Menu
2019-10-14T14:30:49-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Papo em dia

Guedes, Maia e Alcolumbre fazem reunião de balanço e traçam estratégias para o governo no segundo semestre

Presidente do Senado disse que a Câmara deve concluir a votação do segundo turno da reforma da Previdência nesta semana

5 de agosto de 2019
16:12 - atualizado às 14:30
Rodrigo Maia, Davi Alcolumbre e Paulo Guedes
Rodrigo Maia, Davi Alcolumbre e Paulo Guedes - Imagem: Cleia Viana/Câmara dos Deputados

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), almoçou nesta segunda-feira (5) com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e o ministro da Economia, Paulo Guedes, para fazer um balanço do primeiro semestre do Legislativo.

"Dos avanços e conquistas que o parlamento proporcionou para o Brasil e brasileiros", disse ele ao fim do encontro. Alcolumbre fez uma declaração ao deixar o almoço ao lado de Maia e Guedes, mas não abriu espaço para pergunta de jornalistas.

Alcolumbre teceu elogios ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), principalmente pelo seu desempenho na votação do primeiro turno da reforma da Previdência que foi aprovada por 379 votos no inicio de julho. "O parlamento apresentou ao Brasil uma proposta que dará para equilibrar as contas públicas", afirmou. Alcolumbre afirmou que Maia teve uma atuação firme e que a reforma dará também "segurança jurídica" e ajudará na geração de empregos.

O presidente do Senado disse que a Câmara deve concluir a votação do segundo turno da Previdência nesta semana e que já na próxima o Senado irá tocar a tramitação. Maia disse que a conclusão da votação do segundo turno já na quinta-feira vai depender da presença de deputados, quórum, na Casa.

Os três almoçaram juntos nesta segunda-feira para debater também a tramitação do segundo turno da reforma da Previdência na Câmara e seu encaminhamento ao Senado.

O encontro durou cerca de duas horas. Durante a reunião, Alcolumbre disse que está focado na Previdência, mas quer tocar a Tributária na sequência.

A expectativa é que a votação do segundo turno da Previdência tenha início nesta terça-feira na Câmara e seja concluída até quinta-feira, para que na próxima semana comece a tramitação no Senado.

Guedes, a ponte de diálogo

Alcolumbre também aproveitou a ocasião para fazer um afago a Guedes. "O ministro representa o desejo do governo de dialogar com o Parlamento", afirmou.

Em seu pronunciamento, Alcolumbre disse "reverenciar" a presença de Maia e Guedes no almoço e afirmou que a votação da reforma em primeiro turno foi fruto da "aproximação da política", citando a participação não só do ministro da Economia, mas também do ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni. Para o presidente do Senado, o resultado foi fruto de um Parlamento "forte, altivo, independente e mais harmônico".

Alcolumbre listou ainda outras prioridades na pauta do Congresso, como a reforma tributária. Segundo ele, a ideia é tentar construir um "entendimento" a partir das propostas do governo e do Legislativo. "A questão da reforma tributária, o Senado tem uma proposta, a Câmara tem uma proposta, o governo tem sua proposta. Nós fizemos um acordo, um entendimento para construirmos um texto que atenda aos interesses da Câmara, do governo e do Senado e que possa desburocratizar essa questão tributária", afirmou.

Outra prioridade, que segundo Alcolumbre será capitaneada pelo Senado, é o pacto federativo. A ideia, de acordo com o presidente do Senado, é desvincular recursos hoje concentrados nos cofres da União e direcioná-los para Estados e municípios.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Retomando a pauta

Votação do marco do saneamento deve ser retomada no Senado

O novo marco do saneamento — projeto que facilita a atuação da iniciativa privada no setor — tende a voltar à pauta no Senado em julho

Atrasou demais

Conselho diz que não há tempo hábil para privatizar Cedae

Um estudo aponta que a Cedae, a companhia de água e esgoto do Rio de Janeiro, deverá parar nas mãos do governo federal por falta de tempo para conclusão do processo de privatização

Pouco atraente

Participação do Brasil na carteira do investidor estrangeiro cai a 0,3%

Os diversos riscos associados à alocação de recursos no Brasil fizeram o peso do Brasil na carteira dos investidores estrangeiros — a incerteza política e a fraqueza econômica aparecem como importantes fatores

SEU DINHEIRO NO SÁBADO

MAIS LIDAS: Crise? Que crise?

O recente rali da bolsa pegou todo mundo de surpresa — e, não à toa, a matéria elencando cinco razões que explicam essa onda de otimismo foi a mais lida do Seu Dinheiro nesta semana

Crise setorial

Indústria deve deixar de vender mais de 1,3 milhão de veículos neste ano

A crise do coronavírus afetou as linhas de produção de veículos e também diminuiu as vendas em todo o país. Como resultado, o setor prevê uma queda de 40% no total vendido no ano

Seu mentor de investimentos

Um filme de terror: inflação volta a ter destaque no cenário brasileiro

Ivan Sant’Anna faz um paralelo entre a inflação galopante do fim dos anos 80 e o atual cenário de virtual estabilidade na variação dos preços — e mostra preocupação com o comportamento do mercado nesse novo panorama

Recuperação na bolsa

Até onde vai o Ibovespa? Para a XP, o índice voltará aos 112 mil pontos ao fim de 2020

A XP Investimentos revisou para cima sua projeção para o Ibovespa ao fim de 2020, passando de 94 mil pontos para 112 mil pontos — um patamar que implica num potencial de alta de mais de 18% em relação aos níveis atuais da bolsa

COLUNA DO PAI RICO PAI POBRE

Como se preparar para a nova Era do Empreendedorismo

Quando as coisas mudam tão drasticamente quanto nos últimos meses, pode ser difícil perceber, mas esses momentos criam as maiores oportunidades.

Dados atualizados

Mortes por coronavírus no Brasil vão a 34.973; infectados são 643.766

Na quinta-feira, havia 34.021 mortes registradas, segundo o Ministério da Saúde. O balanço diário totalizava 614.941 infectados

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements