais do Copom apontam para Selic a 7% no fim do ano, diz Padovani, do banco BV

Economista-chefe do banco BV, Roberto Padovani destacou o tom mais ríspido do Banco Central e a indicação de que a Selic continuará em alta

MUDANÇA NOS JUROS

COMPARATIVO: Veja o que mudou no novo comunicado do Copom

Veja o que ficou igual e o que mudou no comunicado da decisão do Copom a respeito da taxa Selic, elevada ao patamar de 4,25% ao ano

Subiu de novo

Como ficam os seus investimentos em renda fixa com a Selic em 4,25% ao ano

Veja como fica o retorno das aplicações conservadoras de renda fixa agora que o Banco Central elevou a Selic mais uma vez

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies