Menu
2019-05-03T14:24:30-03:00
Estadão Conteúdo
O pecado da articulação

Governo constrói “maiorias fantasmas”, diz cientista político da FGV

Carlos Pereira aponta que Jair Bolsonaro erra em não construir uma maioria sólida e estável dentro do Congresso Nacional e pagará caro por isso

3 de maio de 2019
14:24
jair-bolsonaro
Jair Bolsonaro - Imagem: Shutterstock

O cientista político da Escola de Administração Pública e de Empresas (Ebape) da FGV, Carlos Pereira, avalia que o presidente Jair Bolsonaro erra ao não construir uma maioria estável no Congresso para aprovar as medidas enviadas pelo governo, como a reforma da Previdência, e apostar na busca direta de apoio da sociedade.

Para ele, esse equívoco na articulação está levando o presidente a ter de construir maiorias "fantasmas" em cada etapa da votação, que desaparecem depois, com custo elevado.

Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, o cientista diz que a ameaça do deputado Paulo Pereira da Silva (SD-SP) de desidratar o texto para impedir a reeleição do presidente em 2022 não é crível. "Não acredito que o Paulo Pereira tenha força para isso. O executivo ainda é o CEO da parada. O mandachuva", diz.

Qual o reflexo da articulação política para a agenda do governo de reformas?

O governo optou por um caminho de articulação política que contraria a lógica do presidencialismo multipartidário no qual raramente o partido do presidente consegue ter sozinho maioria. Ele obriga o presidente a construir maioria depois das eleições. Só que o governo interpretou como se a montagem dessa maioria levasse a trocas ilegítimas. Associou o presidencialismo de coalizão à corrupção. Essa interpretação gerou incentivos para que o presidente não se preocupasse em ter uma maioria estável.

Qual a consequência?

A articulação ocorre de maneira episódica. De forma que, em cada matéria específica a ser votada, o governo partiria para a construção dessa maioria com uma estratégia de estabelecer diretamente conexões com o eleitorado, não via instituições, para constranger o Legislativo para que ele não se desvie da preferência do presidente. Essa estratégia é muito arriscada porque tende a gerar resultados positivos apenas no curto prazo. Com o passar do tempo, essas maiorias vão se desgastando e os líderes se sentido ignorados pelo presidente. No momento em que o governo venha a se fragilizar, o poder de barganha, que estava na mão do presidente, passa rapidamente para a mão dos líderes.

Isso já está acontecendo?

É isso que estamos vendo agora. Um governo com dificuldades de aprovar matérias relevantes no Congresso, em especial a reforma da Previdência. Em função da ausência dessa maioria estável, o governo estabeleceu conexões diretas com a sociedade e, de certa forma, está tentando construir maiorias episódicas. Maiorias "fantasmas" que se formam e desaparecem logo em seguida, como na votação da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça, por onde a reforma da Previdência já passou). Foi formada lá uma maioria e nada garante que ela se reproduzirá na Comissão Especial, como os partidos não estão integralmente fazendo parte da maioria do presidente.

Em cada etapa de votação da reforma o governo terá de reconstruir a maioria?

Pode se forjar uma nova maioria diferente em cada etapa de negociação. Como é um jogo de repetição (a tramitação em várias etapas), os atores políticos fazem updates (atualizações) das suas crenças. No primeiro round na CCJ, mostraram o quanto são relevantes para gerar maioria. Já no round 2, vão tentar inflacionar o preço do seu suporte para realizar a reforma da Previdência.

É uma armadilha achar que a pressão das redes sociais vai garantir a aprovação das reformas?

O governo caiu na armadilha do seu discurso moralista ao interpretar a política como um jogo sujo, de toma lá, dá cá, implementado pelos governos petistas. O Bolsonaro interpretou esse jogo assim e aí amarrou as próprias mãos. Hoje, se encontra numa situação difícil dado que, mesmo que aprove a reforma da Previdência, ela será muito cara e distante do ponto de início.

Mais cara como?

Os custos já duplicaram e não chegamos ainda nem na fase do plenário. Se o governo tivesse dividido o poder com os partidos e feito um acordo antes de alocação proporcional de poderes e recursos, o custo final seria bem mais barato. Como o governo demonizou essas trocas, agora está sendo obrigado a realizá-las de uma forma desvantajosa. A tendência é que o governo gaste muito.

A reforma da Previdência é primeira vítima da articulação?

Sim, porque é uma reforma difícil e com imposição de custos concentrados em alguns grupos da sociedade e benefícios difusos. Esses grupos vão resistir. Vários parlamentares têm conexões com esses grupos de interesse que vão perder com a reforma. Eles terão de ser recompensados para arcar com os custos de desvio dos eleitores. É um jogo muito difícil em que o governo corre riscos desnecessários.

O Centrão mostrou força na votação da reforma na CCJ?

Exatamente. O Centrão (grupo informal de partidos que reúne, por exemplo, PP e PR) mostrou as garras e elas só tendem a aumentar. A cada round de votação, o governo vai depender mais e mais desse grupo de partidos. E quanto mais o governo sinalizar que depende deles, mais eles vão inflacionar o preço.

A reeleição do presidente já está na conta da reforma com a declaração do deputado Paulo Pereira de que o Centrão vai desidratar o texto para impedir uma vitória de Bolsonaro em 2022?

Lógico. Isso faz parte do jogo político. Eu não acredito que o Paulo Pereira tenha força para isso. O executivo ainda é o CEO da parada. O mandachuva. Ele ainda tem poderes importantes. Existe uma interpretação dos agentes econômicos, atores políticos e investidores da necessidade da reforma. A opinião pública está muito favorável. Logo não é crível a ameaça do Paulo porque ele também tem custos de se opor à reforma. Esse jogo não é de uma única mão.

*Com o jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

ficou para esta quinta

Para privatizar Eletrobras, governo aceita mais 19 emendas à MP

Por acordo entre os senadores, o texto da MP será votado apenas amanhã, 17, a partir das 10h, e até lá, eles poderão apresentar sugestões de destaques, que podem alterar o teor do parecer

seu dinheiro na sua noite

A Selic subiu mais um pouco – e na próxima reunião tem mais

Esta “Super Quarta” terminou com os bancos centrais brasileiro e americano apertando um pouquinho mais a torneirinha dos juros. A inflação pressiona, aqui e na terra do Tio Sam, e as autoridades monetárias querem mostrar que permanecem vigilantes. O Federal Reserve ainda não elevou propriamente as taxas de juros, que foram mantidas entre zero e […]

Entrevista

Sinais do Copom apontam para Selic a 7% no fim do ano, diz Padovani, do banco BV

Economista-chefe do banco BV, Roberto Padovani destacou o tom mais ríspido do Banco Central e a indicação de que a Selic continuará em alta

MUDANÇA NOS JUROS

COMPARATIVO: Veja o que mudou no novo comunicado do Copom

Veja o que ficou igual e o que mudou no comunicado da decisão do Copom a respeito da taxa Selic, elevada ao patamar de 4,25% ao ano

Subiu de novo

Como ficam os seus investimentos em renda fixa com a Selic em 4,25% ao ano

Veja como fica o retorno das aplicações conservadoras de renda fixa agora que o Banco Central elevou a Selic mais uma vez

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies